×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de maio de 2022

Tribunal Superior Eleitoral cassa mandato de Juíza Selma, a ‘Moro de Saias’

Tribunal Superior Eleitoral cassa mandato de Juíza Selma, a ‘Moro de Saias’Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Os ministros ainda vão se pronunciar sobre o cumprimento da decisão e sobre como será preenchida a vaga da senadora

Estadão Conteúdo - 11/12/2019 - 05:29:40

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu cassar a senadora Selma Arruda (Podemos-MT) , por 6 votos a 1, pela prática de caixa 2 e abuso de campanha nas eleições ao Senado em 2018 . No julgamento, concluído nesta terça-feira, 10, os ministros também determinaram a realização de novas eleições, rejeitando o pedido do terceiro colocado na eleição, Carlos Fávaro (PSD), que pretendia assumir a vaga.

A Juíza Selma foi a candidata ao Senado mais votada em Mato Grosso, com 678.542 votos (24,65%). Na época, Selma e os dois suplentes estavam filiados ao PSL. É a primeira cassação determinada nesta legislatura pelo TSE. A decisão torna inelegíveis Selma e seus dois suplentes pelo prazo de oito anos.


No fim do julgamento, os ministros do TSE decidiram que a ordem de cassação deve ser encaminhada ao Senado logo após a publicação da decisão. Não cabe ao Parlamento decidir se aceita ou não cumprir a decisão. Parlamentares só podem apreciar ordem de perda de mandato se ela for proferida em processos criminais.


O julgamento havia começado na semana passada com o voto do relator, ministro Og Fernandes, pela cassação e pela realização de novas eleições , e não a convocação de suplentes ou de outros concorrentes.

O magistrado havia ressaltado que o fato de Selma Arruda ter sido juíza por décadas, “tendo inclusive exercido a função eleitoral”, reforça a gravidade das irregularidades. “Jamais se poderia cogitar desconhecimento das normas ora transgredidas.”

O ministro Luis Felipe Salomão acompanhou o relator, nesta terça-feira, e destacou que os autos trazem trocas de mensagens, demonstrativos contábeis e verificação em torno de depoimentos provando irregularidades. “Chama atenção a vultosa quantia de gastos que aconteceram antes da campanha sem a devida contabilização. Caixa 2 e abuso de poder econômico”, disse, em seu voto.

A parlamentar ficou conhecida em Mato Grosso pelo histórico de decisões em casos de corrupção e, desde a posse no Senado em fevereiro, se juntou ao grupo dos lavajatistas. O ministro Luís Roberto Barroso, um dos favoráveis à cassação, disse ter recebido mensagens de pessoas que atestavam a honestidade da senadora, mas afirmou que o voto do relator não deixa dúvidas de que houve infração à legislação e à jurisprudência do TSE.

“Não está em discussão seu currículo nem sua ação pretérita como juíza. Aqui se discute pura e simplesmente uma questão de direito eleitoral. Portanto, nada do que se decide hoje macula o passado da senadora”, disse Barroso.

O julgamento tratou do recurso da senadora contra a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso (TRE-MT) que havia decidido em abril pela cassação.

O único ministro favorável ao pedido da senadora foi Edson Fachin, que no Supremo Tribunal Federal é o relator da Lava Jato. Entre seus argumentos, apresentou números para demonstrar que os valores totais gastos pela senadora foram menor do que os utilizados pelos segundo e terceiro colocado na votação. Afirmou que, dessa forma, não se poderia comprovar o desequilíbrio na campanha eleitoral. “Inexiste entra a candidata e os candidatos próximos uma distância que comprometa o certame”, disse Fachin.

“A invalidação da manifestação popular é mais factível quando existe ao menos alguma certeza em torno da ideia de que os eventos analisados constituem a causa provável do resultado da eleição. E eu estou integralmente convencido de que não é o caso, com o devido respeito a meus ilustres pares”, afirmou o relator da Lava Jato.

A ministra Rosa Weber, última a votar, elogiou o voto de Fachin, mas divergiu. “De campanha ilícita jamais poderá nascer mandato legítimo, pois árvore malsã não produz senão frutos doentios”, disse, citando frase do jurista e procurador José Jairo Gomes.

Pela Constituição, após a decisão da corte eleitoral, cabe a Mesa do Senado declarar a perda do mandato. Se a condenação fosse criminal, o Parlamento ainda poderia decidir determinar ou não a perda do mandato.

Uma das últimas ações da senadora antes da decisão do TSE foi ter relatado nesta terça-feira o Projeto de Lei de autoria do Senador Lasier Martins (Podemos-RS) que prevê a prisão dos réus condenados em segunda instância para cumprimento de pena. O projeto foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

O TSE já decidiu cassar antes senadores, como Ernandes Amorim (PPB-RO), em 2000, por abuso de poder político e econômico, e João Capiberibe (PSB-AP), em 2004, por compra de votos.

Comentários para "Tribunal Superior Eleitoral cassa mandato de Juíza Selma, a ‘Moro de Saias’":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Desmate na Mata Atlântica cresce 66%, com alta anual em 15 Estados

Desmate na Mata Atlântica cresce 66%, com alta anual em 15 Estados

Falhas permitem cadastro rural em área indígena

"Imaginar pessoas negras no futuro já é por si só ato de resistência", afirma autora GG Diniz

Em entrevista ao Trilhas do Nordeste, escritora cearense fala sobre particularidades do afrofuturismo na região

Dez anos do Código Florestal: Entraves e divergências ainda atrasam implementação

Dez anos do Código Florestal: Entraves e divergências ainda atrasam implementação

Para escritório Bueno, Mesquita e Advogados, falta de qualificação dos dados é principal impasse, mas análise dinamizada surge como solução viável para tirar a legislação do papel

Com alta da gasolina e carros mais caros, venda de motos aumenta no país

Com alta da gasolina e carros mais caros, venda de motos aumenta no país

Procura e compras de motos no Brasil vêm registrando alta histórica, enquanto carros estão em queda devido ao aumento dos preços

“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol

“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol

Desde o início do ano, foram registrados 33 casos de racismo envolvendo o futebol brasileiro

USP projeta 816 mil médicos em 2030, mas má distribuição continua no Brasil

USP projeta 816 mil médicos em 2030, mas má distribuição continua no Brasil

O estudo Radiografia das Escolas Médicas Brasileiras, concluído em 2020 pelo CFM, mostrou que 92% das instituições de ensino superior que oferecem vagas para Medicina não atendem pelo menos um dos três parâmetros considerados ideais

Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

No último domingo, 15, cerca de 800 toneladas de manganês foram apreendidas pela PRF na BR-155, em Marabá. O minério estava sendo transportado de forma ilegal, num comboio de 14 carretas

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Unep Grid Arendal/Riccardo Pravettoni Plantações na Amazônia brasileira

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Brasil tem vantagem competitiva com créditos de carbono

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

Sandra Benites pediu demissão do museu depois que seis fotos sobre o MST e a luta indígenas foram vetadas de uma mostra

Como os indígenas preservam o peixe pirarucu

Como os indígenas preservam o peixe pirarucu

Comunidades adotam o plano de manejo que gera renda e salva o gigante amazônico da extinção