×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

‘Tu acha que resolve essas coisas sem dar nada a ninguém?’, diz Wilson Santiago a empresário durante acerto de propinas

‘Tu acha que resolve essas coisas sem dar nada a ninguém?’, diz Wilson Santiago a empresário durante acerto de propinasFoto: Michel Jesus / Câmara dos Deputados

Políticos tiveram afastamento do cargo determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello.

Estadão Conteúdo - 23/12/2019 - 11:02:30

“Tu acha que resolve essas coisas sem dar nada a ninguém?” – Essa foi a pergunta feita pelo deputado federal Wilson Santiago (PTB-PB) ao empresário George Barbosa durante tratativas de propinas envolvendo a construção da adutora Capivara, no sertão da Paraíba. Segundo denúncia apresentada neste sábado, 21, pela Procuradoria-Geral da República , o parlamentar teria afirmado que nenhum pagamento de medições da obra seria realizado sem que recebesse propinas. Ao total, Santiago teria recebido R$ 1,2 milhão no âmbito do esquema, diz a acusação.

A peça protocolada neste sábado é assinada pelo procurador-geral da República em exercício José Bonifácio Andrada, que imputa a Wilson Santiago 16 episódios de corrupção . A mesma acusação é feita em face do prefeito de Uiraúna João Bosco Nonato Fernandes, preso no âmbito da Operação Pés de Barro e flagrado pela Polícia Federal colocando R$ 25 mil na cueca .


Os dois políticos tiveram afastamento do cargo determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello .

Além dos políticos, cinco pessoas foram denunciadas: George Barbosa, executivo da Coenco construções, empresa responsável pelas obras da adutora; Evani Ramanho, Israel Nunes de Lima e Luiz Carlos de Almeida, secretários parlamentares de Santiago; e Severino Batista, Motorista da Secretaria de Governo e Articulação Política do município de Uiraúna.

O documento apresenta diálogos entre os integrantes do grupo supostamente chefiado por Santiago. Segundo a denúncia, o parlamentar utilizava recursos humanos e financeiros da Câmara dos Deputados, além da influência e do acesso à estruturas federais lhe conferidos pelo mandato parlamentar para liberar verbas para as obras do sistema e continuar as atividades criminosas.

Obras da adutora Capivara. Foto: Prefeitura de Uirauna / Reprodução

A articulação de Santiago se daria para ‘agilizar’ o fluxo de verbas do Ministério da Integração Nacional, que custearia as obras da adutora. Segundo a PGR, o Wilson, João Bosco e George Barbosa teriam acordado a devolução de 15% do total do contrato de construção da adutora para os políticos, sendo 10% para o parlamentar, e 5% para o prefeito.

Logo após o contrato ser fechado, Wilson Santiago teria ‘recrutado’ os serviços de Evani, Luiz Carlos e Israel, em troca de cargos no gabinete da Câmara Federal, diz a acusação.

Foto: Reprodução

O trecho em que o deputado teria feito a pergunta “Tu acha que resolve essas coisas sem dar nada a ninguém?” é relativo a um diálogo entre Wilson, o empresário George Barbosa e a Evani Ramalho, secretária parlamentar de Wilson Santiago, apontada como suposta gerente das propinas.

Foto: Reprodução

Em outra conversa, Evani cobra de George R$ 400 mil em vantagens indevidas que estariam pendentes de entrega aos políticos. Segundo a PGR, tal diálogo teria acontecido na sede do PTB em João Pessoa e na ocasião, a servidora teria afirmado que o dinheiro ilícito era devido a Wilson Santiago e que o deputado encabeçava a organização criminosa. “Ele é o chefe. Ele é quem conduz”, diz a atual secretária parlamentar do deputado.

Foto: Reprodução

Já com relação ao papel do prefeito João Bosco no esquema, a PGR indica que cabia ao político utilizar as prerrogativas de Chefe do Executivo Municipal para impulsionar a quitação das medições da obra da Adutora Capivara mediante o pagamento das propinas. A peça da Procuradoria também apresenta diálogos que contam com a participação do prefeito.

Foto: Reprodução

A entrega das vantagens indevidas ocorreram a medida em que as medições da obra da adutora eram efetuadas e os correspondentes pagamentos pela construção eram liberados.

Foto: Reprodução

As entregas da propina, por sua vez, eram realizadas em diferentes locais, incluindo estacionamentos de hotéis e supermercados, praça de alimentação de aeroporto e até mesmo a sede do Partido Trabalhista Brasileiro em João Pessoa.

A denúncia da PGR lista 16 episódios em que os integrantes do esquema teriam se encontrado para as transações, apresentando imagens feitas pela Polícia Federal durante ações controladas da investigação.

A Polícia Federal flagrou o prefeito João Bosco colocando propina de R$ 25 mil na cueca em um dos encontros. Foto: Reprodução

COM A PALAVRA, O ADVOGADO LUÍS HENRIQUE MACHADO, QUE DEFENDE WILSON SANTIAGO

Quando a Operação Pés de Barro foi desencadeada, o advogado Luís Henrique Machado, que defende o deputado Wilson Santiago informou por meio de nota: “O deputado Wilson Santiago recebe com respeito e acatamento a decisão do Ministro Celso de Mello. Está absolutamente tranquilo e demonstrará, em momento oportuno, a inexistência de qualquer relação com os fatos investigados”.

COM A PALAVRA, O DEPUTADO WILSON SANTIAGO

Quando a Operação Pés de Barro foi desencadeada, o deputado Wilson Santiago informou por meio de nota: “Na manhã de hoje fomos surpreendidos por Operação da Polícia Federal. A operação em questão foi baseada na delação do empresário George Ramalho, o qual foi preso em abril de 2019 na Operação Feudo. Segundo as informações preliminares, o delator iniciou no segundo semestre de 2019 a construção de um roteiro, que servisse como base para acordo que lhe favorecesse na operação que foi alvo de prisão. O delator busca a todo momento, construir relações que possam nos implicar de forma pessoal e criminalizar o trabalho parlamentar.

Fica evidente, que o delator usa um princípio jurídico que veio para ser um instrumento de promoção de justiça, como artifício para favorecimento pessoal e evitar condenação na Operação Feudo. Temos certeza que esse tipo ação criminosa será coibida. Não podemos aceitar que a ação política fique refém dessas práticas. Dessa forma, tomaremos as medidas cabíveis para que a verdade venha à tona, com o esclarecimento das questões objeto da investigação e nossos direitos sejam restabelecidos. Estamos a disposição da Justiça para colaborar em todo o processo.”

COM A PALAVRA, O PTB

Quando a Operação Pés de Barro foi desencadeada, o PTB informou por meio de nota: “Sobre a Operação Pés de Barro, deflagrada neste sábado (21) pela Polícia Federal, na qual investiga a suposta participação do deputado federal Wilson Santiago em irregularidades em obras no interior do Estado da Paraíba, o Partido Trabalhista Brasileiro informa que acompanhará o andamento das investigações. Por fim, o PTB espera que Wilson Santiago consiga provar sua inocência.”

COM A PALAVRA, OS DEMAIS INVESTIGADOS

A reportagem busca contato com a defesa dos demais investigados. O espaço está aberto para manifestações (pepita.ortega@estadao.com)

Comentários para "‘Tu acha que resolve essas coisas sem dar nada a ninguém?’, diz Wilson Santiago a empresário durante acerto de propinas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol

“Racistas estão cada vez mais à vontade” diz diretor do Observatório Racial no Futebol

Desde o início do ano, foram registrados 33 casos de racismo envolvendo o futebol brasileiro

USP projeta 816 mil médicos em 2030, mas má distribuição continua no Brasil

USP projeta 816 mil médicos em 2030, mas má distribuição continua no Brasil

O estudo Radiografia das Escolas Médicas Brasileiras, concluído em 2020 pelo CFM, mostrou que 92% das instituições de ensino superior que oferecem vagas para Medicina não atendem pelo menos um dos três parâmetros considerados ideais

Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

Operação no Pará interdita garimpo ilegal de manganês e apreende 2.4t de minério

No último domingo, 15, cerca de 800 toneladas de manganês foram apreendidas pela PRF na BR-155, em Marabá. O minério estava sendo transportado de forma ilegal, num comboio de 14 carretas

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Projeto da ONU busca preservar a floresta amazônica no Maranhão

Unep Grid Arendal/Riccardo Pravettoni Plantações na Amazônia brasileira

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Crise climática pode ser combatida com monetização de reflorestamento

Brasil tem vantagem competitiva com créditos de carbono

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

Sandra Benites pediu demissão do museu depois que seis fotos sobre o MST e a luta indígenas foram vetadas de uma mostra

Como os indígenas preservam o pirarucu

Como os indígenas preservam o pirarucu

Comunidades adotam o plano de manejo que gera renda e salva o gigante amazônico da extinção

Santa Catarina é destaque na geração de empregos no país

Santa Catarina é destaque na geração de empregos no país

Ampla oferta não garante contratação imediata

Pandemia evidencia violação de direitos humanos na agropecuária

Pandemia evidencia violação de direitos humanos na agropecuária

Antes da crise sanitária, 19,2% do total de pessoas empregadas na América Latina já estava em emprego rural

Biogás ganha protagonismo no setor de energia do Brasil através de investimentos e novas regulações

Biogás ganha protagonismo no setor de energia do Brasil através de investimentos e novas regulações

Segundo associações de gás brasileiras, 25 novas usinas têm orçamento de mais de R$ 55 bilhões para, até 2030, ofertar 30 milhões de m3/dia do combustível. O biogás também é uma alternativa para volatilidade do preço do óleo diesel.

Mais de 20% de médicos recém-formados migram para outros estados

Mais de 20% de médicos recém-formados migram para outros estados

'A migração interna de médicos é determinada por questões econômicas, sociais e demográficas, há fatores individuais e profissionais associados à decisão de mudar', afirma Mauro Ribeiro, presidente do CFM