×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de junho de 2022

Vacina e conflito de narrativas

Vacina e conflito de narrativasFoto: Pavel Korolyov/AFP

O ensaísta Davi Lago pergunta qual seria o limite à liberdade de expressão? Até que ponto é prudente tolerar discursos negacionistas?

Por Davi Lago - Veja.com - 04/01/2021 - 23:02:52

O debate público global de 2021 inicia com a questão das vacinas e seus desdobramentos políticos. Entre os pontos principais da discussão está a desconfiança mútua, em múltiplas frentes: governantes e governados, cientistas e políticos, setor público e setor privado, e assim por diante. A profusão de informações, desinformações, teorias da conspiração, discursos eleitorais oportunistas deixa os cidadãos de nações democráticas completamente desnorteados em um momento tão complicado. Como superar o conflito entre narrativas de diferentes campos do conhecimento e distintos vieses ideológicos?

Sem dúvida, a transparência dos processos decisórios é um componente elementar. Para compreender melhor este ponto podemos examinar a discussão filosófica moderna sobre a liberdade de expressão. O locus classicus da reflexão é a obra do filósofo britânico John Stuart Mill: sua argumentação no ensaio Sobre a liberdade (1859), especialmente no capítulo 2 Sobre a liberdade de pensamento e discussão, é frequentemente identificada como uma ferramenta-chave para compreender a questão, sobretudo, por causa de sua concepção de liberdade de expressão como possibilidade de maximizar o conhecimento e o bem geral da sociedade. O argumento de Mill transita em torno de duas hipóteses centrais: (i) nunca podemos ter a certeza de que a opinião que procuramos amordaçar seja falsa; e, (ii) mesmo que tivéssemos, amordaçá-la seria, ainda assim, um mal.

Para ilustrar a primeira hipótese Mill apresentou exemplos dramáticos como as condenações injustas de Sócrates e de Cristo. Deste modo, Mill considerou a falibilidade das opiniões como um traço da própria condição humana: “as pretensões de uma opinião a ser protegida do ataque público assentam não tanto na sua verdade, mas sim na sua importância para a sociedade”. Para Mill nossas opiniões são úteis, não necessariamente verdadeiras, portanto, nunca podemos ter certeza de que a opinião que procuramos amordaçar seja falsa.

Para fundamentar sua segunda hipótese Mill ofereceu um raciocínio que ampliou a estratégia básica de condenar a autoridade censuradora, argumentando que a maior vítima da censura é o próprio censurador. O mal particular em silenciar a expressão de uma opinião é que esta restrição configura “um roubo à humanidade; à posteridade, bem como a geração atual; àqueles que discordam da opinião, mais ainda do que àqueles que a sustentam”. Mill afirmou que a restrição da liberdade de expressão impede o avanço do conhecimento da humanidade (o que inclui o próprio censurador): “se a opinião [que está sendo restringida] for correta, [a humanidade – presente e futura – e os censuradores,] ficarão privados da oportunidade de trocar o erro pela verdade; se estiver errada, perdem uma impressão mais clara e viva da verdade, produzida pela sua confrontação com o erro”.

Deste modo, Mill defende a liberdade de expressão como um meio de aprimoramento do conhecimento. Ao permitir opiniões heterodoxas, hereges, dissonantes, divergentes, a sociedade só tem a ganhar, considerando duas possibilidades: caso a nova opinião seja verdadeira/superior, a sociedade tem a possibilidade de rever suas antigas opiniões (abandonando-as ou aprimorando-as); caso a nova opinião seja falsa/inferior, a sociedade tem a possibilidade de reafirmar suas opiniões antigas, com razões para confiar ainda mais nelas. Citando o paradigma científico newtoniano de seu tempo, Mill escreveu: “se não fosse permitido que até mesmo a filosofia newtoniana fosse questionada, as pessoas não sentiriam uma tão completa certeza da sua verdade como agora sentem”.

Por fim, é necessário questionar: qual seria o limite à liberdade de expressão? Até que ponto é prudente tolerar discursos negacionistas? A resposta de Mill é talvez o tema principal da referida obra: o limite de qualquer forma de liberdade é sempre aferido através do princípio do dano. Segundo Mill, a sociedade tem o direito inerente de “evitar crimes contra si própria através de precauções anteriores”.

O debate sobre as vacinas envolve questões intrincadas de saúde pública, direito e cidadania. Portanto, os cidadãos e cidadãs das sociedades democráticas contemporâneas, especialmente seus representantes legitimados pelo voto, precisam equalizar com urgência e prudência a liberdade de expressão e o princípio do dano. A transparência na tomada de decisão governamental e a fiscalização cidadã são inadiáveis.

Comentários para "Vacina e conflito de narrativas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial para conter avanço chinês

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial para conter avanço chinês

No campo tecnológico, a iniciativa contempla o desenvolvimento e a expansão da tecnologia das comunicações e a informação trabalhando com "provedores confiáveis", que forneçam 5G e 6G, conforme apontou a Casa Branca.

Abuso de entorpecentes e tráfico têm impacto sobre crises humanitárias e de saúde

Abuso de entorpecentes e tráfico têm impacto sobre crises humanitárias e de saúde

Drogas ilegais apreendidas.

Suprema Corte dos EUA suspende legalização do aborto

Suprema Corte dos EUA suspende legalização do aborto

Decisão foi tomada por seis votos a três e abre margem para que estados possam vetar o procedimento.

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

A comunidade internacional deve defender a Carta das Nações Unidas e se esforçar para manter a paz em um mundo volátil, disse ele.

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Segundo analistas, trata-se de uma "mudança de maré" provocada pelo descontentamento com governantes anteriores.

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

A Polícia Federal brasileira informou que a prisão decorreu das investigações desenvolvidas no âmbito da Operação Enterprise

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Jair Bolsonaro na abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2022, em 14 de junho de 2022 © Alan Santos / Palácio do Planalto / CCBY 2.0

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

A Educação Não Pode Esperar

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

Ball Corporation avança em investimentos na América do Sul com nova fábrica de latas de alumínio no Peru

A empresa, líder global em embalagens sustentáveis de alumínio, anunciou abertura que vai gerar mais de 100 empregos diretos e 300 indiretos.

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

Milhares de burquinenses que se deslocaram pelo massacre em Seytenga encontraram segurança além da fronteira com o Níger.

Estados Unidos alertaram sobre projeto de bagagem gratuita vetado por Bolsonaro

Estados Unidos alertaram sobre projeto de bagagem gratuita vetado por Bolsonaro

Acordo foi assinado em março de 2011, no governo Dilma Rousseff, e entrou em vigor em maio de 2018, na gestão de Michel Temer, após aprovação pelo Congresso.