×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

Vacina e conflito de narrativas

Vacina e conflito de narrativasFoto: Pavel Korolyov/AFP

O ensaísta Davi Lago pergunta qual seria o limite à liberdade de expressão? Até que ponto é prudente tolerar discursos negacionistas?

Por Davi Lago - Veja.com - 04/01/2021 - 23:02:52

O debate público global de 2021 inicia com a questão das vacinas e seus desdobramentos políticos. Entre os pontos principais da discussão está a desconfiança mútua, em múltiplas frentes: governantes e governados, cientistas e políticos, setor público e setor privado, e assim por diante. A profusão de informações, desinformações, teorias da conspiração, discursos eleitorais oportunistas deixa os cidadãos de nações democráticas completamente desnorteados em um momento tão complicado. Como superar o conflito entre narrativas de diferentes campos do conhecimento e distintos vieses ideológicos?

Sem dúvida, a transparência dos processos decisórios é um componente elementar. Para compreender melhor este ponto podemos examinar a discussão filosófica moderna sobre a liberdade de expressão. O locus classicus da reflexão é a obra do filósofo britânico John Stuart Mill: sua argumentação no ensaio Sobre a liberdade (1859), especialmente no capítulo 2 Sobre a liberdade de pensamento e discussão, é frequentemente identificada como uma ferramenta-chave para compreender a questão, sobretudo, por causa de sua concepção de liberdade de expressão como possibilidade de maximizar o conhecimento e o bem geral da sociedade. O argumento de Mill transita em torno de duas hipóteses centrais: (i) nunca podemos ter a certeza de que a opinião que procuramos amordaçar seja falsa; e, (ii) mesmo que tivéssemos, amordaçá-la seria, ainda assim, um mal.

Para ilustrar a primeira hipótese Mill apresentou exemplos dramáticos como as condenações injustas de Sócrates e de Cristo. Deste modo, Mill considerou a falibilidade das opiniões como um traço da própria condição humana: “as pretensões de uma opinião a ser protegida do ataque público assentam não tanto na sua verdade, mas sim na sua importância para a sociedade”. Para Mill nossas opiniões são úteis, não necessariamente verdadeiras, portanto, nunca podemos ter certeza de que a opinião que procuramos amordaçar seja falsa.

Para fundamentar sua segunda hipótese Mill ofereceu um raciocínio que ampliou a estratégia básica de condenar a autoridade censuradora, argumentando que a maior vítima da censura é o próprio censurador. O mal particular em silenciar a expressão de uma opinião é que esta restrição configura “um roubo à humanidade; à posteridade, bem como a geração atual; àqueles que discordam da opinião, mais ainda do que àqueles que a sustentam”. Mill afirmou que a restrição da liberdade de expressão impede o avanço do conhecimento da humanidade (o que inclui o próprio censurador): “se a opinião [que está sendo restringida] for correta, [a humanidade – presente e futura – e os censuradores,] ficarão privados da oportunidade de trocar o erro pela verdade; se estiver errada, perdem uma impressão mais clara e viva da verdade, produzida pela sua confrontação com o erro”.

Deste modo, Mill defende a liberdade de expressão como um meio de aprimoramento do conhecimento. Ao permitir opiniões heterodoxas, hereges, dissonantes, divergentes, a sociedade só tem a ganhar, considerando duas possibilidades: caso a nova opinião seja verdadeira/superior, a sociedade tem a possibilidade de rever suas antigas opiniões (abandonando-as ou aprimorando-as); caso a nova opinião seja falsa/inferior, a sociedade tem a possibilidade de reafirmar suas opiniões antigas, com razões para confiar ainda mais nelas. Citando o paradigma científico newtoniano de seu tempo, Mill escreveu: “se não fosse permitido que até mesmo a filosofia newtoniana fosse questionada, as pessoas não sentiriam uma tão completa certeza da sua verdade como agora sentem”.

Por fim, é necessário questionar: qual seria o limite à liberdade de expressão? Até que ponto é prudente tolerar discursos negacionistas? A resposta de Mill é talvez o tema principal da referida obra: o limite de qualquer forma de liberdade é sempre aferido através do princípio do dano. Segundo Mill, a sociedade tem o direito inerente de “evitar crimes contra si própria através de precauções anteriores”.

O debate sobre as vacinas envolve questões intrincadas de saúde pública, direito e cidadania. Portanto, os cidadãos e cidadãs das sociedades democráticas contemporâneas, especialmente seus representantes legitimados pelo voto, precisam equalizar com urgência e prudência a liberdade de expressão e o princípio do dano. A transparência na tomada de decisão governamental e a fiscalização cidadã são inadiáveis.

Comentários para "Vacina e conflito de narrativas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
No Fórum Econômico Mundial, Guterres aponta prioridades para retomada econômica

No Fórum Econômico Mundial, Guterres aponta prioridades para retomada econômica

Bandeiras no encontro anual do Fórum Econômico Mundial

No Vaticano, papa Francisco diz rezar por vítimas das chuvas no Brasil

No Vaticano, papa Francisco diz rezar por vítimas das chuvas no Brasil

Ele falou após a oração do Angelus, na Praça de São Pedro

Ex-primeiro-ministro de Israel, Netanyahu negocia acordo em processo de corrupção

Ex-primeiro-ministro de Israel, Netanyahu negocia acordo em processo de corrupção

Bolsonaro chega a Israel e defende parcerias em segurança e defesa

Ao recusar ir à posse de Boric no Chile, Bolsonaro impulsiona política que isola o Brasil

Ao recusar ir à posse de Boric no Chile, Bolsonaro impulsiona política que isola o Brasil

Ao fazer constantes declarações demonstrando seu posicionamento pessoal diante de líderes latino-americanos, Bolsonaro cria graves consequências para política externa brasileira. A Sputnik Brasil ouviu analista para entender por que o governo opta por um comportamento não diplomático

'Instabilidade do Mercosul citada por Bolsonaro foi criada por sua própria gestão', diz especialista

'Instabilidade do Mercosul citada por Bolsonaro foi criada por sua própria gestão', diz especialista

Presidente voltou a fazer comentários sobre o Mercosul dizendo que se o Brasil "estivesse livre do bloco" seria melhor, e apontou que a organização sofre "instabilidades". A Sputnik Brasil entrevistou analista para saber até que ponto os argumentos do presidente procedem com a realidade mercosulina.

Empresário de moda costura tecido da paz no nordeste da República Democrática do Congo repleto de violência

Empresário de moda costura tecido da paz no nordeste da República Democrática do Congo repleto de violência

Com uma nova coleção chegando a cada semana para a linha de roupas, Muhindo conseguiu lançar vários desfiles de moda locais.

Omã é o destino do programa “Anthony Bourdain, lugares desconhecidos”

Omã é o destino do programa “Anthony Bourdain, lugares desconhecidos”

O episódio deste domingo (09,01) apresenta detalhes surpreendentes sobre história, cheiros e sabores do antigo império do Oceano Índico

Morre Sidney Poitier, 1º negro a ganhar Oscar de melhor ator

Morre Sidney Poitier, 1º negro a ganhar Oscar de melhor ator

Ele inspirou geração durante movimento pelos direitos civis

Nos EUA, Biden eleva tom e vai culpar Trump e aliados por invasão do Capitólio

Nos EUA, Biden eleva tom e vai culpar Trump e aliados por invasão do Capitólio

Até agora o governo, inclusive o próprio Biden, costumava evitar nomear Trump, referindo-se a ele como "o outro cara" ou "o cara de antes".

Procuradora que investiga Organização Trump intima filhos do ex-presidente

Procuradora que investiga Organização Trump intima filhos do ex-presidente

O esforço da procuradora-geral para entrevistar Trump sob juramento tornou-se público no mês passado, mas não se sabia antes que seu gabinete também procurava questionar Donald Trump Jr. e Ivanka Trump.

Potências assinam nota conjunta contra guerra nuclear

Potências assinam nota conjunta contra guerra nuclear

Países dizem que ninguém pode vencer uma guerra nuclear