×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de janeiro de 2022

Vacinação infantil: Cada segundo conta, toda vida importa

Vacinação infantil: Cada segundo conta, toda vida importaFoto: Andre Borges/Agência Brasília.

Para Bolsonaro e Queiroga, tem mais valor a opinião de leigos do que o conhecimento da Anvisa e de sociedades científicas do mundo inteiro.

Adunb - 06/01/2022 - 16:25:26

Em qualquer país com um governo minimamente sério, a vacinação já teria começado

No dia 16 de dezembro de 2021, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a aplicação da vacina Comirnaty, fabricada pela Pfizer, para imunizar crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19.

Desde então, a vacinação deste segmento populacional entrou na agenda do Ministério da Saúde, que pactuou com o laboratório a compra e a entrega do imunizante: até março deste ano, 20 milhões de doses, quantidade suficiente para imunização de metade da população dessa faixa etária; até o final do ano, mais 100 milhões de doses.

Em qualquer país com um governo minimamente sério, a vacinação já teria começado, mas estamos no Brasil sob o governo Bolsonaro, que, na contramão do mundo civilizado, não apenas se guia pelo negacionismo, como ainda incita seus seguidores a irem sorrindo para em direção à morte, levando consigo o maior número possível de inocentes.

O que se viu desde a aprovação do imunizante foi um calculado projeto de adiamento do início da vacinação, consolidando o Brasil no abominável posto de país com a segunda maior taxa de mortalidade infantil por Covid-19 no mundo, e quando cobrados a agir para reverter isso, Bolsonaro e seu ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, reagiram com desumano escárnio: “Pra que tanta pressa?”.

A ciência que eles criminosamente negam tem a resposta: "Essa faixa etária é um dos principais vetores de transmissão da doença, podendo transmiti-la por períodos mais longos, tornando-a a principal disseminadora da pandemia num futuro próximo", alerta a Dra. Marjori Dulcine, diretora médica da Pfizer no Brasil.

O primeiro obstáculo foi a morosidade para regularizar o sistema do Ministério da Saúde, que teria sido supostamente invadido por hackers, dificultando a aferição dos números de infecção e óbito derivados da Covid-19, e foram esses números defasados que Queiroga usou para definir como “aceitáveis” os índices da pandemia no país, no que foi desmentido, com provas, pela Sociedade Brasileira de Pediatria: a covid-19 já matou mais de 2.500 crianças e adolescentes, mais de 300 delas do grupo de 5 a 11 anos, fora as milhares de hospitalizações.

O segundo obstáculo, exigir prescrição médica para vacinação, o que afetaria sensivelmente as camadas mais pobres do país, cujo acesso a serviços médicos privados é inexistente e, na sobrecarregada rede pública, lento demais, e, numa pandemia com alto poder de letalidade, cada dia perdido representa vidas perdidas.

Mediante a péssima repercussão, criou-se novo e esdrúxulo obstáculo: a realização de uma consulta pública para saber se a população considerava, primeiro, correta a obrigatoriedade da vacinação pediátrica, depois, se esta deveria se dar, ou não, somente com prescrição médica.

Para Bolsonaro e Queiroga, tem mais valor a opinião de leigos do que o conhecimento da Anvisa e de sociedades científicas do mundo inteiro. Paralelamente, Bolsonaro dava declarações desacreditando a importância da vacina, para apoiadores replicarem nos esgotos de disseminação de fake news. Consulta minimamente similar foi realizada, por exemplo, para recomendação – e mesmo propaganda feita pelo presidente – do uso de cloroquina e ivermectina, comprovadamente ineficazes contra a Covid-19.

A consulta terminou na segunda-feira (3), com os seguintes resultados: das quase 100 mil pessoas que responderam ao questionário, a maioria é contra a obrigatoriedade, mas também é contra à prescrição médica para quem quiser vacinar seus filhos.

Sem se dar por vencido, porém, Queiroga convocou para ontem (4) uma audiência pública, da qual participaram aliados do governo e ex-integrantes do nefando “gabinete paralelo”, responsável direto pela condução genocida da pandemia, que definiram a variante Ômicron como “um presente de Deus”, pois sua menor letalidade confere maior segurança à imunidade de rebanho, e defenderam que a vacina tem caráter “emergencial”, mais uma mentira, pois a Pfizer já tem o registro do imunizante.

Foram tecnicamente contestados por representantes da comunidade científica presentes à audiência cujo único propósito foi o de atrasar ainda mais o início da vacinação, que, finalmente, Queiroga anunciou vagamente para a segunda quinzena de janeiro, depois do trâmite de entrada dos lotes de vacinas no país, mas não informou quantas doses serão aplicadas, apenas que, até o final do mês, o Brasil terá disponíveis quase 4 milhões de doses do imunizante.

Crianças têm o direito constitucional de receber vacinas aprovada. A letalidade da variante Ômicron é menor somente para quem já foi vacinado, mas que poderá voltar ao grupo de risco enquanto houver mais e novos vetores de transmissão de variantes – e já estamos na segunda, em dois anos.

A ADUnB se une a todas as entidades sindicais, políticas, civis e científicas que sabem: cada segundo conta, toda vida importa. Em defesa da Ciência. Em defesa da Vida.

*Diretoria da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB - S. SInd. do ANDES-SN)

** Este é um artigo de opinião. A visão da autora não necessariamente expressa a linha editorial do Brasil de Fato.

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Edição: Flávia Quirino

Comentários para "Vacinação infantil: Cada segundo conta, toda vida importa":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório

"Somos todos seres humanos incompletos e imperfeitos", diz escritor LGBT

Saulo Sisnando levanta a bandeira de que o amor é único e universal

Minas Gerais implementa carteira de identidade do autista

Minas Gerais implementa carteira de identidade do autista

Estado usa assinatura eletrônica Gov.br para emissão do documento

União do mesmo gênero cresce e fica mais jovem

União do mesmo gênero cresce e fica mais jovem

A maior aceitação das famílias aos LGBTI+, embora o preconceito ainda seja um problema grave, também está por trás do rejuvenescimento dos noivos

A luta antirracista de Aranha: De goleiro chamado de macaco a escritor

A luta antirracista de Aranha: De goleiro chamado de macaco a escritor

A palavra ganhou um sentido ainda mais potente e atual no livro

Vídeo: Desigualdade em vacinas pelo mundo atrasa fim da pandemia

Vídeo: Desigualdade em vacinas pelo mundo atrasa fim da pandemia

Nações Unidas chamam atenção para desigualdade na distribuição das doses da vacina.

'A economia prateada já move R$ 1,6 trilhão por ano'

'A economia prateada já move R$ 1,6 trilhão por ano'

Apesar do crescimento, essa população não tem sido atendida de forma satisfatória, diz o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit.

Operação foca em rede de extremistas que cultua racismo e homofobia

Operação foca em rede de extremistas que cultua racismo e homofobia

Os investigadores dizem ter identificado, a partir da quebra de sigilo de dados e telefônicos autorizados pela Justiça, grupos que "se autodeclaram nazistas e ultranacionalistas, associados para praticar e incitar atos criminosos".

Distrito Federal é condenado a indenizar mulher por excesso em abordagem policial

Distrito Federal é condenado a indenizar mulher por excesso em abordagem policial

A decisão foi unânime.

Personal trainer barrada em academia devido à roupa deve ser indenizada

Personal trainer barrada em academia devido à roupa deve ser indenizada

Cabe recurso da sentença.

Luta contra a Aids: 5 personagens brasileiros históricos que não resistiram à doença

Luta contra a Aids: 5 personagens brasileiros históricos que não resistiram à doença

Para que esse objetivo seja alcançado, é preciso que o mundo continue investindo em prevenção, diagnóstico e tratamento

ONU Mulheres e prefeitura de Itabira firmam Termo de Compromisso para Enfrentamento ao Racismo

ONU Mulheres e prefeitura de Itabira firmam Termo de Compromisso para Enfrentamento ao Racismo

Com apoio técnico da ONU Mulheres, prefeitura de Itabira firma Termo de Compromisso para Enfrentamento ao Racismo no município mineiro