×
ContextoExato

'Vai ser muito difícil romper resistência' para privatizar Eletrobras, diz especialista

'Vai ser muito difícil romper resistência' para privatizar Eletrobras, diz especialistaFoto: Sputnik Brasil

Governo 'terá muita dificuldade' de aprovar privatização da Eletrobras no Congresso, disse presidente da Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares à Sputnik Brasil.

Sputnik Brasil - 21/08/2020 - 07:46:51

O objetivo do governo do presidente Jair Bolsonaro é vender a empresa em 2021. No entanto, para Celso Cunha, devido à importância estratégica da Eletrobras para o país, essa meta dificilmente será alcançada.

"Acho que o governo terá muita dificuldade de passar isso no Congresso, que olha a importância da empresa para o país, olha a questão estratégica de energia para o país. Não consigo ver o governo fazer a privatização como um todo da Eletrobras", disse o engenheiro eletricista.

Estatal seria criada após privatização

Sinal de que os planos de venda da empresa persistem é o orçamento de 2021, que reservou R$ 4 bilhões para a criação de uma estatal para reunir parte das operações da companhia após a sua venda.

A nova empresa estatal seria a controladora da Eletronuclear, que administra as usinas nucleares de Angra dos Reis (RJ), e sócia da hidrelétrica Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu (PR), que é dividida entre Brasil e Paraguai.

A criação de uma estatal a partir de uma privatização poderia causar estranheza, mas tem explicações. A Constituição determina que o setor nuclear do país deve estar nas mãos do Estado.

No caso de Itaipu, o tratado que a criou diz que a comercialização da energia produzida na hidrelétrica deve ser feita pela União.

Separação é 'positiva'

Para o presidente da ABDAN (Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares), no entanto, a separação da Eletrobras e da atual Eletronuclear é "positiva", independentemente dos planos de privatização do governo se concretizarem.

"A legislação atual do setor nuclear prevê que o Estado deve manter maioria acionária sobre o setor, deve deter o controle. Enquanto isso não mudar, esse debate de flexibilização não for rompido, o caminho natural é que essas empresas estejam agrupadas debaixo de uma holding. É extremamente positivo, independentemente de privatizar a Eletrobras, separar as empresas, apesar de o governo sinalizar que isso só acontecerá se for vendida a Eletrobras", opinou o especialista.

Cunha ressaltou ainda que a Eletrobras vem dando "lucro" e, na sua visão, a venda de toda empresa não é uma necessidade. Por outro lado, defendeu a privatização de algumas partes da companhia.

'Impulsionadora do progresso'

Para o engenheiro, vender determinados setores da Eletrobras seria importante justamente para reforçar o caráter de indutor do desenvolvimento da empresa, que, segundo ele, precisa de recursos para poder aumentar sua participação nos leilões do setor elétrico.

"Algumas partes dessa empresa talvez valha a pena [vender], até para aumentar a capacidade de investimento da empresa no próprio mercado nacional. A empresa precisa disso hoje, precisa aumentar sua participação nos leilões. Ela é uma impulsionadora do progresso. Tem uma certa dualidade entre a necessidade de investimento e participação da empresa e essa privatização", disse Celso Cunha

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação

Comentários para "'Vai ser muito difícil romper resistência' para privatizar Eletrobras, diz especialista":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório