×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de novembro de 2021

Violência faz mulher faltar 18 dias de trabalho e Brasil perder R$ 1 bi

Violência faz mulher faltar 18 dias de trabalho e Brasil perder R$ 1 biFoto: Pixabay

"A violência afeta o estado emocional e a capacidade de concentração delas, prejudicando a tomada de decisões", diz o pesquisador.

Carlos Madeiro Colaboração Para Universa-uol - 07/11/2019 - 18:34:27

Mulheres vítimas de violência doméstica faltam em média 18 dias de trabalho por ano, o que gera uma perda anual de aproximadamente R$ 1 bilhão ao país. Além disso, essas mulheres apresentam problemas de concentração e estresse relacionados ao trabalho.

As conclusões estão na Pesquisa de Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, feita pela UFC (Universidade Federal do Ceará) em convênio com o Instituto Maria da Penha. Os resultados da segunda fase do estudo foram apresentados na USP (Universidade de São Paulo) no fim de outubro. A pesquisa está agora em uma terceira fase, que vai entrevistar mulheres em diferentes capitais de todas as regiões do país: São Paulo, Porto Alegre, Goiânia e Belém, além de Fortaleza, Salvador e Recife.


Ao todo foram acompanhadas 10 mil mulheres durante dois anos, entre 2016 e 2018, nas nove capitais do Nordeste. A partir das informações coletadas na região, o pesquisador fez uma projeção do prejuízo da violência contra a mulher para todo o país em R$ 1 bilhão ao ano.

O coordenador da pesquisa, José Raimundo Carvalho, professor do programa de Pós-Graduação em Economia da UFC, explica que a perda de dias de trabalho pela violência é apenas um de uma série de impactos na atividade de trabalho das mulheres.

"A violência afeta o estado emocional e a capacidade de concentração delas, prejudicando a tomada de decisões", diz o pesquisador.

A pesquisa separou as mulheres que foram vítimas de violência das que não foram e percebeu uma série de dificuldades a mais ligadas ao trabalho e ao desempenho de tarefas entre as vítimas.

Entre as que sofreram violência, por exemplo, 60,6% se sentem frequentemente estressadas, contra 42,8% das que não passaram por situações de agressão. Entre as vítimas, apenas 58,3% dizem que conseguem tomar decisões com frequência, em oposição a 74,3% das que não sofreram violência.

Além disso, a violência afeta diretamente a felicidade dessas mulheres: apenas metade das que passaram por episódios de agressão afirma que se sente feliz frequentemente. Entre as mulheres que não enfrentam violência, esse número salta para 74,5%.

Instabilidade no emprego

"Ser vítima de violência doméstica também está associado a uma maior instabilidade no mercado de trabalho. Ou seja, essas vítimas intercalam períodos de curta duração de emprego com períodos de curta ou longa duração de desemprego", diz Carvalho.

Segundo a pesquisa, 23% das mulheres vítimas de violência doméstica nos 12 meses anteriores à consulta disseram que recusaram proposta ou desistiram do emprego por causa do parceiro. Para aquelas que não são vítimas, essa proporção é de apenas 9%.

"Elas têm mais dificuldade porque, além da questão física, o marido pratica a sabotagem."

Carvalho lembra ainda que o Brasil é um dos campeões em acidentes de trabalho. "Parte desses acidentes pode ser causada porque a mulher não se concentra, tem estresse ", afirma.

"Acho que a grande contribuição dessa pesquisa é lançar uma base de dados inédita sobre as várias dimensões da violência. A gente tem que incluir o debate para as futuras gerações", diz.

Violência e seus impactos

Para a psicóloga Artenira Silva, especialista em violência contra mulheres, a pesquisa ajuda a entender como o fenômeno da violência doméstica é "multifacetado, de alta complexidade e com muitas especificidades".

Artenira diz que os dados da pesquisa levam a uma séria reflexão. "A violência doméstica constitui dano laboral ou de projeto de vida da mulher. Ela tem efeito desestruturante na vida dessa mulher, a ponto de intervir na sua capacidade laboral, maternal e de reação", afirma.

"Muitas dessas mulheres abandonam emprego, casa, mudam de cidade, de bairro, porque o sistema de justiça e a rede de proteção não dão conta da complexidade dessa violência. E elas acabam assumindo enquanto um dano, o que elas não se dão conta de ser um dano de fato existencial."

Comentários para "Violência faz mulher faltar 18 dias de trabalho e Brasil perder R$ 1 bi":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Ações para eliminar violência de gênero reúne atletas e casos reais

Ações para eliminar violência de gênero reúne atletas e casos reais

Uma em cada três mulheres com 15 anos ou mais, cerca de 736 milhões, é submetida algum tipo de violência durante a vida

Ação de agências da ONU pretende empoderar refugiadas venezuelanas

Ação de agências da ONU pretende empoderar refugiadas venezuelanas

Programa ocorre em Roraima e vai até dezembro de 2023

Carta aberta à Miraildes: Uma das maiores jogadoras que o Brasil já viu em campo

Carta aberta à Miraildes: Uma das maiores jogadoras que o Brasil já viu em campo

Miraildes, jogadora de futebol, mais conhecida como Formiga.

Judô: Beatriz Souza fica com o ouro no Grand Slam de Abu Dhabi

Judô: Beatriz Souza fica com o ouro no Grand Slam de Abu Dhabi

Brasileira bate francesa campeã europeia júnior e vai ao topo do pódio

Ketleyn Quadros fica com o bronze no Grand Slam de Abu Dhabi

Ketleyn Quadros fica com o bronze no Grand Slam de Abu Dhabi

Atleta bateu a tcheca Renat Zachova e foi ao pódio nos Emirados Árabes

Professor que perguntou se aluna vai levar lubrificante 'quando for estuprada' é demitido no PA

Professor que perguntou se aluna vai levar lubrificante 'quando for estuprada' é demitido no PA

Movimentos que atuam na defesa dos direitos das mulheres realizaram atos de repúdio, cobrando punição do agressor

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Congresso é iluminado de laranja pelo fim da violência contra a mulher

Campanha 16 dias de ativismo começou nesta quinta-feira

Patrícia Vanzolin: 'Eleição da OAB foi uma quebra de paradigmas'

Patrícia Vanzolin: 'Eleição da OAB foi uma quebra de paradigmas'

Patrícia considera que sua vitória é também do gênero.

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

OAB de SP elege Patrícia Vanzolini, 1ª mulher a presidir a entidade em 91 anos

Criminalista Patricia Vanzolini, eleita presidente da OAB-SP

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

‘Vamos começar a treinar mulheres para que sejam líderes nas comunidades’, diz secretária

Programa Empodera vai capacitar público feminino para lutar por causas comuns; a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, diz como isso vai funcionar

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

Em Dia Internacional, Guterres pede mudanças para eliminar violência contra mulheres

ONU defende estratégias abrangentes e de longo prazo que protejam direitos das mulheres e meninas