×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 22 de maio de 2022

10 países em 12 dias: Viajante conta como se preparou para esta maratona

10 países em 12 dias: Viajante conta como se preparou para esta maratonaFoto: Arquivo pessoal

O médico Álvaro Souto conta que o planejamento foi essencial para dar tudo certo e não encarecer a viagem; confira

Por Pedro Jordão - Ig Turismo - 01/01/2021 - 10:21:15

O médico Álvaro Souto, 37, fez uma grande aventura antes da Covid-19 se tornar uma pandemia. Ele conheceu 10 países europeus em apenas 12 dias. Apesar dele apontar o planejamento como parte fundamental para que tudo desse certo e não ficasse caro, a viagem foi programada apenas quarenta e cinco dias antes dele sair de São Paulo em direção ao velho continente .


Os países escolhidos para esta aventura foram Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia, Bielorrússia, Ucrânia, Romênia e Bulgária foram os destinos planejados inicialmente. Alemanha e Itália completaram a lista. Viajante experiente, já tendo conhecido outros destinos mais tradicionais para brasileiros na Europa, como França e Inglaterra, Álvaro conta que sempre quis conhecer o leste europeu, mas faltava a oportunidade.

O médico Álvaro Souto na Bielorrússia em sua aventura no começo de 2020

Divulgação/Arquivo Pessoal

O médico Álvaro Souto na Bielorrússia em sua aventura no começo de 2020

“Geralmente, planejo minhas viagens com 60 ou 90 dias antes. Mas dessa vez não deu, ficou bem em cima, porque foi uma folga que surgiu no trabalho, depois uma promoção de passagem aérea. Comprei a passagem para então começar a planejar a viagem”, afirma Souto.


Um único dia por capital e país, tendo ficado 2 dias apenas na Romênia, onde a capital é um pouco maior, Álvaro conta que foi possível, mesmo em pouco tempo, conhecer bem as cidades que visitou por elas serem pequenas.


“Tirando a Romênia e a Bulgária, as capitais desses países são relativamente pequenas, e os pontos turísticos são bastante próximos uns dos outros. São capitais em que, em um dia, você consegue andar e ver bem as principais atrações turísticas”, afirma.


“Não foi uma viagem que eu fiz para dizer somente que estive naqueles lugares. Eu posso dizer que realmente consegui conhecer os principais pontos turísticos, me inteirar sobre a cultura local e, mesmo que em apenas um dia, ver bem a cidade. Diferente de Berlim, por exemplo, onde só estive numa madrugada, eu simplesmente tirei uma foto e segui para outro aeroporto. Eu não posso dizer que conheço Berlim. Mas nas outras cidades eu realmente andei, pesquisei os diversos pontos turísticos, fui neles, fotografei e me envolvi com o destino. Foi bem interessante”, conta.

A Finlândia foi o primeiro destino da viagem de Álvaro Souto

Divulgação/Arquivo Pessoal

A Finlândia foi o primeiro destino da viagem de Álvaro Souto


Para conseguir atingir o objetivo da viagem e conhecer os 10 países em 12 dias, ele precisou seguir um roteiro rigoroso de viagem, no qual andava um dia inteiro, com uma mochila pesada nas costas e, por volta das 18h pegava um transporte, geralmente um ônibus, com destino à capital do próximo país. Chegava no hotel à noite, próximo às 22h, dormia e no dia seguinte começava tudo novamente em um novo país.


Com pouco tempo para conhecer tantos lugares, Álvaro explica que o planejamento da viagem foi essencial para conseguir atingir o seu objetivo. “Quando eu planejo minhas viagens, eu sempre abro o mapa e vou marcando os pontos que eu quero conhecer, o hotel em que vou ficar, para escolher os mais próximos, para não ficar fazendo zigzag na cidade e não perder tempo”, diz.


Além disso, o planejamento precisava ser físico já que ele andava cerca de 10 horas por dia, no frio, sozinho e carregando uma mochila de 8kg com todos os seus pertences.


“Não era inverno rigoroso, mas era frio. As luvas dificultavam fazer fotografias. E a preparação física foi muito importante, porque eu só descansava no final do dia, no ônibus, indo para o país seguinte, ou quando dormia à noite no hotel. Acordava por volta das 7h da manhã e fazia o novo programa, no outro país, que se estendia novamente até 17 ou 18 horas. Eu só parava para me alimentar”, afirma.


Outro ponto importante do planejamento foi em relação aos custos da viagem. “Nessa viagem específica para o leste europeu, consegui uma passagem muito barata, na época, paguei R$1.200 ida e volta para São Paulo. E, para eu atravessar de um país para o outro, como eu ia de ônibus, saia mais ou menos R$80 a R$90 cada passagem. Isso realmente acabou facilitando bastante. Eu percebi que quanto mais organizo, menos gasto”, diz.


Entre um país e outro, ele conta que sempre tinha os documentos checados na fronteira, algumas vezes demoravam mais e outra menos, mas não chegou a ter nenhum problema.


“Na entrada da Bielorrússia demorou um pouco mais do que o normal para entrar no país. O rapaz fez mais perguntas, se eu falava russo por exemplo, e na Romênia também, onde acharam estranho tantas viagens em tão pouco tempo. Mas não chegou a dar nenhum problema, foi muito tranquilo”, conta.


Para se comunicar, tanto nas fronteiras dos países quanto nos pontos turísticos e nos hotéis, Souto diz que não teve nenhuma dificuldade porque quase todos falavam inglês nesses lugares.

Continua após a publicidade

Na Lituânia (foto) e em todos os outros países do leste europeu%2C foi comum que Álvaro encontrasse pessoas falando em inglês

Divulgação/Arquivo Pessoal

Na Lituânia (foto) e em todos os outros países do leste europeu, foi comum que Álvaro encontrasse pessoas falando em inglês


“Pelo menos as pessoas que atendem em restaurantes, rodoviária e pontos turísticos, quase todo o mundo fala em inglês. E quando não, só com o celular era possível resolver. No hotel que fiquei na Ucrânia, o atendente não falava em inglês. Então, ele falava em russo para o celular e mostrava a tradução em inglês para mim e a gente conseguiu se virar bem desse jeito”, explica.


Inicialmente, a viagem não incluia Berlim, na Alemanha, e Milão, na Itália, mas ele terminou utilizando o tempo entre voos que ficou nessas cidades para andar um pouco e conhecê-las rapidamente, Berlim antes de começar a viagem pelo leste europeu, Milão ao final.


“Foi até engraçado, porque eu cheguei em Berlim de madrugada e não tinha nada para fazer e eu fui dar uma volta na cidade. Consegui tirar uma foto no Portão de Brandemburgo, sem ninguém. Normalmente, é um lugar que fica cheio de turistas e, na minha foto, só estou eu”, conta Álvaro.

Álvaro Souto conseguiu fazer uma foto praticamente sozinho em frente ao Portão de Brandemburgo na madrugada de Berlim%2C capital alemã

Divulgação/Arquivo Pessoal

Álvaro Souto conseguiu fazer uma foto praticamente sozinho em frente ao Portão de Brandemburgo na madrugada de Berlim, capital alemã


”Ao final, como eu mesmo que organizo as minhas viagens, cheguei em Milão de manhã e o meu voo para São Paulo só era à noite, então deu para dar uma volta pela cidade”, diz o médico.


“Não precisa ser assim. Nas minhas viagens, principalmente para a Europa, eu sempre tentava conhecer o máximo de países no mínimo de dias, mas sempre passava 2 ou 3 dias em cada lugar. Dessa vez, o tempo curto que eu tinha, não eram nem duas semanas, foi o que determinou esse tipo de viagem. E eu faria novamente se tivesse a oportunidade, iria procurar outros países onde conseguisse fazer algo semelhante a essa viagem”, afirma.

Comentários para "10 países em 12 dias: Viajante conta como se preparou para esta maratona":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Gramado é o 7º destino do mundo mais recomendado para casamentos, revela Booking.com

Gramado é o 7º destino do mundo mais recomendado para casamentos, revela Booking.com

Na lista dos dez destinos mais recomendados por viajantes globais para realizar um destination wedding, a brasileira Gramado aparece na sétima posição

Festa da Flor volta a agitar a primavera na Ilha da Madeira

Festa da Flor volta a agitar a primavera na Ilha da Madeira

Um dos eventos mais emblemáticos do destino português celebra a chegada da primavera de 5 a 29 de maio de 2022

Retomada da gratuidade de despacho de bagagem é um retrocesso

Retomada da gratuidade de despacho de bagagem é um retrocesso

Segundo a entidade, essa medida representa um retrocesso ao processo de simplificação do setor aéreo brasileiro, que segue em busca de se tornar mais competitivo, com mais opções para o usuário.

A renovação da hotelaria e o desembarque das redes em Curaçao

A renovação da hotelaria e o desembarque das redes em Curaçao

A ilha holandesa vem apresentando diversos projetos, retrofits ou ampliações em hotéis e resorts nos últimos dois anos e as redes hoteleiras têm redescoberto Curaçao. O Sandals Royal Resort é o próximo a ser inaugurado.

Cabo Verde reabre para turismo após vacinação maciça contra Covid-19

Cabo Verde reabre para turismo após vacinação maciça contra Covid-19

Nos primeiros meses da pandemia, Banco Mundial destinou mais de US$ 50 milhões para arquipélago africano; principais áreas de aporte foram saúde, acesso a linha de crédito e inclusão social

República Tcheca retira todas as restrições para turistas relacionadas ao Covid-19

República Tcheca retira todas as restrições para turistas relacionadas ao Covid-19

Tchéquia sem restrições para o turismo

Barbados está de olho no viajante brasileiro

Barbados está de olho no viajante brasileiro

Delegação da Ilha caribenha esteve no Brasil para a WTM Latin America

Iata vê retomada mais rápida na América do Sul do que no restante do mundo

Iata vê retomada mais rápida na América do Sul do que no restante do mundo

"No continente, a retomada está vindo mais rápido que no resto do mundo", disse durante o congresso Wings of Change, promovido pela Iata no Chile.

A tradição da arquitetura tcheca

A tradição da arquitetura tcheca

A arquitetura é uma parte importante da história tcheca. As maiores escolas mundiais estão bem representadas, mas também algumas outras, únicas ou raras. Viaje por alguns desses legados arquitetônicos.

Lançada a segunda edição da revista Distrito Internacional

Lançada a segunda edição da revista Distrito Internacional

Periódico do Escritório de Assuntos Internacionais do GDF traz o tema “A transversalização da temática de gênero no âmbito internacional

Guerra na Ucrânia pode ameaçar recuperação do turismo global

Guerra na Ucrânia pode ameaçar recuperação do turismo global

A Organização Mundial do Turismo informou que 2020 sofreu uma redução de 900 milhões de turistas internacionais entre janeiro e outubro