×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 02 de julho de 2022

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso

ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina FasoFoto: © ACNUR

Milhares de burquinenses que se deslocaram pelo massacre em Seytenga encontraram segurança além da fronteira com o Níger.

Acnur - Agência Da Onu Para Refugiados - 18/06/2022 - 05:29:13

Este é um resumo do pronunciamento do porta-voz do ACNUR, Matthew Saltmarsh, - a quem o texto pode ser atribuído - na conferência de imprensa de hoje no Palácio das Nações, em Genebra

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) está alarmada com a recente escalada da violência contra civis por grupos armados em Burkina Faso, que forçou milhares de pessoas a se deslocar, colocando recursos humanitários sob pressão à medida que a insegurança continua a afligir o Sahel Central.

Desde 12 de junho, aproximadamente 16.000 burquinenses, em sua maioria mulheres e crianças, chegaram a Dori, no leste de Burkina Faso, se deslocando após um ataque armado em Seytonga, cidade a 15 quilômetros da fronteira com o Níger. Espera-se que mais pessoas cheguem nos próximos dias, enquanto cerca de 260 já teriam atravessado a região de Tillabéri, no Níger, somando-se aos 15.500 burquinenses forçados a se deslocar para o local. As autoridades e a população local da cidade de Tera acolheram e receberam a população deslocada, embora a maioria das famílias nigerenses estejam elas próprias sem recursos.

A crise de deslocamento em Burkina Faso é uma das que mais cresce no mundo, com o número de deslocados internos atingindo 1,9 milhão no final de abril, conforme estimativas do governo. Outros países do Sahel – Chade, Mali e Níger – também enfrentam uma combinação de violência, pobreza e efeitos das mudanças climáticas. Mais de 2,5 milhões de pessoas foram forçadas a se deslocar na região do Sahel durante a última década.

O último ataque ocorreu na noite de 11 e 12 de junho. Pelo menos 79 pessoas foram mortas por atiradores durante o ocorrido, com algumas reportagens da mídia reconhecendo um número de mortes ainda maior. Este foi o incidente com o maior número de mortes em Burkina Faso desde que mais de 130 pessoas foram assassinadas em um massacre próximo a Solhan, em junho de 2021.

As pessoas recém-chegadas a Dori relataram a presença de homens armados indo de porta em porta buscar e matar homens adultos, o que significa que muitas testemunharam a morte de seus maridos ou pais. Quase dois terços dos que se deslocaram de Seytenga são menores de 18 anos.

Muitas pessoas foram abrigadas pela comunidade anfitriã e por famílias deslocadas já residentes em Dori, enquanto outras encontraram espaço nos centros de recepção e trânsito de pessoas refugiadas. Entretanto, centenas estão dormindo na beira da estrada.

Em colaboração com o governo, o ACNUR e parceiros estão trabalhando para fortalecer a resposta a esta emergência. As necessidades mais urgentes incluem abrigo e itens essenciais, assim como água, saneamento e serviços de higiene, bem como apoio psicossocial. Entretanto, grupos armados não estatais atacaram o abastecimento de água e a infraestrutura do país, incluindo um ataque recente ao principal abastecimento de água para Dori, e as necessidades podem aumentar rapidamente.

As autoridades regionais, com o apoio das organizações humanitárias, iniciaram a realocação de famílias em condições precárias para três locais já existentes em Dori destinados a pessoas refugiadas e deslocadas internas, enquanto lotes adicionais foram identificados para abrigar possíveis futuras chegadas. O ACNUR e seus parceiros estão se preparando para reforçar o fornecimento de abrigos de emergência e itens essenciais de ajuda, incluindo tapetes de dormir, sabão e utensílios de cozinha, para mais de 1.000 famílias.

O ACNUR também está trabalhando para identificar recém-chegados com necessidades de proteção, como crianças e sobreviventes de violência sexual e de gênero, e dar-lhes acesso a cuidados adequados.

Apesar de demandas agudas e crescentes, as necessidades orçamentárias do ACNUR de US$ 109,9 milhões para 2022 foram financiadas em apenas 20% até o momento. O ACNUR apela à comunidade internacional por maior solidariedade e apoio a Burkina Faso, incluindo o financiamento de operações humanitárias para salvar vidas.

Com sucessivas ondas de deslocamento, a cidade de Dori quintuplicou e agora abriga quase 76.000 burquinenses deslocados, assim como cerca de 20.000 refugiados do Mali. O ACNUR tem trabalhado com o governo na inclusão de refugiados em serviços nacionais como educação e assistência médica. Entretanto, a competição por recursos como água e terra para pastagem e agricultura, além da crescente inflação, pressão sobre os serviços básicos e escassez de suprimentos essenciais, como combustível, estão testando a coexistência pacífica entre diferentes comunidades.

Para saber mais sobre este tópico, por favor entre em contato:


Para ler o texto completo, clique aqui.

Comentários para "ACNUR solicita apoio urgente para ajudar quase 16 mil pessoas forçadas a se deslocar em Burkina Faso":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Noruega implementa Lei de Transparência para empresas

Noruega implementa Lei de Transparência para empresas

De acordo com Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), o país é detentor do maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo

'Queremos atrair mais recursos do setor privado', diz presidente do BID

'Queremos atrair mais recursos do setor privado', diz presidente do BID

Em entrevista, Claver-Carone diz que pretende financiar projetos que substituam parte da produção feita hoje fora da região. Para isso, ele tem liderado uma reforma no BID Invest

Desenvolvimento de energia renovável impulsiona China por metas de carbono

Desenvolvimento de energia renovável impulsiona China por metas de carbono

Até o final de maio deste ano, a capacidade instalada de energia renovável do país atingiu um novo recorde, ultrapassando 1,1 bilhão de quilowatts, observou o relatório.

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial para conter avanço chinês

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial para conter avanço chinês

No campo tecnológico, a iniciativa contempla o desenvolvimento e a expansão da tecnologia das comunicações e a informação trabalhando com "provedores confiáveis", que forneçam 5G e 6G, conforme apontou a Casa Branca.

Abuso de entorpecentes e tráfico têm impacto sobre crises humanitárias e de saúde

Abuso de entorpecentes e tráfico têm impacto sobre crises humanitárias e de saúde

Drogas ilegais apreendidas.

Suprema Corte dos EUA suspende legalização do aborto

Suprema Corte dos EUA suspende legalização do aborto

Decisão foi tomada por seis votos a três e abre margem para que estados possam vetar o procedimento.

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

China pede solidariedade e abertura à medida que o mundo enfrenta mudanças

A comunidade internacional deve defender a Carta das Nações Unidas e se esforçar para manter a paz em um mundo volátil, disse ele.

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Vitória de Gustavo Petro fortalece avanço da esquerda na América do Sul

Segundo analistas, trata-se de uma "mudança de maré" provocada pelo descontentamento com governantes anteriores.

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

Major Carvalho, apelidado de 'Pablo Escobar' brasileiro, é preso na Hungria

A Polícia Federal brasileira informou que a prisão decorreu das investigações desenvolvidas no âmbito da Operação Enterprise

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Itamaraty parabeniza Gustavo Petro por vitória eleitoral na Colômbia

Jair Bolsonaro na abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2022, em 14 de junho de 2022 © Alan Santos / Palácio do Planalto / CCBY 2.0

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

222 milhões de crianças afetadas pela crise precisam urgentemente de assistência educacional

A Educação Não Pode Esperar