×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de janeiro de 2022

Agência da ONU teme que branqueamento de corais “se torne normal”

Agência da ONU teme que branqueamento de corais “se torne normal”Foto: The Ocean Agency/WL Catlin Seavi

Em relatório, divulgado este mês, Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, diz que tendência se acentuou em 2014 por causa do excesso de calor naquele ano; fenômeno começou no Pacífico e se espalhou rapidamente pelos Oceanos Índico e Atlântico

Onu News - 29/12/2020 - 14:51:56

Uma agência da ONU está preocupada com a situação dos recifes de corais em todo o mundo. Um fenômeno chamado terceiro evento global de branqueamento de corais durou 36 meses e foi designado o mais longo e destrutivo já ocorrido.

O caso começou em 2014, quando recifes de corais espalhados pelo globo perderam as cores vibrantes por causa de um excesso de calor naquele ano. O problema foi detectado no Oceano Pacífico, depois no Índico e por último no Atlântico.

Coral Reef Image Bank/Jayne Jenk

Uma tartaruga nada por um recife de coral nas Maldivas

Efeito estufa

De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, o branqueamento em massa dos corais poderia se transformar “em norma nas próximas décadas.”

O relatório, divulgado em novembro, atualizou modelos climáticos que preveem o branqueamento ocorrendo mais rapidamente no futuro. Os cientistas alertam que somente uma redução das emissões que causam o efeito estufa poderiam salvar os corais.

Os recifes são fundamentais para a vida marinha, existências humanas e para o espetáculo de vastas partes de oceanos ainda não exploradas.

Foto: Pnuma/Jerker Tamelander

Os recifes de coral são os ecossistemas marinhos mais biodiversos do mundo.

2034-2045

O documento examinou as condições de branqueamento baseadas em dois possíveis cenários. O primeiro considera uma economia mundial fortemente dirigida por combustíveis fósseis. Já o segundo imagina um meio termo, no qual os países excederiam suas promessas de limitar emissões de carbono pela metade.

No primeiro cenário, as previsões apontam para o branqueamento de todos os recifes de corais até o fim do século. O ponto alto e mais severo do branqueamento aconteceria em 2034, nove anos após as estimativas publicadas três anos atrás.

Caso o meio termo fosse alcançado, o efeito arrasador para os corais ocorreria em 2045.

Kadir van Lohuizen/NOOR/ONU Meio Ambiente

Pelo menos 1 bilhão de pessoas no mundo dependem de 25% de todas as espécies marinhas que são apoiadas pelos arrecifes de corais

Evidências científicas

Em caso de falta de ação, os recifes irão desaparecer. A previsão é de Letícia Carvalho, diretora da seção de marinha e água doce do Pnuma.
Para ela, a humanidade tem de agir com base em evidências científicas, ambição e inovação para mudar a trajetória do ecossistema antes que seja tarde demais.

Um outro fator danoso para os corais são as altas temperaturas dos oceanos. Com o aquecimento das águas, os corais liberam uma fonte de energia de alga tornando-se brancos. Os recifes podem se recuperar do branqueamento se as condições ambientais melhorarem.

Cadeia alimentar

Mas o constante aquecimento das águas pode levar os corais à perda total. Desde 1998, o mundo registrou três eventos assim incluindo um em 2014.

Caso os corais não possam se recuperar as consequências serão desastrosas para os ecossistemas, a cadeia alimentar, a proteção do litoral, medicamentos e até oportunidades de recreação.

Pelo menos 1 bilhão de pessoas no mundo dependem de 25% de todas as espécies marinhas que são apoiadas pelos recifes de corais.

Comentários para "Agência da ONU teme que branqueamento de corais “se torne normal”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
China fortalecerá indústria de equipamentos de proteção ambiental

China fortalecerá indústria de equipamentos de proteção ambiental

Até 2025, o país fará melhorias significativas no nível de tecnologia do setor e terá avanços decisivos em tecnologias chave que impedem o desenvolvimento do setor, disse o plano.

Organização Meteorológica Mundial confirma 2021 entre os sete anos mais quentes da história

Organização Meteorológica Mundial confirma 2021 entre os sete anos mais quentes da história

Desde 1980, cada década tem sido mais quente do que a anterior e tendência deve continuar

A fatura chegou! E como é pesada essa

A fatura chegou! E como é pesada essa "fatura"

Governo Zema não ajudou nem ajuda, pelo contrário

Equador ratificou a criação da nova Reserva Marinha de Galápagos anunciada na COP26

Equador ratificou a criação da nova Reserva Marinha de Galápagos anunciada na COP26

A reserva marinha recentemente criada adiciona 60 mil quilômetros quadrados à Reserva Marinha de Galápagos

Aquecimento global obriga Brasil a se preparar melhor para prevenir desastres

Aquecimento global obriga Brasil a se preparar melhor para prevenir desastres

Há uma semana, Pará de Minas, na Grande Belo Horizonte, pediu aos moradores abaixo da Usina do Carioca para deixarem suas casas. Havia risco iminente de rompimento.

Estado inicia análise das informações de 31 barragens em nível de emergência de Minas

Estado inicia análise das informações de 31 barragens em nível de emergência de Minas

Relatório será elaborado para cada uma das estruturas de contenção

Xinjiang da China vê aumento significativo em terras ecologicamente funcionais

Xinjiang da China vê aumento significativo em terras ecologicamente funcionais

Foto aérea tirada em 15 de junho de 2021 mostra a vista do pasto do verão na Montanha Barlik no distrito de Yumin, Região Autônoma Uigur de Xinjiang.

Energia solar é foco de projetos sustentáveis no Brasil

Energia solar é foco de projetos sustentáveis no Brasil

Em relação ao cenário nacional, o Brasil, no ano de 2021, entrou para o ranking dos 15 países com maior capacidade de energia solar do planeta, a previsão é a de que em 2022 os investimentos no setor cresçam ainda mais

Pesquisadores investigam comportamento agressivo de botos na Amazônia

Pesquisadores investigam comportamento agressivo de botos na Amazônia

Ataque de machos a filhotes, inclusive a recém-nascidos, não é comum

Sem verba, monitoramento do desmate no Cerrado está prestes a ficar às cegas

Sem verba, monitoramento do desmate no Cerrado está prestes a ficar às cegas

Não se pode dizer que o fim do financiamento foi uma surpresa para o MCTI.

Um patrimônio natural ameaçado

Um patrimônio natural ameaçado

Chapada do Araripe tem mais de 180km e atravessa os estados de Pernambuco, Ceará e Piauí