×
ContextoExato
Responsive image

"Alívio e reconhecimento", diz Márcia Abrahão sobre novo mandato na reitoria da UnB

Foto: Ed Alves/CB/D.A Press

Márcia Abrahão é nomeada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a reitoria da UnB. Ao Correio, ela conta que a universidade avalia a retomada das aulas presenciais e destaca a importância da pesquisa científica no combate à covid-19

Alan Rios - Correioweb - 21/11/2020 - 09:46:34

“Alívio e reconhecimento pelo trabalho realizado”. Assim, Márcia Abrahão Moura define a nomeação como reitora da Universidade de Brasília (UnB), realizada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e publicada no Diário Oficial da União de ontem. A decisão de Bolsonaro respeita o resultado da votação da lista tríplice. Márcia foi a escolhida pela comunidade acadêmica em 26 de agosto, quando a Chapa 86 — Somar, composta pelo vice Enrique Huelva, conquistou a reeleição, com 54% dos votos. O alívio vem após semanas de incerteza, uma vez que o presidente da República nomeou reitores que não ocupavam a primeira posição na lista tríplice. Depois da consolidação do processo democrático na UnB, a instituição prepara-se para enfrentar desafios nunca antes observados nos 58 anos de história, devido à pandemia da covid-19.

Márcia terá mais quatro anos de trabalho na reitoria da universidade, e enfrenta o dilema do retorno às aulas presenciais, tema que rendeu uma batalha jurídica no campo da educação básica no Distrito Federal. Para ela, é necessário encarar o assunto com muita cautela. “Dividimos o cronograma de retorno em cinco etapas. Agora, estamos na etapa um, que é quando não há atividade presencial, mas estamos planejando um possível retorno com presencialidade mínima. Porém, estamos, há um mês, discutindo a possibilidade de retorno presencial ou não e acompanhando as curvas epidemiológicas. No momento, não temos como tomar essa decisão”, diz. A última reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da UnB tratou do assunto. “O próximo semestre começa em fevereiro, mas temos que ter cautela, porque a pandemia parece estar entrando em um novo ciclo de aumento de casos, como acontece em outras partes do país. Estamos nos preparando, comprando equipamentos, analisando espaços, mas avaliamos, no encontro, que a tendência é continuar o próximo semestre de forma não presencial”, afirma.

Inovação

No cargo desde 2016, Márcia e Enrique Huelva receberam 16.325 votos na consulta à comunidade acadêmica, do total de 30.228, colhidos, pela primeira vez, virtualmente, para evitar aglomerações. Para ela, a UnB vem se destacando cada vez mais como referência de pesquisas que contribuem para a inovação e retornam à sociedade. “As universidades têm um papel muito importante no combate ao novo coronavírus, com pesquisas em várias áreas. Na UnB, lançamos editais e tivemos mais de 200 projetos de pesquisa e extensão relacionados à covid-19, e, também, estamos participando de um dos testes de vacina”, detalha.

Márcia pontua que, apesar da crise econômica provocada pela pandemia, o país deve olhar com mais cuidado para a ciência. “Precisamos de financiamentos dos órgãos de fomento, de investimentos. Infelizmente, não existe uma curva ascendente de aplicação em pesquisa no Brasil, e acabamos perdendo muitos cientistas para o exterior, porque, aqui, não encontram bolsas e incentivos”.

Desigualdades

No mês da Consciência Negra, debates lembram o papel da educação para enfrentar desigualdades sociais. A UnB carrega, na história, a marca de ser a primeira universidade federal a adotar cotas raciais nos processos seletivos da graduação, em 2013, algo que é ressaltado por Márcia como processo identitário da instituição, que deve ser cada vez mais ampliado. “Também instituímos as cotas na pós-graduação, aumentamos o ingresso de indígenas e temos o desafio para manutenção desses alunos na universidade. Um outro ponto importante a se observar é que o modelo não presencial veio para ficar, e precisamos ter um olhar atento à comunidade que mais precisa. Uma pesquisa nossa mostrou que 6% dos nossos estudantes não tinham computador e cerca de 30% não tinham internet de qualidade suficiente para assistir à aula”, revela.

Para dar ferramentas que possibilitem diminuir as desigualdades entre alunos mais e menos favorecidos socialmente, a UnB lançou o Edital de Inclusão Digital que deve servir de modelo para ações futuras, englobando mais áreas. “Não podemos comprar um supercomputador, mas esse primeiro edital forneceu R$ 1.500 de auxílio para um equipamento que permite as condições básicas de o aluno acompanhar as atividades remotas. Vamos fazer esse tipo de ação todo ano para que os estudantes sem condições socioeconômicas, em situação de vulnerabilidade, possam ter apoio. Há cursos em que os materiais são caros, como odontologia, e vamos trabalhar para comprar e dar essas condições”, completa.

Excelência

Outra meta da reitoria é ampliar a qualificação e o incentivo aos técnicos e docentes da instituição. “Temos 2.800 professores, sendo que mais de 90% deles são doutores, muitos com doutorado e pós-doutorado no exterior, sempre se envolvendo com pesquisadores de outros países. Nós vamos apoiar muito para que sejam realizadas mais publicações em revistas, algo que fizemos nos últimos anos, mesmo com redução de orçamento. Também sabemos da importância do investimento em iniciação científica, apoiando com participação em congressos e publicações. E, os técnicos também precisam de incentivos, então fornecemos cursos de mestrados, criamos três novos para eles, recentemente, para que se motivem cada vez mais, fortalecendo nossa comunidade”, finaliza.

Acesso para todos

No primeiro Edital de Inclusão Digital, com resultado publicado em julho, a UnB divulgou que foram recebidas 2.745 inscrições, sendo 1.975 aceitas, inicialmente, como válidas, resultando em 423 empréstimos ou doações, 1.285 auxílios financeiros para aquisição de computadores e internet e 739 para aquisição de serviços de internet. Por conta da grande demanda, foi lançado um segundo edital, que ampliou o prazo de inscrição e incluiu mais grupos de estudantes, como quilombolas, indígenas, pessoas com necessidades especiais, entre outros.

Dados da UnB

54 mil
Pessoas na comunidade acadêmica

39.610
Estudantes de graduação

8.435
Estudantes de pós-graduação de cursos stricto sensu

3.171
Técnicos-administrativos

2.818
Docentes

Comentários para ""Alívio e reconhecimento", diz Márcia Abrahão sobre novo mandato na reitoria da UnB":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório