×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Alunos da rede pública plantam mudas do cerrado na orla do Lago Paranoá

Alunos da rede pública plantam mudas do cerrado na orla do Lago ParanoáFoto: Divulgação / Sema

Devido aos períodos de estiagem, até mesmo durante o “verão chuvoso” de Brasília, a equipe do projeto está utilizando hidrogel no plantio das mudas – um pó que, quando misturado na água, vira um gel

Agência Brasília * I Edição: Carolina Jardon - 15/09/2021 - 23:41:35

A atividade integra a programação da Semana do Cerrado 2021, realizada pela Sema e o Projeto CITinova

Mobilizar a população é uma das estratégias para a preservação do cerrado, manutenção dos mananciais e mitigação dos impactos causados pelas mudanças do clima. E mostrar a importância de plantar árvores para crianças é uma forma de dar continuidade às ações que, hoje, são realizadas pelo Projeto de Recuperação da Vegetação da Orla do Lago Paranoá e ter a certeza de um futuro mais verde.

Nesta quarta-feira (15), sessenta estudantes da rede pública, de 10 e 11 anos, participaram do plantio demonstrativo de mudas nas margens do Lago Paranoá, na Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) do Bosque, na QL 10 do Lago Sul. A atividade integra a programação da Semana do Cerrado 2021, realizada pela Sema e o Projeto CITinova.

O Lago Paranoá é o segundo maior manancial do Distrito Federal, ele representa 20% do reservatório de água do DF. E a iniciativa visa recuperar duas Áreas de Preservação Permanentes (APPs) da Orla do Lago e um dos seus principais braços de abastecimento, que é o Riacho Fundo

O secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho, destacou a importância da recuperação dessas áreas para enfrentar os impactos das mudanças do clima, como altas temperaturas e longos períodos de estiagem. “Essa prática é importante, porque plantar árvores ajuda a manter nossos rios, lagos e nascentes”, disse para as crianças presentes

Os alunos ouviram palestras sobre o plantio de árvores e, com o auxílio de monitores, plantaram mudas de espécies nativas do cerrado. Rafaela Fernandes, aluna da Escola Classe 1 do Lago Sul, teve a oportunidade de plantar sua primeira árvore hoje. “Agora que aprendi, vou querer plantar outras também”.

Stéphanie Florencio, assim como vários de seus colegas, ainda não conheciam o Lago Paranoá, mas agora pretendem voltar para acompanhar o crescimento da árvore. “Quero voltar mais vezes para ver como ela vai ficar”, disse.

Para a diretora da escola, Helena Nishikawa, além da educação socioambiental, a atividade gera o sentimento de pertencimento à futura geração que irá cuidar desses espaços nas cidades. “Eles são moradores do Distrito Federal e precisam se sentir pertencentes. Mesmo morando na periferia, esses espaços são deles também. E virem aqui hoje plantar uma árvore é muito significativo”, disse a diretora.

Segundo a subsecretária de Assuntos Estratégicos da Sema, Márcia Coura, a equipe sempre conversa com moradores das proximidades e visitantes assíduos do local. “Agora temos a oportunidade de aproximar essas crianças, que nunca vieram aqui, da natureza e deste local, que é de visitação pública.”

A subsecretária destaca que mobilizar a população é uma das estratégias para a preservação do Cerrado, manutenção dos mananciais e mitigação dos impactos causados pelas mudanças do clima. E mostrar a importância de plantar árvores para crianças é uma forma de dar continuidade às ações que, hoje, são realizadas pelo Projeto de Recuperação da Vegetação da Orla do Lago Paranoá.

Os alunos ouviram palestras sobre o plantio de árvores e, com o auxílio de monitores, plantaram mudas de espécies nativas do cerrado

Devido aos períodos de estiagem, até mesmo durante o “verão chuvoso” de Brasília, a equipe do projeto está utilizando hidrogel no plantio das mudas – um pó que, quando misturado na água, vira um gel.

George Melo, da coordenação de plantio do Projeto Orla, explica que o produto retém a água por mais tempo, mantendo a umidade do solo e assegurando o desenvolvimento das mudas com maior segurança.

“Adotamos isso por conta da mudança do clima, e ações como essas da Semana do Cerrado são importantes para ressaltar esses impactos”, destacou.

A criação de ambientes de florestas urbanas causam um efeito de resfriamento, inerente à sombra densa proporcionada por galhos e folhas, os quais limitam o aquecimento devido à incidência direta de radiação solar e reduz a temperatura do meio mediante a transpiração da água através das folhas.

O Lago Paranoá é o segundo maior manancial do Distrito Federal, ele representa 20% do reservatório de água do DF. E a iniciativa visa recuperar duas Áreas de Preservação Permanentes (APPs) da Orla do Lago e um dos seus principais braços de abastecimento, que é o Riacho Fundo.

Na Orla Sul e braço do Riacho Fundo, o projeto é financiado com recursos do Fundo Único do Meio Ambiente, quem acompanha a execução é a Sema em parceria com o Instituto Rede Terra. Brasília Ambiental e Jardim Zoológico têm sido parceiros neste projeto também.


Leia também

Semana do Cerrado terá atividades educativas em trilhas

Semana do Cerrado lança novo sistema ambiental

Semana do Cerrado traz mudanças do clima para o centro do debate

Semana do Cerrado com programação no Jardim Botânico

Dia do Cerrado será celebrado no Parque Ecológico Águas Claras


Na Orla Norte, o projeto nasceu com o Acordo de Cooperação Recupera Cerrado, parceria entre Sema, Ibram, Serviço Florestal Brasileiro e Fundação Banco do Brasil. As ações na Orla Norte são financiadas com recursos da Fundação Banco do Brasil. Brasília Ambiental, Sema e FBB fazem parte da comissão que acompanha a execução do projeto.

Já foram plantados, até o momento, 63 hectares ao longo da Orla Sul e braço do Riacho Fundo e mais de 33 mil mudas de espécies do cerrado usadas durante o plantio. O próximo plantio acontecerá no período de chuvas (a partir de outubro de 2021), com base no Diagnóstico na Orla Norte realizado pelo Instituto Rede Terra.

* Com informações da Sema

Comentários para "Alunos da rede pública plantam mudas do cerrado na orla do Lago Paranoá":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Rio de Janeiro assina declaração para reduzir investimento em combustível fóssil

Rio de Janeiro assina declaração para reduzir investimento em combustível fóssil

Cidade é a primeira da América Latina a aderir ao compromisso

Protesto de advogados em Brasília exige juízes de volta ao trabalho presencial

Protesto de advogados em Brasília exige juízes de volta ao trabalho presencial

Iniciativa da advogada Thais Riedel fez até a inerte OAB-DF se mexer

Projeto que proíbe linguagem neutra em escolas pode ser votado na CLDF

Projeto que proíbe linguagem neutra em escolas pode ser votado na CLDF

Deputados distritais querem criminalizar uso de linguagem neutra em escolas e outras repartições públicas da capital

Parecer dá razão a Paco Britto em acusação de propaganda eleitoral

Parecer dá razão a Paco Britto em acusação de propaganda eleitoral

O vice-governador compartilhou nas redes um vídeo sobre sua participação no evento.

Ibaneis Rocha viaja a Portugal para negociar edições da Web Summit

Ibaneis Rocha viaja a Portugal para negociar edições da Web Summit

Brasília no páreo para sediar o maior evento de tecnologia do planeta

PDOT: Seduh conclui oficinas temáticas e retoma debate com Comitê Participativo

PDOT: Seduh conclui oficinas temáticas e retoma debate com Comitê Participativo

Ordenamento territorial é debatido a cada dez anos.

Prorrogado o período de matrícula na rede pública de ensino do DF

Prorrogado o período de matrícula na rede pública de ensino do DF

Escola Parque da 308 Sul, no Plano Piloto.

CPI que investigará sonegação de bancos no DF tem composição definida

CPI que investigará sonegação de bancos no DF tem composição definida

O autor do requerimento para dar início às investigações, deputado Delmasso, espera resultados similares aos obtido por CPI paulistana que "colocou de volta nos cofres públicos cerca de R$ 3 bilhões”

Ativista por moradia popular denuncia perseguição em Santa Maria, no DF

Ativista por moradia popular denuncia perseguição em Santa Maria, no DF

Ativista Mona Lisa, do Coletivo Mais de Nós, denuncia ter sofrido perseguição após apoiar luta por moradia popular

Estudantes cobram da Capes pagamento de bolsas

Estudantes cobram da Capes pagamento de bolsas

UNE protocolou um ofício cobrando uma urgente reunião com a presidência da CAPES

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

A tarifa residencial no DF, que ocupava o 51º lugar do ranking nacional sendo uma das mais baixas do país, passa a ocupar a 36º posição.