×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Área derrubada da Amazônia em terras indígenas e protegidas é 3 vezes maior que a cidade de SP

Área derrubada da Amazônia em terras indígenas e protegidas é 3 vezes maior que a cidade de SPFoto: Bruno Kelly/Amazônia Real/07/08/2020

Mais de 460 mil hectares foram devastados para extração de madeira na Amazônia

Nara Lacerda - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 06/09/2021 - 11:49:29

Mato Grosso, Amazonas e Rondônia são os estados amazônicos com as maiores áreas de exploração irregular em 2019 e 2020

Resultados do Sistema de Monitoramento de Exploração Madeireira (Rede Simex) indicam que a extração na Amazônia continua ocorrendo de forma ilegal em regiões de proteção integral, reservas indígenas e unidades de conservação de uso sustentável.

Os dados mostram também que, somente no período entre agosto de 2019 e julho de 2020, a área total devastada para retirada de madeira foi três vezes maior que a cidade de São Paulo. Foram 464 mil hectares, mais da metade no Mato Grosso, 15,3% no Amazonas e 15% em Rondonia.

Embora a maior parte desse total tenha ocorrido em imóveis rurais cadastrados, mais de 11% do território explorado se encontram em áreas protegidas. Nas terras indígenas, 24 mil hectares foram atingidos. As situações mais críticas foram observadas nos territórios Tenharim Marmelos (AM), com 6 mil hectares, Batelão (MT), com 5.000 hectares, e Aripuanã (MT), com 3.000 hectares.

:: PF apreendeu mais madeira ilegal em cinco meses de 2021 do que em 2018, 2019 e 2020 ::

Em unidades de conservação foram 28 mil hectares devastados. Somente no Parna dos Campos Amazônicos (AM), região de proteção integral onde a exploração é totalmente proibida, o estrago chegou a 9 mil hectares. Foi identificada atividade madeireira também em terras não destinadas, áreas públicas em que a extração não é permitida.

O problema pode ser ainda maior, porque há falta de informações sobre autorizações para o manejo florestal na maioria dos estados. Essa verificação só é possível no Pará e no Mato Grosso. O levantamento envolveu sete dos nove estados da Amazônia Legal, que concentram quase toda a produção brasileira: Acre, Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Roraima,

“A transparência é fundamental para qualificar o debate sobre o setor florestal na Amazônia e para combater a madeira ilegal. Enviamos pedidos de acesso aos dados via LAI, a Lei de Acesso à Informação, e temos dialogado com todos os órgãos estaduais de meio ambiente visando a construção de uma agenda positiva e o compartilhamento de conhecimento”, ressalta Leonardo Sobral, gerente florestal do Imaflora, umas das organizações responsáveis pelo estudo.

:: Desmatamento de áreas protegidas cresce 20% na Amazônia; veja as áreas mais afetadas ::

A Rede Simex é composta por pesquisadoras e pesquisadores do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) e do Instituto Centro de Vida (ICV).

Edição: Vinícius Segalla

Comentários para "Área derrubada da Amazônia em terras indígenas e protegidas é 3 vezes maior que a cidade de SP":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Lixo marinho, incluindo plástico, papel e madeira, acaba indo para as profundezas dos oceanos.

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Evento busca integração de iniciativas sustentáveis entre países

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Brasileiros descartam 79 milhões de toneladas de lixo sólido por ano

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Emissões com a queima de carvão contribuem para a poluição em Ulaanbaatar, na Mongólia.

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Na véspera da COP-26, na Escócia, que começa no dia 31, há uma expectativa sobre o que o Brasil vai apresentar.

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Foto tirada em 27 de setembro de 2021 mostra uma vista no parque de Jiuzhaigou, no distrito de Jiuzhaigou, Província de Sichuan, sudoeste da China.

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Ativista Greta em protesto junto da ONU

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas sobre o impacto que um novo projeto de lei norte-americano sobre desmatamento ilegal no mundo pode ter para as exportações brasileiras

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

O desmatamento em junho deste ano, conforme Imazon, apontam para o terceiro maior índice de destruição da vegetação nos últimos 10 anos.

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Desde o início da intervenção na Ponte 3 da Rodovia Transpantaneira, caminhões-pipa de 16 mil litros fazem a reposição diária da água do corixo para beneficiar a população que permaneceu. Um trabalho de "enxugar gelo", segundo Martins, da Ecotrópica, porque o volume é consumido diariamente pelo uso e evaporação.

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e está sendo devastado, segundo Mapbiomas.