×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de junho de 2022

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemiaFoto: Nathália Ferreira Guimarães é natural de Patos de Minas (MG) - Foto: Andressa Pestili

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Ana Carolina Vasconcelos - Belo Horizonte (mg) | Brasil De Fato Mg - 02/05/2022 - 10:43:37

Mais 600 mil vidas perdidas, o Brasil de volta ao mapa da fome e os altos índices de desemprego marcam profundamente o contexto atual do país. É diante desse cenário que Nathália Ferreira Guimarães, autora mineira natural da cidade de Patos de Minas, publica seu primeiro livro.

Produzido pela editora Caravana, de Belo Horizonte, “Vermelho” é resultado da necessidade de Nathália de se comunicar com o mundo durante o isolamento social. Em quatro capítulos, a escritora aborda as feridas brasileiras, mas diz da importância da memória para construir um novo projeto de futuro.

Para conhecer o que motivou e marcou a escrita de “Vermelho”, o Brasil de Fato MG conversou com Nathália. “A literatura, para mim, serve como lembrança, como memória das potencialidades que já vivemos e de como podemos resgatá-las, mesmo em momentos difíceis”, aponta.

Confira a entrevista:

Brasil de Fato MG – “Vermelho” é seu livro de estreia. O que te motivou e como foi o processo de criação?

Nathália Ferreira – A escrita foi um processo que permitiu me conhecer melhor. É como fazer com que as coisas que sentimos morem também no papel. Dividir as dores. Na pandemia, me veio o desejo de publicar os poemas e prosas poéticas que eu já escrevia. No período de isolamento social foi quando escrevi mais.

Um livro de entrevistas da Hilda Hilst me marcou. Ela disse que publicava muito porque tinha a necessidade de se comunicar. No período de isolamento social, com a pandemia, mas também com as pessoas passando fome e morrendo sem assistência, precisei comunicar minhas dores. E também comunicar com meus companheiros e companheiras que eu não via. O livro nasce do desejo de compartilhar esses sentimentos e da necessidade de dizer que há esperança.

:: Leia mais notícias do Brasil de Fato MG. Clique aqui ::

O Brasil vive um momento difícil, de crise, de sofrimento. Qual é o papel da poesia nesse contexto?

A literatura, para mim, serve como lembrança, como memória das potencialidades que já vivemos e de como podemos resgatá-las, mesmo em momentos difíceis. Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho. De alguma forma, ao escrever, me sinto em coletivo.

Por exemplo, quando leio Ferreira Gullar me sinto como se estivesse conversando e lutando com ele, dividindo as mazelas e pensando junto como superá-las para cantar um mundo novo.

Quando a gente vê todo o desmonte pelo qual passa o Brasil, a gente fica muito desacreditada. Eu vejo uma geração muito sem perspectiva de futuro, incrédula. Temos que lembrar quem nós somos e o que podemos ser. Se a gente não acreditar, o futuro pode ser tenebroso.

Para mim, a poesia ajuda nisso. Porque um povo sem memória é um povo sem presente e sem futuro, perdido na sua história.

Como o livro está organizado?

O livro se apresenta com o poema “Vida em vermelho”, que traz signos usados ao longo dos textos dos quatros capítulos. O primeiro capítulo, “Úlceras”, diz sobre as feridas abertas neste contexto de retirada de direitos, em tempos de conjuntura desbotada.

A segunda parte, "Aquarela e Bordô: Saudade Corrente e Memória Firme", fala sobre as diferenças e semelhanças entre a saudade e a memória. Se não fincamos nossos pés na memória, começamos a não construir o futuro. Esse capítulo inicia com um poema que ajuda a explicar esse sentido: “Para construir futuro, nem viver de passado, nem morrer sem memória”.

Com uma crítica ao amor romântico, a terceira parte do livro, “Paixões corais”, fala sobre os amores que colorem e aquecem a nossa vida. Apresenta a proposição de amores companheiros, livres. O capítulo relembra o amor camaradagem da Alexandra Kollontai e o esforço de construir relações mais igualitárias e companheiras.

Por fim, o último capítulo se chama "Ego em Carmim" e trata sobre a força do Eu na relação entre com o mundo e com os outros.

Como adquirir o livro?

O livro foi produzido pela editora Caravana, de Belo Horizonte. Em pré-lançamento, é possível adquiri-lo pelo site da editora. Nossa expectativa é que ele esteja em mãos na Bienal Mineira do Livro, que acontece de 13 a 22 de maio deste ano. Também queremos fazer um lançamento no início de junho.

Fonte: BdF Minas Gerais

Edição: Larissa Costa

Comentários para "Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Apesar de a arte digital ter uma maior intimidade com a tecnologia de NFT, artistas plásticos, fotógrafos e afins também encontram espaço para vender e expor seus trabalhos por meio da tecnologia.

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

O Museu do Pontal é um espaço que revela toda a riqueza e diversidade das raízes artísticas brasileiras.

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Série Biodiversidade está disponível gratuitamente em versão digital

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

O local vai ganhar uma estátua de Bonifácio, com conceito

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Durante as gravações de Matí no Pantanal, poucos profissionais foram escalados de forma a evitar superestímulos na onça

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Muitos dos livros têm dedicatórias de amigos escritores

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Música virou sucesso na plataforma de vídeos e já foi compartilhada por grandes celebridades

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Estreia será no dia 20 no município maranhense de Pindaré Mirim

"Amo minhas filhas, mas não gosto tanto de ser mãe", revela Samara Felippo em livro

Caroline Dias de Freitas, CEO da DISRUPTalks, e Samara Felippo, nova autora do selo.

Turma da Mônica e WWF-Brasil lançam cartilha sobre proteção do meio ambiente

Turma da Mônica e WWF-Brasil lançam cartilha sobre proteção do meio ambiente

A publicação conta com ensinamentos sobre como recuperar o planeta após anos de agressões contra o meio ambiente.

Festival de cinema apresenta 27 filmes com temática LGBTQIA+

Festival de cinema apresenta 27 filmes com temática LGBTQIA+

Evento é online, gratuito e vai até a próxima quarta-feira