×
ContextoExato

Boeing desiste de comprar área de aviação comercial da Embraer

Boeing desiste de comprar área de aviação comercial da EmbraerFoto: Twitter

Compra da Embraer foi anunciada pela Boeing em julho de 2018 e era avaliada em US$ 4,2 bilhões.

Estadão Conteúdo - 25/04/2020 - 11:41:44

Companhia americana responsabilizou a fabricante brasileira de aviões pela não conclusão do acordo; negócio era avaliado em US$ 4,2 bilhões

Em meio a maior crise de sua história - que envolve dois acidentes com seu principal avião e a paralisação do setor aéreo em decorrência da pandemia da covid-19 -, a Boeing anunciou que encerrou as negociações para comprar a divisão de aviação comercial da Embraer . As empresas haviam anunciado o acordo de US$ 4,2 bilhões em julho de 2018 e o fim das conversas deixa a empresa brasileira em situação delicada.

A Boeing responsabilizou a Embraer pela não conclusão do negócio. Em nota, a americana afirmou que “exerceu seu direito de rescindir (o contrato) após a Embraer não ter atendido as condições necessárias”, mas não especificou quais eram essas condições. Segundo fontes brasileiras, a americana trabalha para evitar o pagamento de eventuais multas. O prazo limite para uma das partes romper o acordo era sexta-feira, 24.

“A Boeing trabalhou diligentemente nos últimos dois anos para concluir a transação com a Embraer. Há vários meses temos mantido negociações produtivas a respeito de condições do contrato que não foram atendidas, mas em última instância, essas negociações não foram bem-sucedidas”, disse Marc Allen, presidente da Boeing para a parceria com a Embraer e operações do grupo.

"É uma decepção profunda. Entretanto, chegamos a um ponto em que continuar negociando dentro do escopo do acordo não irá solucionar as questões pendentes", acrescentou, em nota.

Problemas de caixa

O mercado já vinha aventando a possibilidade de a transação não ser concluída. No último domingo, reportagem do Estado mostrou que, entre os entraves levantados por analistas, estava a capacidade de a empresa americana pagar os US$ 4,2 bilhões pelos quais o acordo foi fechado. Além dos dois acidentes com os aviões 737 MAX, que mataram 346 pessoas e levaram o modelo a parar de operar, a crise do coronavírus vem prejudicando a situação de caixa da companhia.

Outro problema era o valor do contrato, que foi fechado entre as duas empresas em julho de 2018. Um dia antes do negócio ser anunciado, a empresa valia R$ 19,8 bilhões no mercado. Hoje, esse número é de R$ 6,1 bilhões, um recuo de 69%.

Desde o ano passado, o acordo entre as empresas vinha sofrendo dificuldade para conseguir aval das autoridades reguladoras da União Europeia, o que atrasou a conclusão do negócio. A previsão inicial era que a americana assumisse os 80% da divisão de jatos comerciais da brasileira no fim do ano passado, o que não foi possível, em grande medida, por causa do entrave na União Europeia.

Além dos 80% do braço de aviação comercial da Embraer, o acordo previa a criação de uma joint venture para a comercialização do cargueiro militar C-390 Millenium, o maior avião já desenvolvido no Brasil e cujo projeto foi recém-concluído. Havia possibilidades de essa nova empresa, da qual a Embraer seria sócia majoritária, instalar uma linha de produção do modelo nos Estados Unidos, para pode ampliar seu potencial de venda para o governo americano e outros países parceiros de Washington.

Com a suspensão das negociações, a criação dessa nova joint venture também foi cancelada. As duas companhias, no entanto, manterão um acordo para que a Boeing venda e faça manutenção do C-390 em parceria com a Embraer.

A Embraer ainda não se pronunciou sobre o assunto e seus funcionários não foram avisados, até agora, do fim das negociações.

Comentários para "Boeing desiste de comprar área de aviação comercial da Embraer":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório