×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de janeiro de 2022

Brasil gasta muito com sua imagem no exterior, mas o retorno é baixo, avaliam especialistas

Brasil gasta muito com sua imagem no exterior, mas o retorno é baixo, avaliam especialistasFoto: AP Photo / Evan Vucci

De olho em sua imagem no cenário internacional, o governo de Jair Bolsonaro gastou 17 vezes mais com propaganda e publicidade do que todos que o antecederam na última década

Por João Werneck - Sputnik - 07/01/2021 - 14:53:01

De acordo com um levantamento feito pelo portal UOL, gastos com publicidade no governo Jair Bolsonaro indicam uma intenção do presidente em reposicionar e repensar a imagem do Brasil no exterior. Segundo a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), foram pagos R$ 27,7 milhões, em 2020, e R$ 11,7 milhões, em 2019, para "contrapor percepções equivocadas e descontextualizadas que, por vezes, surgem no cenário internacional".

Para compreender os efeitos dessa política, e também discutir como está a percepção internacional sobre o governo brasileiro, a Sputnik Brasil conversou com dois especialistas em relações internacionais, o professor Vinícius Guilherme Rodrigues Vieira, da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), e Beatriz Pontes, mestre em Ciência Política pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, e Paulo Guedes, seu ministro da Economia, durante reunião do Conselho de Estratégia Comercial da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), em 9 de dezembro de 2020

Jair Bolsonaro, presidente do Brasil, e Paulo Guedes, seu ministro da Economia, durante reunião do Conselho de Estratégia Comercial da Câmara de Comércio Exterior (CAMEX), em 9 de dezembro de 2020

Para Vinícius Guilherme, o Brasil sofre de uma crise de identidade no exterior em razão das atitudes intempestivas do presidente Jair Bolsonaro com relação à diplomacia.

"Não é por meio de propaganda que este quadro será revertido, mas, sim, por meio de uma diplomacia capaz de encontrar pragmatismo. É preciso reconhecer que o ambientalismo está além do espectro da divisão tradicional entre esquerda e direita. Enquanto isso não acontecer, não será preciso gastar rios de dinheiro com publicidade, a nossa imagem continuará sendo negativa. A mera publicidade não corrige erros diplomáticos", afirmou o Vinícius Guilherme.

​Beatriz Pontes entende que a ampliação destas campanhas é uma estratégia para disfarçar uma pauta que o governo não tem dado conta, que é a ambiental. "Quando as políticas domésticas do Brasil estão de acordo com o que está sendo feito e pedido pela agenda internacional, o governo não precisa gastar com propaganda", disse ela.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (à esquerda), e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião do Salão Oval da Casa Branca, em Washington, nos EUA.

© AP Photo / Evan Vucci

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (à esquerda), e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião do Salão Oval da Casa Branca, em Washington, nos EUA.

"Os próprios feitos de um governo são, teoricamente, uma campanha positiva para o exterior. Só que resultado desta campanha, em geral, é muito negativo, porque produz um efeito contrário. Estamos passando um recado de que o Brasil mostra algo que não está sendo feito. Falta proatividade por parte do governo brasileiro para rever suas políticas ambientais, e publicidade não é o caminho", avaliou Beatriz.

​Apesar de ambos especialistas possuírem um entendimento semelhante, os gastos do governo federal em 2019 e 2020 ficaram, respectivamente, 5.331% e 12.812% acima da média anual dos gastos da presidência de 2009 até 2018. Sob os governos Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer, o Planalto gastou, no total, R$ 2,14 milhões com propaganda no exterior. Neste sentido, vale lembrar que Bolsonaro é um político considerado austero. A verba publicitária da própria Secom caiu de R$ 255,6 milhões, em 2018, para R$ 128,15 milhões, em 2020.

Questionado se há um preconceito midiático sobre a imagem do Brasil no exterior, o professor Vinícius Guilherme acredita que sim. "Fazendo uma crítica aos críticos do Bolsonaro, a gente tende a achar que todos os problemas do Brasil são culpa do presidente Bolsonaro, e não é assim. É difícil dissociar a imagem do Brasil das falas do seu chefe de estado. Mas o fato é que o Brasil, mesmo antes do Bolsonaro, já tinha uma imagem bastante negativa no exterior, até mesmo injusta em muitos aspectos".

Voluntário tenta apagar fogo na rodovia Transpantaneira em Poconé, no Mato Grosso. O Pantanal foi atingido por recorde de queimadas em 2020

© AP Photo / Andre Penner

Voluntário tenta apagar fogo na rodovia Transpantaneira em Poconé, no Mato Grosso. O Pantanal foi atingido por recorde de queimadas em 2020

"Na gestão ambiental, por exemplo, enfrentamos o lobby de países europeus, que pintam o diabo muito pior do que ele é. Isto é, temos uma legislação ambiental avançada, que se bem aplicada, está anos-luz da encontrada em alguns países desenvolvidos".

O professor sustenta que a maneira como turistas brasileiros são tratados no exterior, e o tipo de turismo feito no Brasil, de cunho sexual, inclusive com participação publicitária do governo, cujo lema - Visit and love us - pode ser interpretado pelo lado dos relacionamentos sexuais, diz muito sobre a imagem brasileira nos países desenvolvidos. Vinícius Guilherme não acredita que os gastos sejam desnecessários. Ele defende, porém, que a estratégia seja repensada.

"Nós temos o preconceito contra o Brasil, principalmente por parte da Europa, da China e da Índia. Portanto, ao invés de gastarmos com publicidade, poderíamos ter investido em diplomacia pública, que é quando se busca atingir um público formador de opinião. Deste modo, se tivéssemos um governo sério, poderíamos buscar atingir a opinião pública internacional, corrigindo essas distorções da nossa imagem, em países como Japão, Canadá, EUA, China, e até mesmo na Europa. Seria preciso fazer um trabalho diplomático, de relações públicas".

Netanyahu e Bolsonaro durante encontro em uma sinagoga no Rio de Janeiro

© AP Photo / Leo Correa

Netanyahu e Bolsonaro durante encontro em uma sinagoga no Rio de Janeiro

Desde 2019, a Secom trabalha com a campanha "Brazil by Brasil" em "países considerados estratégicos, como EUA, Alemanha, França, Inglaterra, Noruega e Suécia". Segundo o órgão, "campanhas como essas tornam-se necessárias para contrapor percepções equivocadas e descontextualizadas que, por vezes, surgem no cenário internacional em temas nos quais o Brasil se destaca, como meio ambiente, recursos naturais e agronegócio", afirmou a pasta. As propagandas tentam apresentar um "novo Brasil, moderno e produtivo ", que "preserva 60% de sua vegetação original."

Beatriz Pontes avalia que o trabalho não tem funcionado, porque essas campanhas se tornam vazias. "Falta um trabalho real, uma agenda definida, com metas e planos, e com trabalho conjunto de diplomatas. Uma das evidências de que a campanha não deu certo é o ponto de tensão entre o acordo do Mercosul com a UE. A negociação apresentou diversos problemas principalmente porque o Brasil não se posicionou de modo proativo na defesa do meio ambiente".

​Em 2020, a maior parte do que a presidência gastou com propaganda no exterior foi destinada à compra de espaço na Internet (R$ 12,1 milhões) e em mídia exterior digital (R$ 11,3 milhões), como são chamados os painéis com publicidade nas ruas. As televisões ficaram com uma fatia menor: R$ 4,2 milhões, divididos entre Bloomberg, CNN, BBC e o braço internacional da TV Record nos EUA e na Europa.

​Vinícius Guilherme entende que "não é o valor que chama atenção. É a forma como o dinheiro foi gasto". Para ele, seria preciso fazer campanhas como a da ABIEC (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes), que investe em um trabalho de valorização dos produtos nacionais, apelando para o lado familiar deles. Por fim, ele concluiu e disse que "é preciso vender a imagem do nosso agronegócio, que está, de fato, preocupado com questões ambientais, principalmente com a imagem do Brasil no exterior".

Manifestante com placa em ato contra queimadas na Amazônia em Lisboa, Portugal

© Sputnik / Caroline Ribeiro

Manifestante com placa em ato contra queimadas na Amazônia em Lisboa, Portugal

"Isso tem um grande efeito positivo no mundo árabe. Portanto, é preciso fazer ações deste modo. Precisamos conversar com pessoas que leem as revistas que fazem parte da elite intelectual e financeira de cada continente. O que mais faria sentido seria um trabalho de relações públicas, de aproximação aos grandes veículos de imprensa", sustenta o professor.

Contatar oficiais "de alto nível" era uma das medidas adotadas pelo Itamaraty em resposta aos incêndios da Amazônia, conforme um ofício enviado em 2019 à presidência da República pelo secretário-geral das Relações Exteriores, Otávio Brandelli. O governo orientou todas as embaixadas brasileiras a "contestar informações falsas ou imprecisas" e agiu para difundir as posições brasileiras "por meio de ação intensiva nas mídias sociais".

Beatriz Pontes diz que é bom lembrar que a questão ambiental é apenas uma das temáticas que aparecem em evidência quando falamos da imagem do Brasil no exterior. Segundo ela, "podemos citar, como exemplo, a falta de envolvimento do Brasil na proteção aos direitos humanos. Somos o país que mais mata transexuais no mundo, e temos índices absurdos de violência contra a mulher. Isso é muito negativo para nossa imagem no exterior".

Manifestantes protestam contra a violência e o racismo em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, após o assassinato de João Alberto Freitas em um mercado da rede Carrefour

Manifestantes protestam contra a violência e o racismo em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, após o assassinato de João Alberto Freitas em um mercado da rede Carrefour

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

Comentários para "Brasil gasta muito com sua imagem no exterior, mas o retorno é baixo, avaliam especialistas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Armas e plantas de maconha que teriam sido apreendidas pela Polícia Militar no local da chacina

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Possível federalização do caso anularia setenças da Justiça estadual

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

De outubro de 2020 a setembro de 2021 foram registrados 375 assassinatos no mundo, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior

Intolerância religiosa:

Intolerância religiosa: "Brasil vive negação de direitos", afirma especialista

Violência aumentou nos últimos anos e políticas de combate foram enfraquecidas

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Fotografia tirada após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que matou 272 pessoas

"A luta dos povos indígenas é uma luta válida e importante para todo o povo"

A Festa do Murici e Batiputá acontece entre os dias 12 e 15 de janeiro

Brasil precisará de um exército de profissionais agroflorestais para liderar a transição regenerativa no mundo

Brasil precisará de um exército de profissionais agroflorestais para liderar a transição regenerativa no mundo

Hoje a agricultura é considerada ainda uma vilã do clima e não resolve o problema da fome no mundo