×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de maio de 2022

Cine Brasília exibe filmes premiados no Festival de Cinema

Cine Brasília exibe filmes premiados no Festival de CinemaFoto:

Programação especial terá início nesta quinta-feira (27)

Agência Brasília* | Edição: Chico Neto - 25/01/2022 - 18:02:46

“Houve filmes para todas as tribos, do cinema de andarilho ao webdoc, das tecnologias sofisticadas à linguagem dos povos das quebradas” Sílvio Tendler, cineasta

A partir desta quinta-feira (27), uma mostra gratuita de filmes premiados na 54ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (FBCB) será exibida no Cine Brasília, que voltou a funcionar no início deste mês. Organizado em dezembro do ano passado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec), o festival transcorreu em canal fechado e plataforma virtual.

Durante nove dias, o público vai poder assistir presencialmente a nove longas-metragens e a 15 curtas vencedores, além de algumas produções que receberam menção honrosa da Mostra Competitiva e da Mostra Brasília. Na maioria das noites, o Cine Brasília exibirá dois curtas e um longa.

“O festival foi maravilhoso”, resume um dos curadores do FBCB, o cineasta Sílvio Tendler. “Debatemos tudo o que queríamos, houve filmes para todas as tribos, do cinema de andarilho ao webdoc, das tecnologias sofisticadas à linguagem dos povos das quebradas, produções maravilhosas que fizeram o festival acontecer.”

Também curadora do festival, a professora da Universidade de Brasília (UnB) Tânia Montoro ressalta o caráter inclusivo da mostra, a presença incisiva da produção local e o sucesso dos filmes no formato digital. “Foi uma edição histórica, um festival plural onde mulheres, negros e indígenas estiveram em comissão de seleção, júri, mesas e debates”, avalia.

Acompanhe, abaixo, a programação de filmes.

Quinta-feira (27), a partir das 19h

Cavalo Marinho | Fotos: Divulgação
  • Cavalo Marinho (classificação livre). Direção: Gustavo Serrate Maia. Prêmio: Melhor fotografia.
  • Benevolentes (classificação 12 anos). Direção: Thiago Nunes. Prêmio: Melhor filme júri oficial curta-metragem.
  • O Mestre da Cena (classificação livre). Direção: João Inácio. Prêmios: Melhor montagem e Troféu Saruê para Gê Martú.

Sexta-feira (28), a partir das 20h

  • Ocupagem (classificação livre). Direção: Joel Pizzini. Prêmio Marco Antônio Guimarães.
  • Era Uma Vez… Uma Princesa (classificação 16 anos). Direção: Lisiane Cohen. Prêmio: Melhor curta-metragem com temática afirmativa
  • Acaso (classificação 12 anos). Direção: Luis Jungmann Girafa. Prêmios: Melhor montagem, Melhor filme júri oficial longa-metragem.

Sábado (29), a partir das 17h

  • Da Boca da Noite à Barra do Dia (classificação livre). Direção: Tiago Delácio. Prêmios: Melhor ator e Melhor filme do júri popular.
  • Alice dos Anjos (classificação livre). Direção: Daniel Leite Almeida. Prêmios: Melhor caracterização, Melhor direção de arte, Melhor direção, Melhor filme júri popular, Prêmio Abraccine de Longa-metragem.

Às 20h:

  • Terra Nova (classificação livre). Direção: Diego Bauer. Prêmios: Menção honrosa, Prêmio Cosme Alves Netto (oferecido pela Anistia Internacional)
  • Cantareira (classificação livre). Direção: Rodrigo Ribeyro. Prêmios: Melhor fotografia.
  • Ela e Eu (classificação 16 anos). Direção: Gustavo Rosa de Moura. Prêmios: Melhor roteiro, Melhor ator, Melhor atriz.

Domingo (30), a partir das 17h

  • Adão, Eva e o Fruto Proibido (classificação 14 anos). Direção: R.B. Lima. Prêmios: Melhor roteiro, Prêmio Abraccine, Melhor curta-metragem.
  • Lavra (classificação livre). Direção: Lucas Bambozzi. Prêmios: Melhor fotografia, Menção honrosa, Melhor som

Às 20h:

  • Vírus (classificação 18 anos). Direção: Larissa Mauro e Joy Ballard. Prêmios: Menção honrosa.
  • Filhos da Periferia (classificação 12 anos). Direção: Arthur Gonzaga. Prêmios: Melhor direção de arte.
  • Noctiluzes (classificação 10 anos). Direção: Jimi Figueiredo e Sérgio Sartório. Prêmios: Melhor ator, Melhor direção.

2/2

  • Sayonara (classificação 14 anos). Direção: Chris Tex. Prêmios: Melhor caracterização – maquiagem.
  • De Onde Viemos, Para Onde Vamos (classificação: 12 anos). Direção: Rochane Torres. Prêmios: Melhor filme com temática afirmativa, Melhor som, Menção honrosa, longa-metragem

3/2

Saudade do Futuro
  • Como Respirar Fora d‘Água (classificação 14 anos). Direção: Júlia Fávero e Victoria Negreiros. Prêmios: Melhor som, Prêmio Canal Brasil, curta-metragem.
  • Chão de Fábrica (classificação 14 anos). Direção: Nina Kopko. Prêmios: Melhor caracterização – figurino, Melhor montagem, curta-metragem, Melhor atriz, Melhor direção, Melhor filme júri oficial.
  • Saudade do Futuro (classificação livre). Direção: Anna Azevedo. Prêmios: Melhor filme júri oficial, longa-metragem.

4/2

  • A Casa do Caminho (classificação livre). Direção: Renan Montenegro. Prêmios: Melhor filme com temática afirmativa, Melhor filme júri popular.
  • Ele Tem Saudade (classificação 14 anos). Direção: João Campos. Prêmio: Melhor som.
  • Advento de Maria (classificação 14 anos). Direção: Vinícius Machado. Prêmios: Melhor caracterização – figurino, Melhor caracterização – maquiagem, Melhor roteiro, Melhor atriz e Melhor filme júri popular.

* Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Comentários para "Cine Brasília exibe filmes premiados no Festival de Cinema":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Livro reúne 70 obras do pintor José Antonio da Silva

Trata-se de uma obra fundamental para conhecer aspectos da vida e obra de Silva raramente explorados em outras publicações.

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Serão cindo dias de programação gratuita, reunindo 14 autores de referência do universo cultural brasileiro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Diante das diversas motivações que podem influenciar na escolha de um livro antes da compra, a capa é uma das mais citadas pelos entrevistados, em especial entre as crianças

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

O álbum traz ainda Berimbau, de Vinicius e Baden Powell, que ainda nem era chamado de afro-samba. Outro exemplo: a faixa Nanã (Coisa Nº 5), que estaria no clássico disco Coisas, de Moacir Santos, lançado em 1965.

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Pelos temas, pelas múltiplas estéticas e pela interpretação, o disco se faz a partir de diferentes, pessoais e fascinantes olhares