×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de agosto de 2022

Como a arte do mangá marcou os japoneses

Como a arte do mangá marcou os japoneses

Foto: Reprodução Pixabay divulgação

O mangá, defende a autora, tem, enfim, uma função pedagógica, além de puro entretenimento, mas o Japão demorou para legitimar o gênero como arte (o primeiro museu de mangás só abriu no século 21, em Kyoto

Estadão Conteúdo - 25/07/2022 - 10:10:44

O fenômeno mangá, após sete décadas de existência de Astro Boy, o garoto androide, não é exatamente novo, mas o que poucos sabem é que ele ainda é mais velho que o personagem criado pelo mangaka (desenhista de mangás) Osamu Tezuka (1928-1989) em 1952. Séculos antes de Tezuka, outros artistas japoneses já esboçavam os primeiros capítulos da história do mangá. Mais precisamente no século 12, as primeiras composições pictóricas em rolos, contendo narrativas fantásticas com animais, monstros e demônios já circulavam entre os aristocratas japoneses, antecipando o futuro mangá popular consagrado pelo traço de um mestre da gravura Ukyio-e, Hokusai (1760-1849).

Para quem não se lembra, Hokusai é o autor da onda gigantesca que tem ao fundo o monte Fuji. Essa é apenas uma das saborosas histórias de Mil Anos de Mangá, da nipo-francesa Brigitte Koyama-Richard, lançado pela editora Estação Liberdade.

Trata-se de uma ótima - e bem ilustrada - introdução ao universo dos mangás, dos rolos do século 12 ao advento dos Gekiga, quadrinhos para adultos produzidos nos anos 1950 por Yoshihiro Tatsumi, que, influenciado por Tezuka, levou essa linguagem a uma dimensão realista. E essa história vai além dele e Tatsumi, chegando às edições alternativas de mangá (como a revista Garo), ao universo demoníaco das ilustrações de Mizuki Shigeru (1922-2015) e aos recentes mangás dramáticos de Taniguchi Jiro (1947-2017).

MONSTROS

Parece compreensível que uma história tão longa e rica não caiba num volume com 272 páginas. De fato, dois terços do livro são dedicados às preliminares da história do mangá, o que é bom para quem se interessa pela história da arte no Japão e nem tanto para quem está em busca de uma análise sociológica do fascínio dos japoneses pelos mangás populares com monstros disformes e garotos com grandes olhos ocidentais.

Enfim, os capítulos que analisam dos rolos pintados do século 12 às gravuras do Ukyio-e, que tanta influência tiveram sobre os impressionistas e pós-impressionistas europeus (especialmente Van Gogh), são os melhores, mas, de 1990 em diante, fica uma história menos profunda. É certo, porém, que ela foi explorada em outros livros pela autora, professora de História da Arte na Universidade Musashi de Tóquio - e um exemplo disso pode ser L’Animation Japonaise: Du Rouleau Peint aux Pokémon (Flammarion, 2009).

Mil Anos de Mangá, com 400 ilustrações, compensa pequenas omissões. O foco da professora é a correspondência visual entre a arte clássica e contemporânea japonesa e a ocidental - Osamu Tezuka foi fortemente influenciado por Walt Disney, a ponto de seu Astro Boy assimilar certos traços de Mickey Mouse (como as orelhas). Foi, aliás, Astro Boy, o primeiro mangá que leu, revela a professora.

ANDROIDES

Assim como os mangaka sofreram a influência de artistas ocidentais, também o Ocidente foi marcado por histórias como a do garoto androide de Osamu (uma espécie de robô criado para suprir a ausência do filho de um cientista num desastre). Super-heróis sem pais nos quadrinhos ocidentais o leitor conhece às dezenas, mas Astro Boy condensa a inocência e o amor pela humanidade como poucos.

O mangá, defende a autora, tem, enfim, uma função pedagógica, além de puro entretenimento, mas o Japão demorou para legitimar o gênero como arte (o primeiro museu de mangás só abriu no século 21, em Kyoto, informa o livro). Depois da derrota do Japão na 2.ª Guerra, os artistas japoneses buscaram no modelo ocidental, particularmente no americano, heróis para estimular o imaginário das crianças, fascinadas por Tarzan.

Contra o homem-macaco de Rice Burroughs, as histórias de samurais, banidas durante a guerra, são resgatadas do limbo também nos anos 1950, segundo a autora, respondendo pela recuperação dos laços do Japão com suas raízes. Houve até reações violentas contra a “ocidentalização” de criadores como Osamu Tezuka. Queimaram seus quadrinhos nas ruas, acusando-o de “exercer uma influência nefasta sobre a juventude japonesa”. Tezuka não se abalou. Foi até um protofeminista ao assinar o primeiro shöjo manga para garotas, em 1953, A Princesa e o Cavaleiro.

Outros mangaka seguiram o seu caminho e ajudaram a sedimentar a imagem da nova mulher japonesa do pós-guerra, menos sensata e longe do estereótipo de boa mãe de família. Eles buscaram inspiração no comportamento das ruas. Seus mangás, observa a autora, influenciaram a moda, os penteados e a maquiagem.

A heroína do shöjo manga, Ikeda Riyoko, viveu pouco (morreu aos 46 anos, em 2005), mas deixou obras seminais sobre mulheres independentes, entre elas uma adaptação de Lady Oscar. Depois dela, só mesmo uma “demônia” como Nezuko, a irmã de Tanjira em Demon Slayer, mangá de Koyoharu Gotouge, para chamar a atenção do público. Dependente do irmão para recuperar a forma humana, ela representa, de certa forma, uma regressão. Mas a história é assim mesmo, cheia de revisitações e busca de sucesso. A franquia cinematográfica de Demon Slayer já rendeu quase US$ 9 bilhões. Isso diz alguma coisa sobre os japoneses. E muito sobre os mangás.


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


fonte: Estadão Conteudo


Comentários para "Como a arte do mangá marcou os japoneses":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Últimas Notícias
Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Toffoli chama de 'suicidas' empresários que teriam defendido golpe no WhatsApp

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Desigualdade emperrou chegada da vacina contra a Covid-19 em regiões mais pobres do Brasil

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

Número de candidaturas no DF é menor que em 2018

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

“Trabalho para o ACNUR porque acredito no que estou dizendo”

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

Vale prevê mais 13 anos para eliminar barragens como Brumadinho

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

STF veta lei mais branda a condenados, mas admite em processos não julgados

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Canadian planeja fábrica de US$ 9 bilhões na China para fabricação de polissilício

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Cochilos diurnos frequentes aumentariam risco de hipertensão e AVC

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Atenção! A Varíola do Macaco é completamente diferente da Covid-19

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Campanha Agosto Lilás e os 16 anos da Lei Maria da Penha

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Vocês não estão sós: Vitória brasileira no Festival de Locarno tem recado para artistas do país

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Debate insosso: Correio Braziliense e TV Brasília se esforçaram, mas o elenco não ajudou

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

Justiça Federal cancela liminar e maior porta-aviões do Brasil não poderá voltar ao país

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

RD Congo: Uso de fake news está causando mortes, diz comandante da Missão

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Internacionalização do PCC: Como enfrentar o avanço do 'profissionalismo de gestão' da facção?

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Datafolha: Lula tem 51% dos votos válidos contra 35% de Bolsonaro

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

Adeus aos sacoleiros: O Brasil virou o Paraguai dos paraguaios?

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

“Vandalismo”: Senado aprova projeto que altera área da Floresta Nacional de Brasília

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Para evitar rejeição, candidatos omitem partido na propaganda

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Recenseadores do IBGE denunciam ameaças e violência em entrevistas do Censo 2022

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro

Vereador Gabriel Monteiro é cassado pela Câmara do Rio por quebra de decoro