×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de outubro de 2021

Crianças desprotegidas contra a meningite no Brasil

Crianças desprotegidas contra a meningite no BrasilFoto: Pixabay

Dos 15,7 mil casos da doença registrados em 2018, 3 mil resultaram em mortes. Apesar de as doses de vacina estarem disponíveis no sistema público de saúde, cerca de 20% dos menores não completam a imunização. Entre os adolescentes, o índice é de 40%.

Por Gabriela Tunes*-correio Braziliense - 10/06/2019 - 08:35:17

No Brasil, 20% das crianças vacinadas contra a meningite não recebem a aplicação da dose de reforço e, no ano passado, 5% abandonaram a vacinação. Entre adolescentes, o índice de imunização incompleta é de 40%. Em 2018, o Ministério da Saúde contabilizou mais de 3 mil mortes causadas pela doença, de um total de 15.706 casos no ano. Meningite é o nome dado à inflamação das membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal. No país, a doença é considerada rara, mas as causas por bactérias preocupam por serem severas e imprevisíveis.

A inflamação é causada pela manifestação de diversos agentes, como bactérias e vírus. A forma bacteriana, menos comum, é mais preocupante devido a sua gravidade. “O contágio por bactérias é temido pela imprevisibilidade e pelo impacto que traz à população”, diz Marco Aurélio Sáfadi, membro da comissão técnica para revisão dos calendários vacinais da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBIm). Segundo o Sistema de Informação de Agravo de notificação (Sinan), dos 15,7 mil casos da doença em 2018, 4.664 foram bacterianas.



Mais de 90% dos casos de meningite bacteriana são causados pelo meningococo. “Um a cada cinco indivíduos com doença meningocócica morre, mesmo com o paciente tratado em tempo oportuno”, explica. Segundo o médico, entre os 80% que sobrevivem, 20% ficam com sequelas, como a amputação de um membro, surdez, cegueira ou outras complicações neurológicas.


Qualquer um pode contrair a doença. Em 95% dos casos, o contágio é feito por vias respiratórias. Os sintomas são febre, vômitos, dor de cabeça e rigidez na nuca. O diagnóstico é feito por meio do líquido da medula espinhal, porém, de acordo com Sáfadi, nem sempre a coleta indica a presença da bactéria. “Às vezes, o meningococo pode ser tão agressivo, que provoca quadro sistêmico rapidamente, a ponto de não dar tempo de o líquido aparecer com alteração”, explica.


Segundo Sáfadi, por ser uma doença rara, a meningite meningocócica possui estado de colonização frequente. Cerca de 10% dos adolescentes carregam o meningococo na garganta. “Essas pessoas podem transmitir a bactéria para outras sãs e vulneráveis à doença. Por isso, é importante que haja prevenção em indivíduos saudáveis para proteger todos os que estão em volta”, orienta.


Combate
A vacina de combate ao agente é a meningocócica conjugada C, B e a ACWY. A meningocócica C faz parte do calendário nacional de vacinação do Programa Nacional de Imunizações (PNI) desde 2010. A primeira dose é recomendada entre dois e três meses de idade e pode ser encontrada no Sistema Único de Saúde (SUS). Como a bactéria se apresenta em 10% de adolescentes, o PNI recomenda uma dose de reforço nesse público entre 11 e 14 anos.


Antes do início da aplicação gratuita da vacina para crianças menores de cinco anos, a meningite meningocócica respondia por mais de 80% dos casos no Brasil. Segundo a SBIm, com a aplicação gratuita da meningocócica C, houve queda de 70% em crianças menores de dois anos e passou a representar 59% do total. Por isso, o Ministério da Saúde decidiu estender a dose da vacina ao grupo propício à bactéria, os adolescentes.


Para Carla Domingues, coordenadora do PNI, a dose extra é uma forma de controlar a doença. “A vacinação do adulto e do adolescente é complementar para erradicação”, afirma. O ideal é vacinar no primeiro momento de vida, pois o bebê ainda não teve contato com o agente, mas o reforço é necessário. “Não adianta só começar. Só vamos ter vacinação adequada se tivermos o esquema completo”, destaca.

Hoje, essa faixa etária é foco do Ministério da Saúde e, mesmo assim, 40% dos jovens não recebem a vacina. Isabella Ballalai, vice-presidente da SBIm, revela que, em 2018, a quantidade de vacina distribuída foi maior do que a aplicada. “Não adianta o governo disponibilizar e a população não se vacinar”, diz.

Vacina ACWY chega ao SUS

A Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) informou que o Ministério da Saúde decidiu incluir a vacina Meningo ACWY no Sistema Único de Saúde (SUS). A decisão foi tomada após um aumento de casos da meningite tipo W no país, principalmente em Santa Catarina, onde o agente é responsável por 43% dos casos da doença da região. A proposta inicial é começar a aplicação em adolescentes, que são mais propícios à transmissão e, gradualmente, aumentar a oferta a outros grupos. De acordo com a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI), Carla Domingues, o trâmite legal já está definido, falta apenas o Ministério da Saúde receber as propostas de laboratórios interessados em vender a vacina.*Estagiária sob supervisão de Simone Kafruni

Comentários para "Crianças desprotegidas contra a meningite no Brasil":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Câmara Legislativa terá ciclo de exposições de trabalhos artísticos de pessoas com deficiência

Câmara Legislativa terá ciclo de exposições de trabalhos artísticos de pessoas com deficiência

A Câmara Legislativa já abrigou diversas exposições organizadas em parceria com seu Conselho Curador de Cultura

Cientistas e políticos reagem a mentira dita por Bolsonaro sobre vacinas e aids

Cientistas e políticos reagem a mentira dita por Bolsonaro sobre vacinas e aids

Manuela D'Ávila (PCdoB), que concorreu à vice-presidência da República em 2018, disse que o presidente "segue com seu projeto de morte" ao espalhar a fake news em sua Live.

Brasileira Paloma Costa promove ação pelo clima

Brasileira Paloma Costa promove ação pelo clima

Paloma Costa na Greve Mundial pelo Clima, em 2020

Estudantes cobram da Capes pagamento de bolsas

Estudantes cobram da Capes pagamento de bolsas

UNE protocolou um ofício cobrando uma urgente reunião com a presidência da CAPES

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

Com autorização da Aneel, conta de luz no DF terá reajuste de 11,6%

A tarifa residencial no DF, que ocupava o 51º lugar do ranking nacional sendo uma das mais baixas do país, passa a ocupar a 36º posição.

Biotic sedia lançamento do programa ‘Centelha’ no DF

Biotic sedia lançamento do programa ‘Centelha’ no DF

Presente à cerimônia de lançamento, o vice-governador Paco Britto assegurou que o Centelha será um programa-modelo no DF

Sindicato dos Professores do DF critica possibilidade de retorno 100% presencial das aulas

Sindicato dos Professores do DF critica possibilidade de retorno 100% presencial das aulas

Sindicato aponta que 136 escolas públicas no DF registraram casos de contaminação por covid-19. Fotos: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

Desembargadores negam pedido para instalar CPI da Pandemia no DF

Desembargadores negam pedido para instalar CPI da Pandemia no DF

Deputados distritais fazem manifestação pela instalação da CPI da Pandemia no DF

Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Movimentos se reúnem em ato para defender permanência do projeto Jovem de Expressão

Em defesa do espaço cultural, foi aprovada uma vigília cultural de 24 horas para a próxima sexta-feira (22)

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

Oficinas para revisão do PDOT têm participação popular limitada

São Sebastião e Sobradinho debatem neste sábado o Plano de Ordenamento Territorial

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Lei que prevê a distribuição de absorventes higiênicos no DF está só no papel

Dignidade menstrual é permitir que as meninas mais pobres também possam ter o mesmo acesso ao absorvente higiênico que as meninas da classe média e alta