×
ContextoExato

Demanda mundial por areia gera crises ambientais e corrupção

Demanda mundial por areia gera crises ambientais e corrupçãoFoto: Portal DW de Noticias

Areia desértica: abundante, porém sem valor para setor de construção

Autoria Ajit Niranjan - Portal Dw De Noticias - 21/05/2021 - 10:03:44

Do concreto de construção aos celulares, ela é uma matéria-prima onipresente, porém facilmente esquecida, cuja obtenção envolve máfias e até mortes. E o pior: aos poucos a areia vai se transformando em artigo escasso.

Areia é um elemento indispensável na vida moderna, compondo o concreto das casas, o asfalto das estradas, o vidro das janelas e os chips de silício dos telefones celulares. Contudo, além de ser a origem de um ramo comercial destrutivo e por vezes ilegal, ela está cada vez mais escassa, e ninguém sabe dizer quando acabará de vez.

Apesar de ser o material mais empregado do mundo, a areia também é um dos menos monitorados: ao contrário de outros produtos, as instâncias reguladoras só têm uma vaga noção de quanto dela se utiliza por ano. Um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) de 2019 teve que se basear nos dados sobre o cimento, que é misturado com areia e cascalho para fazer concreto, para chegar a uma estimativa de 50 bilhões de toneladas.

Pesquisadores ressalvam que isso é mais areia do que se pode usar responsavelmente a cada ano – embora ela também possa ser fabricada através da trituração de rochas. Em algumas regiões, a carência já motivou matanças direcionadas e a destruição de habitats.

"A natureza da crise é que não entendemos suficientemente esse material", observa a coautora do relatório Louise Gallagher, do Observatório Global da Areia, em Genebra. "Não entendemos bem os impactos nos locais de onde o retiramos. Às vezes, nem sabemos de onde vem, como é extraído dos rios. Simplesmente não sabemos."

Danos para humanos e meio ambiente

O que está claro para os especialistas, contudo, é que extrair areia em quantidades sem precedentes envolve alto custo para os seres humanos e o planeta: a mineração destrói habitats, polui rios e erode praias, muitas das quais já vêm perdendo terreno por causa da elevação do nível do mar.

Quando os mineradores escavam camadas de areia, as margens dos rios se tornam menos estáveis. Poluição e acidez matam os peixes e reduzem a quantidade de água disponível para a população e as plantações. E o problema piora quando represas rio acima impedem os sedimentos de voltarem a encher o leito dos rios.

"Há tantos aspectos que não são levados em consideração", comenta a pesquisadora independente Kiran Pereira, autora de um livro propondo soluções para a crise dessa matéria-prima. "Isso definitivamente não é refletido no custo da areia."

O pior é que grande parte do impacto sequer é imediatamente visível, o que dificulta saber sua extensão, ressalva Stephen Edwards, que pesquisa sobre setores extrativistas na União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês). "Certamente está chegando a um nível em que precisamos prestar mais atenção ao assunto."

Um artigo publicado pela revista Nature em 2019 relatava que a mineração de areia contribuíra para levar há beira da extinção os gaviais do rio Ganges, só restando 250 adultos dessa espécie de crocodilo em estado natural. Além disso, a atividade desestabilizou as margens do Mekong, no Sudeste Asiático, cujo eventual desmoronamento pode deixar desabrigados 500 mil indivíduos.

Um dos motivos por que os danos da mineração têm sido ignorados é que, embora componha todo tipo de objetos do dia a dia, a areia fica "oculta em plena vista", aponta o coautor do estudo Chris Hackney, geógrafo da Universidade de Newcastle, Inglaterra. "Pergunte às pessoas qual é a matéria-prima mais importante do planeta, e a areia dificilmente será mencionada."

Vista aérea das Palm Islands de Dubai

Areia para construção das Palm Islands de Dubai teve que ser retirada do fundo do Golfo Pérsico

Por que não explorar os desertos?

Falar de escassez de areia parece um contrassenso. Embora um terço da superfície da Terra seja classificada como deserto, em grande parte arenoso, países do Oriente Médio, como a Arábia Saudita, importam o produto de lugares como Canadá ou Austrália. O arranha-céu Burj Khalifa, de 830 metros de altura, foi construído nos Emirados Árabes Unidos usando areia do outro lado do mundo.

Isso se deve ao pouco valor que a areia do deserto tem para o setor de construções: quando o vento sopra nas dunas, ele torna esféricas as partículas de areia, que assim oferecem menos fricção necessária a um concreto forte, do que os arestosos grãos nos leitos fluviais, praias e no fundo do mar.

"Quando cresci em Bangalore, eu lia constantemente relatos sobre rios sendo dizimados pela mineração de areia", conta Pereira. Entre suas primeiras lembranças está levantar-se às 2 horas da madrugada para pegar água numa torneira pública muito disputada. "Ao mesmo tempo, lembro de ver centenas e centenas de caminhões cheios de areia subindo e descendo a estrada para suprir todos os canteiros de obras."

A maior demanda é da China, que entre 2011 e 2014 produziu mais cimento do que os Estados Unidos em todo o século 20. Calcula-se que, até 2027, a segunda maior produtora do mundo, a Índia, superará a China como país mais populoso.

Com o mundo a caminho dos 10 bilhões de habitantes até meados do século e com a migração em massa para as cidades na Ásia e África, estima-se que a demanda de areia continue crescendo.

Não se trata apenas de concreto: em 2011, foram dragados 20 milhões de metros cúbicos de areia do solo marinho do litoral da Holanda para formar uma barreira de proteção contra a erosão e a mudança climática. Nos últimos 50 anos, Cingapura construiu ilhas artificiais, aumentando em um quarto sua área, com areia importada do Cambodja, Vietnã, Indonésia e Malásia. Nos Emirados Árabes Unidos, as Palm Islands artificiais de Dubai, visíveis do espaço, foram feitas com areia retirada do fundo do Golfo Pérsico.

Fonte de criminalidade

E há também o custo humano: com os preços da areia em ascensão, a polícia de países desde a África do Sul até o México têm registrado numerosas mortes pelas mãos dos mineradores. Mas em nenhum lugar a violência é tão grande como na Índia, onde se localizam as mais mortais "máfias da areia".

Quadrilhas criminosas têm queimado jornalistas vivos, desmembrado ativistas e atropelado policiais com caminhões. Um relatório de 2020 do grupo ambientalista Asia Network on Dams, Rivers and People, sediado em Nova Délhi, contou 193 vítimas da mineração ilegal de areia na Índia em dois anos.

As principais causas foram más condições de trabalho, violência e acidentes. Não só os mineradores têm que mergulhar até o fundo dos rios centenas de vezes ao dia, sem vestes protetoras, como há registros de trabalho infantil da Índia a Uganda, e raras vezes o setor foi responsabilizado.

No fim de fevereiro, um tribunal especial de Nova Délhi condenou à prisão por suborno o chefe da gigante indiana da areia de praia V.V. Minerals e o ex-diretor do Ministério do Meio Ambiente.

O magnata da areia, que há décadas vinha escapando de acusações de mineração ilegal, foi apanhado pagando as taxas de universidade do filho do funcionário, em troca de uma licença ambiental ilícita. Um veículo de imprensa local comparou o caso ao do notório mafioso americano Al Capone, finalmente condenado por infrações tributárias.

Barcos no rio Mekong, no Vietnã

Rio Mekong, Vietnã: desmoronamento de margens pode deixar meio milhão de desabrigados

Soluções políticas e tecnológicas

Para resolver a crise da areia, os líderes mundiais precisam regulamentar melhor o setor e aplicar leis anticorrupção, assim como monitorar a produção global da matéria-prima. Seria ainda necessário reduzir a demanda, encontrando alternativas para o concreto e construindo de forma mais eficaz com materiais como madeira.

Os entulhos de prédios demolidos poderiam ser reutilizados como agregado para estradas, por exemplo. Pesquisadores investigam, ainda, maneiras de viabilizar a abundante areia desértica para a construção, aquecendo-a e triturando os grãos. O atual desafio é diminuir os custos do processamento.

"Nossa capacidade de construir não depende de nossa necessidade de areia", afirma a pesquisadora Kiran Pereira. "Podemos desassociar as duas coisas, e mesmo assim construir e permitir prosperidade humana, sem destruir nosso ecossistema."

  • Corais da Amazônia (Greenpeace)

    DESVENDANDO OS RECIFES DA AMAZÔNIA

    Um recife improvável

    Uma missão científica percorre a costa norte do Brasil até a Guiana Francesa. Cientistas brasileiros da UFPA, UFRJ, USP e UENF pesquisam os corais da Amazônia, praticamente desconhecidos da ciência. Eles formam o maior recife do Brasil, são encontrados de 70 metros a 220 metros de profundidade e têm potencial de abrigar novas espécies.

LEIA MAIS

Por que o plástico está se tornando escasso?

Utilizado sobretudo na embalagem de alimentos, material sofre escassez por conta de problemas na cadeia de abastecimento global. Pandemia é apontada como principal fator.

A fome global por areia

Mais cidades, mais casas, mais estradas: para todos esses projetos, precisa-se de areia de construção. Especialista em geologia econômica explica onde encontrá-la e qual sua importância para economia.

Comentários para "Demanda mundial por areia gera crises ambientais e corrupção":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório