×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de janeiro de 2022

Demissão de Mandetta e crítica a Maia degradam o que havia de apoio do DEM a Bolsonaro, diz ACM Neto

Demissão de Mandetta e crítica a Maia degradam o que havia de apoio do DEM a Bolsonaro, diz ACM NetoFoto: Bahia Notícias

Presidente do partido, o prefeito de Salvador afirma que presidente tenta 'desviar o foco' da condução do governo no combate à pandemia

Estadão Conteúdo - 17/04/2020 - 13:24:15

O presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto , disse que a forma como foi feita a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde , após semanas de "fritura" pública, e as críticas do presidente Jair Bolsonaro à atuação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) , "acabaram por degradar o apoio que ele ainda podia ter dentro do partido".

Para ACM Neto, as críticas de Bolsonaro ao presidente da Câmara "têm caráter de desviar o foco, no dia de hoje, da demissão do Mandetta, e, no geral, da condução do governo federal de medidas de combate ao coronavírus".

Após a demissão de Mandetta, Bolsonaro disse em entrevista à CNN que a atuação de Maia na presidência da Câmara é “péssima” e insinuou que o parlamentar trama contra o seu governo. "O sentimento que eu tenho é que ele não quer amenizar os problemas. Ele quer atacar o governo federal, enfiar a faca. Parece que a intenção é me tirar do governo", disse Bolsonaro.

A declaração foi feita horas depois de Maia e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, criticarem a troca do ministro da Saúde - os três são filiados ao DEM. Em resposta, Maia disse que Bolsonaro não iria ouvir ataques dele. "Ele joga pedras e o Parlamento vai jogar flores."

A demissão do ministro e o ataque a Maia acontecem em um momento de afastamento de Bolsonaro com a ala do DEM aliada ao governo.

ACM Neto observou nessa quinta-feira que, apesar de participar do governo federal, o DEM "sempre teve independência" em relação a Bolsonaro, e que Mandetta, bem como os demais ministros filiados à legenda, foram indicações do presidente, e não do partido. "O DEM não indicou os ministros. Foram nomeações do presidente e, se ele nomeou, tem a prerrogativa de tirar", disse.

O prefeito ponderou, no entanto, que a legenda não pretende discutir internamente, neste momento, a relação com o governo. "Por ora não. Estamos focados no combate à pandemia", disse.

Sobre a demissão de Mandetta, o presidente do DEM disse que "não há dúvida de que, na bola dividida entre o presidente e o ministro, o partido fica ao lado da saúde e da ciência". Prefeito de Salvador, ACM Neto tem defendido medidas de isolamento social como principal medida de combate ao coronavírus.

DEM no governo

O DEM iniciou a gestão Bolsonaro como um dos mais agraciados com espaços na Esplanada dos Ministérios. Além de Onyx Lorenzoni (RS), chamado pelo presidente a ocupar um dos mais importantes postos no governo, o de chefe da Casa Civil, o partido também iniciou 2019 comandando o poderoso Ministério da Saúde, com Mandetta, e o da Agricultura, ainda chefiado pela ministra Tereza Cristina (RS).

Ainda assim, o apoio ao governo Bolsonaro nunca foi unanimidade no partido.

Ao demitir Mandetta, Bolsonaro não só reduz de três para dois os ministérios ocupados pelo DEM, mas também retira do posto o indicado do governador de Goiás, Ronaldo Caiado , um dos principais fiadores da aproximação do partido com o governo.

Caiado declarou no final de março seu rompimento com o presidente, após ele insistir em sair às ruas e provocar aglomerações. Médico, o governador é a favor do isolamento social como principal medida de contenção do contágio pelo coronavírus.

Na semana passada, num ensaio de reaproximação, Bolsonaro e Caiado visitaram as obras de um hospital de campanha juntos (numa agenda em que também estava Mandetta) em Goiás. Após a visita, no entanto, o presidente voltou a causar aglomeração ao cumprimentar apoiadores – Caiado e Mandetta não participaram desta parte da agenda .

Outro fiador da participação do DEM no governo federal, Onyx Lorenzoni foi "rebaixado" em fevereiro da Casa Civil para uma pasta "periférica", o da Cidadania.

Comentários para "Demissão de Mandetta e crítica a Maia degradam o que havia de apoio do DEM a Bolsonaro, diz ACM Neto":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Chacina de Unaí completa 18 anos, e mandantes do crime ainda estão soltos

Chacina de Unaí completa 18 anos, e mandantes do crime ainda estão soltos

As operações do último ano flagraram situações de trabalho análogo ao escravo em 23 dos 27 estados. Minas Gerais, mais uma vez, foi o estado com mais ações fiscais

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

A ANM fica proibida de liberar novas autorizações de pesquisa mineral, permissão de lavra garimpeira e concessão de lavra mineral na região, no perímetro que abrange as terras indígenas Parakanã, Trocará e suas adjacências.

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Voo com brasileiros deportados dos EUA chega a Belo Horizonte

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Se privatizar a Eletrobras haverá aumento da conta de luz e precarização dos serviços, diz integrante de Coletivo

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Armas e plantas de maconha que teriam sido apreendidas pela Polícia Militar no local da chacina

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Possível federalização do caso anularia setenças da Justiça estadual

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

De outubro de 2020 a setembro de 2021 foram registrados 375 assassinatos no mundo, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior

Intolerância religiosa:

Intolerância religiosa: "Brasil vive negação de direitos", afirma especialista

Violência aumentou nos últimos anos e políticas de combate foram enfraquecidas

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019