×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Desastres ligados ao clima geraram mais de US$ 3,64 trilhões em perdas

Desastres ligados ao clima geraram mais de US$ 3,64 trilhões em perdasFoto: OMM/Daniel Pavlinovic

Desastres hídricos ou relacionados ao tempo e ao clima ocorreram praticamente todos os dias, nos últimos 50 anos, matando em média 115 pessoas diariamente

Agencia Onu News De Noticias - 01/09/2021 - 11:30:37

Organização Meteorológica Mundial lança atlas sobre eventos entre 1970 e 2019; seca de 1981, em Moçambique, está entre os 10 desastres naturais mais fatais, com 100 mil mortes; três furacões ocorridos nos EUA em 2017 entre os acidentes naturais de maior prejuízo nos últimos 50 anos.

Desastres hídricos ou relacionados ao tempo e ao clima ocorreram praticamente todos os dias, nos últimos 50 anos, matando em média 115 pessoas diariamente. A informação está em um atlas lançado pela Organização Meteorológica Mundial, OMM, nesta quarta-feira, englobando o período de 1970 a 2019.

Com a mudança climática, o número de desastres aumentou nas últimas décadas, mas o total de mortes diminuiu, graças a melhorias nos sistemas de alerta e de gestão dos riscos de desastres.

As enchentes estão aumentando no mundo todo por conta da mudança climática

ONU Mulheres/Mohammad Rakibul Hasan

As enchentes estão aumentando no mundo todo por conta da mudança climática

Prejuízos

O Atlas da Mortalidade e das Perdas Econômicas por Extremos Climáticos, Hídricos e do Tempo registra mais de 11 mil desastres do tipo pelo mundo, que causaram mais de 2 milhões de mortes e geraram perdas de US$ 3,64 trilhões.

Segundo a OMM, o documento é o mais abrangente já feito. 91% das mortes por eventos climáticos entre 1970 e 2019 ocorreram em países em desenvolvimento.

Seca ocorrida em 1981 em Moçambique foi o sétimo desastre natural mais fatal do mundo com 100 mil mortes

Unicef/Mukwazhi

Seca ocorrida em 1981 em Moçambique foi o sétimo desastre natural mais fatal do mundo com 100 mil mortes

Seca em Moçambique

A seca ocorrida em 1981 em Moçambique foi o sétimo desastre natural mais fatal do mundo com 100 mil mortes. Em primeiro lugar, está uma outra seca, ocorrida em 1983, na Etiópia, que causou a morte de 300 mil pessoas.

Temperaturas extremas na Rússia, em 2010, também estão entre os eventos mais fatais, quando mais de 55 mil pessoas morreram. No geral, as secas (650 mil mortes), as tempestades (577 mil óbitos), as enchentes (58,7 mil mortes) e as temperaturas extremas (55,7 mil mortes) estão entre os desastres mais fatais.

Temperaturas extremas na Rússia, em 2010, também estão entre os eventos mais fatais, quando mais de 55 mil pessoas morreram

ONU News/Anton Uspensky

Temperaturas extremas na Rússia, em 2010, também estão entre os eventos mais fatais, quando mais de 55 mil pessoas morreram

Furacões nos Estados Unidos

Em relação às perdas econômicas, as tempestades geraram prejuízos de US$ 521 bilhões e as enchentes, de US$ 115 bilhões. No topo da lista, estão seis furacões ocorridos nos Estados Unidos, incluindo Katrina (em 2005, com prejuízo de US$ 163 bilhões), Harvey, Maria e Irma, em 2017. Juntos causaram 35% das perdas econômicas entre os 10 piores desastres naturais do mundo.

O secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, prevê que os eventos extremos do clima serão cada vez mais frequentes em várias partes do mundo. Com isso, haverá mais ondas de calor, secas e incêndios florestais.

Furacão Dorian visto da Estação Espacial Internacional, em 2 de setembro de 2019

NASA

Furacão Dorian visto da Estação Espacial Internacional, em 2 de setembro de 2019

Recomendações

Segundo a Organização Meteorológica Mundial, apenas metade dos 193 países-membros têm sistemas de alerta precoce sobre eventos climáticos. A OMM confirma que muitas vidas têm sido salvas assim, mas pede mais cooperação internacional para “combater o problema do grande número de pessoas que ficam desalojadas, todos os anos, devido a enchentes, tempestades e secas”.

A OMM também quer mais investimentos em programas de gestão de risco de desastres e faz ainda uma série de recomendações. Uma delas é reforçar os sistemas de financiamento de riscos, especialmente para os países menos desenvolvidos e as pequenas ilhas em desenvolvimento. Outra indicação é para a criação de políticas integradas para desastres que ocorrem de forma lenta, como as secas.

As nações do leste e do sul da África enfrentaram um aumento nas enchentes, secas e outros eventos relacionados ao clima nos últimos anos.

Pnud/Arjen van de Merwe

As nações do leste e do sul da África enfrentaram um aumento nas enchentes, secas e outros eventos relacionados ao clima nos últimos anos.

Situação na África e Europa

O atlas da OMM também traz informações sobre os continentes. A África teve mais de 1,6 mil desastres naturais entre 1970 e 2019, ou 15% do total mundial.

As enchentes estão no topo da lista, mas foram as secas que causaram 95% das mortes no continente. Na América do Sul, as cheias representaram 59% dos desastres naturais, causando a maior parte das mortes e dos prejuízos financeiros na região. Já na América do Norte, os furacões estão no topo da lista.

A Europa enfrentou principalmente enchentes e tempestades, mas foram os eventos extremos do clima que causaram mais mortes: 93%, com mais de 148 mil vidas perdidas nos 50 anos.

Comentários para "Desastres ligados ao clima geraram mais de US$ 3,64 trilhões em perdas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Poluição por plásticos deve duplicar até 2030

Lixo marinho, incluindo plástico, papel e madeira, acaba indo para as profundezas dos oceanos.

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Semanas de Inovação Suécia-Brasil discutirão ações para o clima

Evento busca integração de iniciativas sustentáveis entre países

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país

Brasileiros descartam 79 milhões de toneladas de lixo sólido por ano

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Na contramão do Acordo de Paris, países planejam mais que dobrar produção de combustíveis fósseis

Emissões com a queima de carvão contribuem para a poluição em Ulaanbaatar, na Mongólia.

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Estudo liga plano do Brasil para o clima a maior aquecimento

Na véspera da COP-26, na Escócia, que começa no dia 31, há uma expectativa sobre o que o Brasil vai apresentar.

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Chefe do PNUD elogia esforços da China para proteger biodiversidade, depositando grandes esperanças na COP15

Foto tirada em 27 de setembro de 2021 mostra uma vista no parque de Jiuzhaigou, no distrito de Jiuzhaigou, Província de Sichuan, sudoeste da China.

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Comitê dos Direitos da Criança responsabiliza Brasil, Argentina, França, Alemanha e Turquia por falta de ação climática

Ativista Greta em protesto junto da ONU

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

Projeto dos EUA para reduzir impacto do desmatamento pode afetar exportações do Brasil?

A Sputnik Brasil conversou com dois especialistas sobre o impacto que um novo projeto de lei norte-americano sobre desmatamento ilegal no mundo pode ter para as exportações brasileiras

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

Amazonas vira epicentro da exploração madeireira da Amazônia

O desmatamento em junho deste ano, conforme Imazon, apontam para o terceiro maior índice de destruição da vegetação nos últimos 10 anos.

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Ação salva 70 jacarés que disputavam poça no Pantanal

Desde o início da intervenção na Ponte 3 da Rodovia Transpantaneira, caminhões-pipa de 16 mil litros fazem a reposição diária da água do corixo para beneficiar a população que permaneceu. Um trabalho de "enxugar gelo", segundo Martins, da Ecotrópica, porque o volume é consumido diariamente pelo uso e evaporação.

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Paraíba perdeu 0,28 milhões de hectares de Caatinga nos últimos 36 anos

Caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro e está sendo devastado, segundo Mapbiomas.