×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de outubro de 2021

“Devemos deixar para trás o ensino que é igual para todo mundo”

“Devemos deixar para trás o ensino que é igual para todo mundo”Foto:

A conferência de abertura foi com o finlandês Pasi Sahlberg, tendo como mediador o jornalista Antônio Góis, colunista do jornal O Globo.

Maria José Rocha Lima* - 27/09/2021 - 18:36:37

“Ensinando a incerteza” foi o tema central da abertura da 8ª Edição do Webinário Educação 360 Internacional promovido pelos jornais O Globo, Extra e Valor Econômico, reunindo grandes nomes da educação mundial e colocando em debate questões urgentes da educação. O evento aconteceu nos dias 14 e 15 de setembro. Fiquei muito agradecida ao amigo Paulo de Sena Martins, consultor legislativo de Educação, Cultura e Desporto da Câmara dos Deputados, pela recomendação. Ele tem sido um “verdadeiro curador da educação e cultura”, neste momento em que estamos cerceados da presença física no Congresso Nacional. Quero fazer um registro especial dessa conferência, com as ideias e ideais apresentados pelo conferencista, e compartilhar com o maior número possível de educadores as informações e os conhecimentos transmitidos.

A conferência de abertura foi com o finlandês Pasi Sahlberg, tendo como mediador o jornalista Antônio Góis, colunista do jornal O Globo.

O professor Pasi Sahlberg é um dos expoentes nos estudos sobre educação, em âmbito mundial. Ele compreende que “a pandemia foi muito importante para a exposição da crise global da educação: uma crise do desenvolvimento humano”. Nos últimos 18 meses da pandemia da Covid -19, o cotidiano das escolas foi muito diferenciado. O professor finlandês apresentou os cenários da educação antes, durante e depois da pandemia.

Sahlberg compreende que “não devemos confundir a crise educacional com os impactos provocados pela pandemia. A pandemia não foi a principal causa das crianças abandonarem, não aprenderem na escola. Muitos desses problemas já nos acompanhavam e nos desafiavam”. Basta-nos verificar os estudos da UNESCO, OCDE e Banco Mundial.

Há dois anos o relatório anual da UNESCO, de monitoramento da educação, em nível mundial, revelou que 260 milhões de crianças, adolescentes e jovens estavam fora. E outros milhões que estavam dentro da escola pouco aprendiam.

Em 2018, os resultados do PISA, da OCDE, mostraram que adolescentes de 15 anos apresentavam desempenhos distintos, quando comparávamos a origem social. As desigualdades sociais têm forte impacto na aprendizagem de estudantes de classes sociais privilegiadas, em relação aos estudantes das classes populares.

O Banco Mundial corrobora os resultados da UNESCO, OCDE, no seu relatório global, acrescentando estudos que mostram que nos últimos 20 anos a qualidade da educação despencou, a tendência foi um rebaixamento nos níveis de aprendizagem, em nível mundial, contrariamente a uma importante elevação nos gastos com a educação.

A oandemia da Covid -19 é vista “como o maior experimento social do mundo, por ser inédito, ter alcançado bilhões de alunos e centenas de milhões de professores”. E Sahlberg acrescentou: “Tudo aconteceu de forma disruptiva. Aqueles sistemas educacionais que não estavam preparados não passaram nos testes de resiliência, de sustentabilidade e de profissionalismo. A pandemia expôs o quão fortes, equitativos ou não são os sistemas quando atingidos por forças externas. E os sistemas que se saíram melhor foram aqueles que apresentaram: maior profissionalismo, sustentabilidade, flexibilidade e criatividade".

Segundo o educador, as lições deixadas pela pandemia são tão incertas quanto a própria. Mas é preciso repensar o paradigma das certezas. E arrisca algumas lições: pensar os sistemas e escolas como organismos vivos; identificar os sistemas e escolas que melhor lidaram com a crise; adotar modelos mais flexíveis, não padronizados, de lidar com os currículos; uma escola e ensino mais individualizados, colocando o aluno no centro da ação educativa.

Pensar um paradigma que nos faça fortes, sustentáveis e equitativos exigirá que se apliquem os recursos com maiores resultados em ensino aprendizagem; maior profissionalismo dos sistemas e dos educadores, que devem ter maior capacidade de liderança, formação robusta dos professores, inclusive com novo papel, que é lidar com a saúde mental dos seus alunos e melhor se articular com os pais.

Pasi Sahlberg concluiu: “Embora não saibamos sobre o que será o Paradigma Emergente, no Paradigma da Incerteza a Confiança no Professor é como uma chave para a garantia da qualidade e para implantação de Um Novo Paradigma para a Educação”.

A confiança no professor é a base em cima da qual se pode lidar com a incerteza!


*Maria José Rocha Lima é mestre e doutoranda em educação. Foi deputada de 1991 a 1999. Presidente da Casa da Educação Anísio Teixeira. Psicanalista e dirigente da ABEPP- Associação Brasileira de Estudos e Pesquisas em Psicanálise-ABEPP. Membro da Organização Internacional Clube Soroptimista Internacional Brasilia Sudoeste

Comentários para "“Devemos deixar para trás o ensino que é igual para todo mundo”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Soroptmistas esperam atender 500 mil mulheres em programas educacionais

Soroptmistas esperam atender 500 mil mulheres em programas educacionais

O evento, reunindo beleza, requinte e elegância, presenteou os participantes com uma palestra motivacional da comunicadora social Mônica Nóbrega.

Obrigada, Professora Maria José Monsanto da Fonseca e Souza

Obrigada, Professora Maria José Monsanto da Fonseca e Souza

“Não se pode falar de educação sem amor”

Dez mulheres e duas amigas entre os 12 cientistas mais influentes da América Latina

Dez mulheres e duas amigas entre os 12 cientistas mais influentes da América Latina

Por isto, estou celebrando duas vezes por serem dez mulheres liderando numericamente o ranking do ICS –UFBA dos doze cientistas mais influentes na América Latina e porque entre elas duas são amigas muito queridas

Sem Educação, a Democracia é uma palavra vã

Sem Educação, a Democracia é uma palavra vã

Os cientistas de várias partes do mundo são unânimes na afirmação de que o destino de uma criança, de uma nação e da Democracia depende da educação desde a mais tenra idade.

A solidão do século XXI

A solidão do século XXI

(Re) conecte-se

Somos Soroptimistas, simples assim - Melhor para as mulheres

Somos Soroptimistas, simples assim - Melhor para as mulheres

Somos Soroptimistas

A vida é governada pelas incertezas

A vida é governada pelas incertezas

Para Marastoni, “a vida nos impõe muitas incertezas, algumas coisas podem ser tomadas como certas, mas o que governa a vida, verdadeiramente, são as incertezas

A falta de cobertura de água e esgoto no Brasil acirra pandemias [1]

A falta de cobertura de água e esgoto no Brasil acirra pandemias [1]

O estudo foi baseado na situação das 100 maiores cidades do Brasil, com dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) de 2019.

Alguma coisa está fora da ordem: O bandido vira  mocinho e o mocinho vira bandido

Alguma coisa está fora da ordem: O bandido vira mocinho e o mocinho vira bandido

Isso é mais do que uma distorção da verdade; é uma inversão dela.

O Enem e a pandemia: Um fracasso anunciado

O Enem e a pandemia: Um fracasso anunciado

A não isenção da taxa de inscrição para os que faltaram em 2020 foi o tiro de misericórdia desferido pelo MEC contra os alunos mais vulneráveis!

O piso salarial do professor nasceu na Bahia

O piso salarial do professor nasceu na Bahia

A luta do Piso Salarial Nacional do Magistério teve inicio na época em que Maria José Rocha Lima era Presidente da Associação dos Professores Licenciados da Bahia