×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de junho de 2022

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp

“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o MaspFoto: No Masp desde 2019, seria a primeira vez de Sandra Benites como curadora de uma exposição - Divulgação/Facebook/Masp

Sandra Benites pediu demissão do museu depois que seis fotos sobre o MST e a luta indígenas foram vetadas de uma mostra

Caroline Oliveira - Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 21/05/2022 - 10:44:20

Sandra Benites, a primeira curadora indígena a trabalhar em um museu brasileiro, deixou seu cargo de curadora adjunta do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), nesta semana, depois que seis fotos não foram incluídas na exposição Retomada , parte da mostra Histórias Brasileiras , prevista para ocorrer em julho. A mostra seguirá o calendário normalmente.

Quatro das fotos retratam momentos de luta do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e outras duas da luta indígena, de João Zinclar, André Vilaron e Edgar Kanaykõ, respectivamente.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Benites afirmou que já estava insatisfeita com o cargo que ocupava dentro do museu, desde o final de 2019, sendo chamada apenas para redigir alguns textos. Esta seria a primeira vez de Benites como curadora de uma exposição.

::"É preciso ocupar a política", dizem indígenas na abertura do Acampamento Terra Livre::

Nesse sentido, Benites ressalta que é importante ter não somente obras de artistas indígenas, mas também os próprios indígenas, bem como pessoas de outros setores vulnerabilizados da sociedade, ocupando efetivamente e produzindo dentro de espaços como o Masp.

“O meu corpo é um coletivo, ele não é individual. E mais simbólico ainda, porque eu sou mulher, eu sou mulher indígena, guarani. Isso também requer diálogo, debate, escuta. Várias coisas que implicam no próprio sistema”, diz.

“Ter a obra de arte indígena e não indígena, de vários outros corpos que são excluídos da nossa sociedade de modo geral, é importante, porque é a partir da onde vai trazer o debate sobre a nossa diversidade”, afirma Benites.

::Jaider Esbell: "Arte indígena desperta uma consciência que o Brasil não tem de si mesmo"::

Em outras palavras, reforça Benites, ter as obras “é uma coisa que impacta, mas que [sem esse comprometimento] não se move, não se transforma” no sentido de promover mudanças. “É muito difícil ainda lidar com esse tipo de sistema que deixa a gente engessado”, diz a curadora, que também é antropóloga.

Para ampliar o diálogo e o espaço de transformação, é necessário ter “pessoas que produzem arte lá dentro”. "É importante hoje a gente discutir essa ideia também: não só pegar uma obra de arte, mas pegar essas pessoas que produzem arte, que não é da mesma origem, não é do mesmo pensamento, não é do mesmo corpo.”

Relembre o caso

Segundo Sandra Benites e Clarissa Diniz, curadora convidada para integrar o projeto, o museu alegou que as fotografias não poderiam ser expostas, pois o prazo estipulado para incluir as obras teria sido extrapolado.

As curadoras, entretanto, dizem que não foram avisadas pela instituição sobre a data limite. “O Masp nunca mandou para gente o cronograma. A gente achou que estava tudo bem, porque a gente não tinha cronograma”, disse Benites ao Brasil de Fato.

Em nota, as curadoras também reforçaram a inexistência de um prazo. “Reiteramos: nunca nos foi informado um cronograma de “Histórias Brasileiras” e nunca atrasamos a definição da lista de obras do Retomadas , como alega o MASP, tentando nos imputar uma imagem de incompetência.”

Para elas, a mostra revelou “a urgência de revermos as éticas e políticas coloniais de nossos territórios, línguas, corpos, representações e museus”. Por isso, Benites afirma que o “sistema colonial”, cujos valores ainda seguem presentes nas instituições e normas, é “opressor”.

Com a negativa às seis imagens, as curadoras decidiram, então cancelar a mostra. "Aceitar a exclusão das imagens das retomadas em nome da permanência do núcleo nos levaria a ser desleais com os sujeitos e movimentos envolvidos na nossa curadoria – contradição que não estamos dispostas a negociar por não concordar com tamanha irresponsabilidade", afirmam as curadoras, em nota. “A gente não podia seguir em frente”, disse Benites.

::Veja fotos do acervo do MST que foram vetados em exposição do Masp, e entenda o caso::

O MST também se posicionou sobre o caso. Em nota, o movimento disse que “ao inviabilizar a inserção da totalidade desses documentos”, o Masp coloca em prática “a exclusão de um dos maiores movimentos sociais da história contemporânea brasileira e latino-americana".

Eles ainda afirmam que a decisão “aponta para uma construção de conhecimento histórico distorcido e comprometido com uma cultura deturpadora da real complexidade da história política brasileira”.

Por sua vez, o Masp informou à imprensa que recebeu as obras com cerca de três meses de antecedência, sendo que o prazo padrão do Masp é de quatro a seis meses, portanto, depois do prazo que teria sido estipulado.

"No entanto, o museu conseguiu atender sim um dos pedidos das curadoras, de maneira excepcional, para incluir as obras pertencentes ao acervo do Movimento Sem Terra, um total de sete cartazes e documentos. O que não foi possível incluir foram seis fotografias de três fotógrafos. Embora esse material representasse o eixo central do núcleo, foi entregue ao museu fora do prazo", escreveu a instituição em nota.

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Comentários para "“É difícil lidar com um sistema que engessa a gente”, diz curadora indígena que deixou o Masp":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Brasil tem 3 entregas voluntárias de crianças para adoção a cada dia

Brasil tem 3 entregas voluntárias de crianças para adoção a cada dia

Dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostram que de 2020 a maio deste ano foram registradas 2.734 entregas desse tipo

Brasil perde duas crianças menores de 5 anos por dia devido à Covid-19

Brasil perde duas crianças menores de 5 anos por dia devido à Covid-19

Em 2022, até o dia 11 de junho, houve 291 mortes na mesma faixa, com uma média diária de 1,8 falecimentos.

Brasil tem pelo menos sete estupros por hora; vítimas de até 14 anos são maioria

Brasil tem pelo menos sete estupros por hora; vítimas de até 14 anos são maioria

Segundo Juliana, estudos da área apontam que a violência sexual é o tipo de violência mais subnotificada no mundo.

PJs de micro e pequenas empresas batem recorde de abertura

PJs de micro e pequenas empresas batem recorde de abertura

Pandemia também impactou na abertura e fechamento de CNPJs

Conselho federal investiga enfermeira que ameaçou vazar dados de vítima de estupro

Conselho federal investiga enfermeira que ameaçou vazar dados de vítima de estupro

Ação veio depois de denúncia pública feita pela vítima, que engravidou após abuso sexual e encaminhou bebê para adoção

ANS suspende temporariamente comercialização de 70 planos de saúde

ANS suspende temporariamente comercialização de 70 planos de saúde

Segundo a ANS, os usuários atuais dos planos suspensos não serão prejudicados e poderão usufruir do serviço normalmente.

Profissionais mais velhos relatam preconceito de empresas

Profissionais mais velhos relatam preconceito de empresas

Moraes conta que tem participado de concursos públicos e tido boas colocações

'Racismo é traço marcante da sociedade brasileira', diz Lauretino Gomes

'Racismo é traço marcante da sociedade brasileira', diz Lauretino Gomes

E, ao contrário de outros países cuja segregação era determinada por lei, no Brasil é tão estruturado que dispensa qualquer apoio legal

IBGE: Desembargador derruba liminar sobre inclusão de questão LGBT+ no Censo

IBGE: Desembargador derruba liminar sobre inclusão de questão LGBT+ no Censo

No último dia 9, o instituto informou em comunicado ter acionado a Advocacia Geral da União (AGU) para recorrer da decisão liminar

Em seis meses, Brasil já registra 130% mais mortes por dengue

Em seis meses, Brasil já registra 130% mais mortes por dengue

A incidência é de 550 casos por 100 mil habitantes. A doença é transmitida pela picada do Aedes aegypti.

Empresas reduzem embalagens e qualidade para repassar custos

Empresas reduzem embalagens e qualidade para repassar custos

A alta da inflação no Brasil nos últimos dois anos têm levado a cada vez mais empresas, de diversos setores, a adotar esse tipo de prática.