×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 08 de dezembro de 2021

Em exposição sobre Auschwitz e o Holocausto, Guterres lembra que “ódio mata”

Em exposição sobre Auschwitz e o Holocausto, Guterres lembra que “ódio mata”Foto: ONU/Rick Bajornas

Secretário-geral discursa na Sinagoga Park East, em Nova Iorque.

Onu News - 08/11/2019 - 09:53:50

Secretário-geral da ONU participou de evento para marcar os 81 anos da “Noite dos Cristais” em Museu da Herança Judaica de Nova Iorque; na madrugada de 9 para 10 de novembro de 1938, na Alemanha, sinagogas e lojas de proprietários judeus foram vandalizadas de forma sistemática.

O secretário-geral da ONU visitou esta quinta-feira uma exposição no Museu da Herança Judaica de Nova Iorque para marcar a “Noite dos Cristais”, quando sinagogas e lojas de proprietários judeus foram vandalizadas, sistematicamente, na madrugada de 9 para 10 de novembro de 1938, na Alemanha.


Foto ONU/Rick Bajornas

Num discurso durante a visita, António Guterres disse que “as pessoas não nascem para odiar.” Segundo ele, “a intolerância é ensinada e, por isso, pode ser prevenida e desaprendida.”

Em 2018, cerca de 200 líderes religiosos, diplomatas e outros representantes participaram em evento depois de ataque em sinagoga nos EUA, Foto ONU/Rick Bajornas

Exposição

Com cerca de 700 objetos e 400 fotografias, esta é a maior exposição dedicada ao campo de concentração de Auschwitz e o seu papel no holocausto já realizada na América do Norte.

Guterres disse que a iniciativa “é um apelo para ser testemunha e falar” sobre o tema.

O secretário-geral destacou sua experiencia pessoal, dizendo que “cresceu na Europa depois de o continente ter chegado à depravação.” E sabendo que, séculos antes, o seu país, Portugal, “tinha chegado ao cúmulo da discriminação expulsando os judeus em um ato de crueldade total.”

Como chefe da ONU, ele disse que vê todos os dias “lembranças da persistência do antissemitismo, ressurgimento de símbolos e slogans nazis e a ameaça crescente da supremacia branca e outras formas de intolerância.”

Sobreviventes

O secretário-geral lembrou ainda a história de um membro da sua equipe.

Na “Noite dos Cristais”, o pai desse funcionário da ONU tinha 16 e estava na rua, na cidade de Leipzig, quando começou a violência. Ele conseguiu escapar até casa, mas cinco meses depois teve de fugir com sua família para os Estados Unidos. Dezenas de seus familiares e amigos acabaram morrendo.

Décadas mais tarde, António Guterres disse que o mundo continua vendo sinais desse ódio. Nos últimos meses, o mundo assistiu à vandalização de túmulos judeus, memoriais do holocausto e disseminação de propagando antissemita. No ano passado, durante um ataque na Sinagoga Árvore da Vida, na cidade americana Pittsburgh, morreram 11 pessoas.

Segundo o secretário-geral, tudo isso mostra que “décadas depois do Holocausto, o ódio mais antigo do mundo ainda existe.”

Além disso, “outras formas de intolerância estão causando baixas, com bombardeamentos de igrejas, massacres em mesquitas e ataques a migrantes.” Segundo o chefe da ONU, “ódio mata”.

Fanatismo

António Guterres também falou sobre o impacto das novas tecnologias, dizendo que “o mundo on-line provou ser uma benção para o fanatismo e a misoginia violenta.”

Secretário-geral depoista coroa de flores em Christchurch, na Nova Zelândia, depois de tiroteio em mesquita, ONU/Mark Garten

Ele contou que “terroristas e neonazistas estão aumentando o recrutamento e a radicalização” e que “têm tanta experiência em tecnologia quanto qualquer adolescente moderno.”

Ele também afirmou que “os adolescentes são o principal alvo” destes grupos e, por isso, pais, professores e líderes políticos “devem agir com urgência.”

Nações Unidas

O chefe da ONU recordou os esforços da organização nesta área, como a Estratégia e Plano de Ação sobre Discurso de Ódio e o Plano de Ação das Nações Unidas para Salvaguardar Locais Religiosos.

Ele anunciou ainda a realização de uma conferência sobre o papel da educação para aumentar a resiliência contra o discurso de ódio. Segundo ele, “os jovens estarão no centro” de todo o trabalho feito pela ONU.

Na sexta-feira, na sede da ONU, 100 alunos do ensino secundário e os seus professores vão participar num workshop sobre o impacto do holocausto nos jovens. Guterres espera que “o exercício inspire os jovens a fazer mais para combater o ódio e defender os direitos humanos.”

Comentários para "Em exposição sobre Auschwitz e o Holocausto, Guterres lembra que “ódio mata”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
De olho na natureza, crianças participam do Natal no Cerrado

De olho na natureza, crianças participam do Natal no Cerrado

A ação contou com exposição de fotos, plantação de sementes e contação de história

Rede pública de ensino do DF amplia oferta de idiomas

Rede pública de ensino do DF amplia oferta de idiomas

Sofia de Souza, de 15 anos, pretende cursar alemão no Cemi Gama e conhecer a Alemanha

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro começa hoje

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro começa hoje

Por causa da pandemia, evento terá formato online

Grafite muda a paisagem da avenida W3 Sul

Grafite muda a paisagem da avenida W3 Sul

Douglas Retok conta que muitas vezes percorreu a W3 Sul em busca de um muro que servisse de suporte para sua arte

Artesãos brasilienses participam de feira em Belo Horizonte

Artesãos brasilienses participam de feira em Belo Horizonte

A artesã Tânia Rodrigues com a secretária de Turismo, Vanessa Mendonça

Trânsito é liberado aos domingos e feriados na W3 Sul

Trânsito é liberado aos domingos e feriados na W3 Sul

A avenida volta a ter circulação de veículos

Museu da República no Distrito Federal exibe três mostras simultaneamente

Museu da República no Distrito Federal exibe três mostras simultaneamente

Cecília Lima, Raíssa Studart e Cléber Cardoso Xavier apresentam trabalhos produzidos durante residência artística em Olhos D’Água

Jardim Zoológico de Brasília recebe ursa ameaçada de extinção

Jardim Zoológico de Brasília recebe ursa ameaçada de extinção

Liz veio da Bahia especialmente para encontrar Ney. Expectativa é que o casal contribua para a preservação da espécie, ameaçada de extinção.

Natal no Cerrado une espírito festivo e meio ambiente

Natal no Cerrado une espírito festivo e meio ambiente

Ação de conscientização ambiental acontece, simultaneamente, nos parques ecológicos Sucupira e Riacho Fundo

Dezembro começa com eventos culturais on-line e presenciais no DF

Dezembro começa com eventos culturais on-line e presenciais no DF

Bruna Mendez atração do Festival

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia começa hoje em Brasília

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia começa hoje em Brasília

Evento tradicional desperta curiosidades e instiga saber científico