×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de setembro de 2021

Era pós Trump provoca ressaca informativa e novos dilemas para a imprensaFoto: Oficial da Casa Branca/Joyce N. Boghosian

Era pós Trump provoca ressaca informativa e novos dilemas para a imprensa

A metralhadora de factoides

Carlos Castilho - Portal Observatório Da Imprensa - 26/08/2021 - 06:55:56

A surpreendente derrubada dos índices de audiência dos telejornais norte-americanos depois da derrota do ultraconservador Donald Trump nas eleições americanas do ano passado revelou uma espécie de ressaca informativa que está sendo interpretada como sintoma de um divórcio entre o público e a imprensa sobre o noticiário político.

O colunista Ben Smith, do jornal The New York Times chegou a anunciar bombasticamente que os canais de notícias na TV paga norte-americana como CNN, Fox e MSNBC “entraram em fase terminal”, depois de perderem entre 10% (caso da Fox) a 51% (CNN) da audiência nos noticiários políticos. Nos jornais impressos, há informações de que houve um declínio de aproximadamente 22% nas vendas e no acesso às versões online.

O fato levou Alice Hutton, analista política do jornal britânico The Guardian , a afirmar que “a derrota de Trump desorientou a imprensa norte-americana ao colocá-la diante da escolha entre continuar apostando na linha do espetáculo político/eleitoral ou voltar ao tradicional discurso do compromisso com a objetividade jornalística”. O extremismo político/ideológico de Trump aparentemente afetou a imprensa muito mais do que ela própria imaginava.

Segundo o respeitado Nieman Lab , citado num texto de Plinio Góes Filho, na Folha de S.Paulo , enquanto a maioria das redações jornalísticas acreditam estar ajudando o público a tomar decisões por meio de notícias sérias, os leitores, ouvintes e telespectadores parecem estar mais interessados no bate-boca entre políticos. As audiências estariam preferindo o espetáculo à reflexão.

Outros pesquisadores como Mike Ananny, da Universidade da Califórnia, afirmam que o populismo ultraconservador de Trump (e também o de Bolsonaro aqui no Brasil), desestabilizou as estratégias de cobertura política da grande imprensa que se mostrou despreparada para enfrentar a frenética sucessão de factoides, fatos de veracidade duvidosa lançados para a opinião pública com o objetivo de gerar dúvidas e insegurança. Mike acha que Trump conseguiu manter a imprensa refém de suas postagens pelo Twitter.

A metralhadora de factoides

A produção de factoides passou a ser uma estratégia de comunicação dos extremistas de direita com o objetivo de ocupar a agenda de notícias da mídia e condicionar a formação de opiniões a partir do fato de que a maioria das pessoas só tem tempo para ler manchetes de jornais, telejornais e postagens na internet. Esta é a razão pela qual Trump, no seu tempo, e Bolsonaro, agora, transformaram as redes sociais em verdadeiras metralhadoras de factoides.

Para justificar a falta de lógica, veracidade e relevância da maioria dos factoides, Trump lançou a teoria dos “fatos alternativos”, cujo principal objetivo é dar uma aparência de coerência à profusão de dados, ideias e fatos jogados nas redes sociais. A teoria não tem base cientifica, embora possa ser associada longinquamente à ideia da diversidade de percepções da realidade (a famosa imagem do copo meio cheio ou meio vazio), mas foi usada para confundir os adversários do agora ex-presidente norte-americano.

A reação da imprensa liberal liderada pela rede CNN e pelos jornais The New York Times e The Washington Post foi apostar na checagem de fatos e dados com o objetivo de denunciar mentiras disseminadas por Donald Trump. A batalha midiática em torno da credibilidade dos “fatos alternativos” deixou evidente dois tipos diferentes de reação pública. Para os adeptos de Trump, não há mentiras e sim uma visão diferente garantida pela liberdade de expressão, enquanto a imprensa liberal, tanto nos EUA como aqui, enfrenta dificuldades para conferir a autenticidade da frenética produção de factoides ultradireitistas.

Emoção X Reflexão

Quem melhor interpretou esta situação foi o professor Daniel Kreiss, da Universidade da Carolina do Norte, autor do capítulo The Media Are About Identity, not Information (As Mídias Tratam de Identidades e não de Informação), no livro Trump and the Media (*). A tese de Kreiss parece ilógica, mas quando interpretada a partir de realidades políticas como a norte-americana e a brasileira ela mostra que a ultradireita usa informações (em sua maioria falsas) para identificar-se com as emoções das pessoas, enquanto a grande imprensa tenta convencer seu público da veracidade de suas notícias. É mais fácil lidar com emoções como a idealização de uma volta à segurança do passado, do que propor alternativas complexas e incertas, explica o professor norte-americano.

Aqui no Brasil, os absurdos disseminados pelo clã Bolsonaro são aceitos como propostas sérias pelos segmentos sociais contaminados pelo antipetismo e pela ideia de que o presidente combate a corrupção. Mas a imagem de líder honesto já foi severamente abalada e a estratégia bolsonarista se resume, agora, a manipular dois fantasmas políticos, o de um golpe militar e o da volta de Lula ao poder.

Os fatos parecem indicar que, tanto nos Estados Unidos como aqui no Brasil, a grande imprensa terá que rever suas estratégias de cobertura política, diante de uma fadiga da opinião pública em relação à batalha midiática entre ultradireitistas e liberais. A atenção despertada pela agressividade de políticos como Trump e Bolsonaro já não é mais a mesma nas medições de audiências. Com isto, os conglomerados jornalísticos terão que encontrar novas estratégias para lidar com a ressaca informativa de leitores, ouvintes e telespectadores.

(*) O livro Trump and the Media, reúne contribuições de vários pesquisadores, editados por Pablo J. Boczkowski e Zizi Papacharissi.

***

Carlos Castilho é Jornalista com doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento pelo EGC da UFSC. Professor de jornalismo online e pesquisador em comunicação comunitária. Mora no Rio Grande do Sul.

Comentários para "Era pós Trump provoca ressaca informativa e novos dilemas para a imprensa":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Lei da Improbidade deve ser aprovada e passar a ser chamada de Lei da Impunidade

Lei da Improbidade deve ser aprovada e passar a ser chamada de Lei da Impunidade

O relator Weverton Rocha é processado por improbidade

Presidente do STF, Luiz Fux marca para 25 e 26 de outubro a audiência pública sobre o juiz de garantias

Presidente do STF, Luiz Fux marca para 25 e 26 de outubro a audiência pública sobre o juiz de garantias

A audiência pública será transmitida pela TV Justiça e pela Rádio Justiça

MP aponta Carlos Bolsonaro como ‘beneficiário final’ de ‘organização criminosa’

MP aponta Carlos Bolsonaro como ‘beneficiário final’ de ‘organização criminosa’

Seis famílias são suspeitas de operar rachadinha

Autuadas por corrupção passiva no Hran deverão cumprir medidas cautelares

Autuadas por corrupção passiva no Hran deverão cumprir medidas cautelares

O inquérito policial será encaminhado para a Vara Criminal de Águas Claras, competente para processar e julgar o feito.

Barroso proíbe missões religiosas em terras indígenas na pandemia

Barroso proíbe missões religiosas em terras indígenas na pandemia

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu missões religiosas em terras indígenas de povos isolados durante a pandemia.

MPF quer que STJ analise denúncia contra procurador por vazar dados da Greenfield

MPF quer que STJ analise denúncia contra procurador por vazar dados da Greenfield

O MPF também acusa a Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região de promover um 'verdadeiro e ilegal rejulgamento' do caso ao anular a decisão que havia aceitado a denúncia.

Alexandre suspende reintegração de posse contra 800 famílias em São Paulo

Alexandre suspende reintegração de posse contra 800 famílias em São Paulo

A ação aponta que não foram tomadas as medidas necessárias para realocar as famílias em condições adequadas, conforme decidido pelo STF, sobretudo em relação ao isolamento social.

O preço começa a ser pago por Bolsonaro

O preço começa a ser pago por Bolsonaro

Inquéritos sobre o 7 de setembro, o Dia da Independência, avançam

Ministro do STJ relaciona Bolsonaro a aumento de mortes violentas no país

Ministro do STJ relaciona Bolsonaro a aumento de mortes violentas no país

Rogério Schietti criticou, em julgamento oficial, política de liberação indiscriminada do porte e da posse de armas por parte do presidente