×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de junho de 2022

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!Foto: Luiz Vadico Divulgação - Literare Books International

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela

Por Luiz Vadico (*) - 01/05/2022 - 09:29:02

Sim, eu acredito no livro! Alguns dizem que creem em Deus, mas eu creio no livro. Não vai aqui nenhum desprezo para a tradição verbal e a experiência mística e as vivências sensoriais do ser humano, não. Muito pelo contrário. Entretanto, a “tradição” há muito tempo é passada por livros e sempre com a nota de rodapé que diz: “a tradição...” “O” livro, e não “um” livro, foi o melhor suporte – como dizem hoje – encontrado pela humanidade para passar seu conhecimento adiante. Conhecimento e tudo o que isso significa: ficção, diversão, matemáticas, música, medicina etc.

“Praticamente uma internet” você me diria. Não, a internet é uma espécie de lago gigantesco, extremamente raso na maior parte do tempo; em alguns lugares possui profundos buracos nos quais você afunda e não volta mais. Suas águas plácidas e paradas têm pouco oxigênio e por isso suportam apenas algumas formas de vida muito simples ou perniciosas e daninhas. Os peixes mal conseguem respirar, ocorrem muitas algas, bactérias e vírus não é novidade. Em meio a um deserto quente, inexplicavelmente este lago de águas paradas, e praticamente podre, se mantém. E um monte de gente só recorre a ele por jamais ter imaginado que há poucos quilômetros dali existem rios de água fresca. Água viva, água verdadeira, rios potentes e profundos. Livros.

Tendo em vista a sua importância, o livro até nos parece algo banal em nosso cotidiano. Entretanto, o concreto e o tijolo também são banais e sem eles nada se constrói. E eu digo mais, só se constrói e só há concreto e tijolos por causa dos livros que ensinam. O livro é o repositório do saber humano, do conhecimento. Ele é fisicamente durável, é ao mesmo tempo detentor da memória e das revoluções, contém passado, presente e futuro. E, às vezes, quando menos se espera, eis que desenterram um Evangelho apócrifo de dois mil anos para revolucionar e modificar o nosso presente.

Quando se trata de ficção é algo espetacular, o livro é sempre novo para quem não o leu. E ainda mais surpreendente, enquanto não lido as representações que ali são contidas nada significam, até que sejam avidamente absorvidas, por um leitor ou leitora, e passam para o mágico mundo da abstração e das ideias; voltando, assim, para o lugar onde se originou.

Nossa civilização global está sustentada pelos livros, nossas crenças – com tudo o que têm de bom e de mal -, estão sustentadas nos livros: Os Vedas, O Talmud, A Bíblia, O Alcorão, O livro de Mórmon, O Livro dos Espíritos etc. Isto só para ficar na religião. Depois temos os livros dos que não desejam a religião, e um dos meus prediletos é “O Capital”. Em outras palavras, o livro é ao mesmo tempo repositório e veículo de ideias.

Até mesmo para um escritor é difícil falar dele sem escrever outro. O Livro é a base material da abstração e do imaginário. E não se enganem! Nossa vida e nossa sociedade parecem reais, mas só o parecem por que são imaginadas. E no livro encontramos alimento para que esta grandiosa fantasia que é a vida na terra se mantenha. Diferente daquele lago quase estagnado citado lá em cima, o livro nos permite superfícies diversas e profundidades inacreditáveis. Ele é cheio de vida, de vidas, de respostas e dúvidas. A fauna e a flora explodem nele por todos os lados. Eles são cheios de arte, coloridos, escritos e escrevinhados. E apesar de existirem em profusão, você não pode lê-los todos e nem achar que os absorverá todos. Você precisa – depois de alguma experiência – escolher.

E um livro, ao contrário de outras facilidades por aí, não se dá facilmente. Ele exige que você se esforce, que o desvende, e se construa e reconstrua através da sua leitura. Toma o seu tempo, e ele mesmo é detentor de tempos os mais diversos e sagrados... mas, o que é que você faz do seu tempo se não está lendo e aprendendo? Se entregando a um monte de prazeres “carnais” que te matarão mais cedo... Ler é um prazer vital, espiritual no melhor sentido dessa palavra. Ler é um ato criador e cocriador. O livro possui poder, e ele concede este poder a quem o abre e lê em profundidade.

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela. É por isso que eu e reafirmo: “eu acredito no Livro!” E em Deus?! “Ele está nas entrelinhas...”

E se esse texto te pareceu difícil, é sinal que está intoxicado por águas rasas... corra urgentemente para a água viva.


(*) Luiz Vadico - Escritor, historiador e doutor em Multimeios (Unicamp). Dividido entre a escrita e a carreira acadêmica, publicou: “Maria de Deus” (1999), “Filmes de Cristo”. “Oito aproximações” (2010), “Memória impura” (2012), “Noite escura” (2013), “O campo do filme religioso”. “Cinema, religião e sociedade” (2015), “Fábulas cruéis” (2016), “Cinema e religião”. “Perguntas e respostas” (2016). Ganhou vários prêmios ao longo dos anos. Sua produção literária situa-se entre a fantasia histórica e as relações humanas contemporâneas. Seus livros costumam romper com a forma e os gêneros literários; na busca pelo novo, acaba de lançar “O moinho que derrotou Dom Quixote”, pela Literare Books International

Comentários para "Eu acredito no livro!":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Diferentes técnicas mostram possibilidades da arte NFT

Apesar de a arte digital ter uma maior intimidade com a tecnologia de NFT, artistas plásticos, fotógrafos e afins também encontram espaço para vender e expor seus trabalhos por meio da tecnologia.

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

Museu do Pontal ajuda a preservar arte popular brasileira

O Museu do Pontal é um espaço que revela toda a riqueza e diversidade das raízes artísticas brasileiras.

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Livro traz aplicação de 150 espécies nativas da flora brasileira

Série Biodiversidade está disponível gratuitamente em versão digital

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

Mausoléu do Patriarca da Independência será restaurado em Santos

O local vai ganhar uma estátua de Bonifácio, com conceito

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Com menos nudez e mais debate, 'Pantanal' volta a bater recordes

Durante as gravações de Matí no Pantanal, poucos profissionais foram escalados de forma a evitar superestímulos na onça

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Nélida Piñon doa seu acervo para Instituto Cervantes no Rio de Janeiro

Muitos dos livros têm dedicatórias de amigos escritores

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Descubra quem está por trás do hit “Acorda, Pedrinho”, que viralizou no TikTok

Música virou sucesso na plataforma de vídeos e já foi compartilhada por grandes celebridades

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Caravana do Patrimônio Cultural percorre cidades do interior

Estreia será no dia 20 no município maranhense de Pindaré Mirim

"Amo minhas filhas, mas não gosto tanto de ser mãe", revela Samara Felippo em livro

Caroline Dias de Freitas, CEO da DISRUPTalks, e Samara Felippo, nova autora do selo.

Turma da Mônica e WWF-Brasil lançam cartilha sobre proteção do meio ambiente

Turma da Mônica e WWF-Brasil lançam cartilha sobre proteção do meio ambiente

A publicação conta com ensinamentos sobre como recuperar o planeta após anos de agressões contra o meio ambiente.

Festival de cinema apresenta 27 filmes com temática LGBTQIA+

Festival de cinema apresenta 27 filmes com temática LGBTQIA+

Evento é online, gratuito e vai até a próxima quarta-feira