×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de maio de 2022

Ex-embaixador dos EUA, do partido de Biden, ameaça e enquadra governo Bolsonaro

Ex-embaixador dos EUA, do partido de Biden, ameaça e enquadra governo BolsonaroFoto: Divulgação

Integrante do Instituto de Debates, Estudos e Alternativas de Porto Alegre (Idea), foi coordenador-executivo do 5º Fórum Social Mundial

Jeferson Miola - Portal Brasil 247 - 04/01/2021 - 11:41:39

O tom é duríssimo e, em determinadas passagens, é de ameaça. Considerando a influência política de Shannon e os laços orgânicos dele com o Partido Democrata e com o staff de Biden, não se pode desprezar a hipótese de que se trata de um recado de segmentos da futura administração Biden ao governo brasileiro

Um artigo de repercussão ainda bastante restrita – A delicada verdade sobre uma velha parceria – foi publicado na Revista Crusoé no 1º dia deste ano por Thomas Shannon, ex-embaixador dos EUA no Brasil [2010 a 2013] indicado pelo governo Obama.

Shannon é um diplomata vinculado ao Partido Democrata. Após servir na embaixada no Brasil, foi nomeado Conselheiro do Departamento de Estado pelo presidente Obama.

Hoje Shannon atua no Diálogo Interamericano, um dos tantos think thanksintervencionistas dos EUA dedicados a “promover a governança democrática, a prosperidade e a igualdade social na América Latina e no Caribe” [sic], e focado em áreas como energia, mudanças climáticas, remessas, indústrias extrativas e outras.

Chama atenção, à primeira vista, que o artigo deste destacado personagem do establishment estadunidense, cuja opinião sempre é levada em alta consideração nos meios diplomáticos e políticos, não tenha sido publicado em algum veículo de grande circulação da mídia conservadora; mas, sim, num órgão periférico da extrema-direita lavajatista, a Revista Crusoé, onde Sérgio Moro é colunista.

O tom é duríssimo e, em determinadas passagens, é de ameaça. Considerando a influência política de Shannon e os laços orgânicos dele com o Partido Democrata e com o staff de Biden, não se pode desprezar a hipótese de que se trata de um recado de segmentos da futura administração Biden ao governo brasileiro.

Shannon lembra que a parceria entre os EUA e o Brasil “não é só entre governos, mas entre sociedades”, e que “os encontros que impulsionam o relacionamento são crescentemente entre nossos setores privados, nossas sociedades civis e nossas comunidades de fé” – seja lá o que isso significa.

Ele afirma que “as visões de mundo idiossincráticas de seus líderes [Trump e Bolsonaro] limitaram a capacidade do Brasil e dos Estados Unidos de moldar uma parceria maior e mais coerente”.

O ex-embaixador diz que Biden “conhece a importância do Brasil e tem um conhecimento bem desenvolvido da trajetória histórica de nossa cooperação”, e que, por isso, “verá a relação com o Brasil não em termos pessoais, mas em termos dos interesses e valores que ligam nossas duas nações. Ele não permitirá que ressentimentos ou ofensas interfiram em sua busca por atender os interesses nacionais americanos”.

Shannon sobe o tom da crítica e diz que “o governo Bolsonaro tem feito quase todo o possível para complicar a transição na relação bilateral. O presidente Bolsonaro e membros de seu governo romperam com a longa tradição brasileira e expressaram preferência pelo presidente Trump nas eleições de novembro. Bolsonaro também criticou publicamente o então candidato Biden após comentários durante um debate, no qual o então candidato pediu uma ação mais orquestrada do Brasil sobre o desmatamento. Essa gafe, no entanto, perde relevância quando é comparada com a disposição do presidente Bolsonaro de repetir as alegações infundadas de fraude do presidente Trump nas eleições dos Estados Unidos”.

Para Shannon, “atacar a integridade e a credibilidade do processo eleitoral americano é um ataque à legitimidade da democracia americana e à presidência de Joe Biden”. Numa ameaça mais que direta, Shannon diz que isso “É algo que não será facilmente perdoado e não será esquecido”.

Dito isso, Shannon explicita que ou o Brasil se enquadra às ordens do novo patronato imperial, ou arcará com consequências desfavoráveis. “O tom da parceria única entre Brasil e Estados Unidos agora depende em grande parte do Brasil. Caberá ao presidente Bolsonaro mostrar disposição de se engajar e fazê-lo […]”.

Na opinião dele, e prescrevendo como um Imperador para sua colônia, Shannon anota que “a primeira e mais imediata cooperação deve ser em relação à pandemia, tanto de seu controle por meio de vacinação e tratamento, como de suas consequências econômicas”.

A segunda questão, do ponto de vista do governo Biden, envolve a mudança climática e a gestão ambiental. Isso não precisa ser um problema incendiário. O Brasil desenvolveu ao longo de décadas uma capacidade de diplomacia ambiental que vinculou questões como mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e avanço tecnológico”, escreveu ele.

E ele cita em terceiro lugar o que chama “a questão da China”, reclamando que “os esforços desse país asiático para se inserir mais profundamente nas economias da América do Sul e construir sua infraestrutura 5G têm causado inquietação e preocupação”.

Shannon conclui o artigo insinuando que a relação EUA-Brasil “Pode ser uma parceria de esperança e de realizações, e de grande valor para o mundo, se assim desejarmos”.

Só é possível entender a petulância e a agressividade deste artigo no contexto da vassalagem dos militares servis e obedientes ao patrão do Norte.

Esta ofensa à soberania e à dignidade nacional só é aceita por um governo subserviente e colonizado, cujo presidente rasteja aos pés do Trump, paga militares brasileiros para trabalharem para o Exército dos EUA e bate continência para a bandeira dos EUA.

E, como nota final, vale lembrar: Shannon sinaliza para um alinhamento do futuro governo Biden com a facção lavajatista da extrema-direita brasileira em detrimento da facção militar-bolsonarista da extrema-direita.

Isso não constitui novidade, se considerarmos que o empreendimento da conspiração no Brasil, iniciada nos anos 2012/2013 e turbinada com a Lava Jato guiada pelos Departamentos de Estado e Justiça dos EUA, ocorreu justamente durante a Administração Obama-Biden.

A ver, portanto, qual desdobramento deste gesto no julgamento da suspeição do Moro pelo STF e a restauração dos direitos civis e políticos do ex-presidente Lula.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio



Comentários para "Ex-embaixador dos EUA, do partido de Biden, ameaça e enquadra governo Bolsonaro":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Vale põe à venda áreas invadidas no Pará

Vale põe à venda áreas invadidas no Pará

Empresa desencoraja visitas de interessados por causa da violência

Exportações de café solúvel do Brasil caem 4,7% devido ao conflito entre Ucrânia e Rússia

Exportações de café solúvel do Brasil caem 4,7% devido ao conflito entre Ucrânia e Rússia

As vendas de café solúvel do Brasil no exterior caíram 4,7% no primeiro trimestre de 2022 devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia. A projeção anual de perdas no setor é de cerca de US$ 100 milhões (R$ 505,5 milhões), disse uma associação da indústria na sexta-feira (13).

Brasileiro, porta-voz do Ocha, relata drama de ucranianos evacuados de Mariupol

Brasileiro, porta-voz do Ocha, relata drama de ucranianos evacuados de Mariupol

Civis de Mariupol deixam região após mais de dois meses sitiados.

Egito e Brasil começarão a negociar aumento de exportação de fertilizantes egípcios

Egito e Brasil começarão a negociar aumento de exportação de fertilizantes egípcios

Cairo assumiu o compromisso de dar prioridade às demandas de fertilizantes pedindo em contrapartida que tenha preferência no setor de exportação de frutas brasileiras.

Brasil 'está completamente perdido' em estratégia de semicondutores, diz economista

Brasil 'está completamente perdido' em estratégia de semicondutores, diz economista

A crise dos semicondutores tem gerado diversos problemas à indústria brasileira, principalmente a automotiva. A Sputnik Brasil entrevistou especialistas e representantes do setor de semicondutores para discutir como o Brasil pode se proteger de crises futuras.

Helio Santos: “O dia 14 de maio de 1888 é o dia mais longo da nossa história”

Helio Santos: “O dia 14 de maio de 1888 é o dia mais longo da nossa história”

Ativista histórico contra o racismo alerta que a pauta nunca foi tratada de acordo com sua dimensão

Crise econômica gera êxodo de empresários para o exterior, diz especialista

Crise econômica gera êxodo de empresários para o exterior, diz especialista

Empresas veem futuro promissor fora do país

"Já temos sinais de uma nova onda de evasão de cérebros", afirma doutor em História da Ciência

Em entrevista, Olival Freire Júnior fala sobre o impacto do não investimento em ciência no Brasil

Apenas 64% das empresas no Brasil apostam em Compliance

Apenas 64% das empresas no Brasil apostam em Compliance

Contar com um advogado especializado em compliance é um diferencial

Projeto Creative SP vai levar 10 empresas para a Feira de Frankfurt

Projeto Creative SP vai levar 10 empresas para a Feira de Frankfurt

Dez empresas ou instituições paulistas vão poder participar da Feira do Livro de Frankfurt este ano dentro do projeto Creative SP.

Inflação de abril é a mais alta em 26 anos; acumulado de 12 meses, o maior em duas décadas

Inflação de abril é a mais alta em 26 anos; acumulado de 12 meses, o maior em duas décadas

Preços subiram em quase todos os itens avaliados; destaque para alimentos, gás, remédios e, novamente, combustíveis