×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 09 de dezembro de 2021

'Homens-tatu’ se embrenham entre pedras para retirar óleo de praias nordestinas

'Homens-tatu’ se embrenham entre pedras para retirar óleo de praias nordestinasFoto: Felipe Brasil - Fotos Públicas

Mulheres e homens se esticam e até entram em fendas para tirar petróleo de áreas de difícil acesso

Estadão Conteúdo - 28/10/2019 - 09:52:01

Em meio às pedras, voluntários e agentes públicos se embrenham para retirar fragmentos do óleo de áreas de difícil acesso. Passam por fendas, viram de cabeça para baixo, esticam os braços e se equilibram sobre pedras escorregadias. Eles eram quase “homens-tatus”, como definiu o repórter fotógrafo Tiago Queiroz durante a cobertura do Estado das manchas de petróleo no Nordeste .

O trabalho nessas condições é ainda mais arriscado, pois prevê contato muito direto com o óleo em diversas partes do corpo. Por vezes, os “homens-tatu” precisam se deitar ou se equilibrar sobre as pedras, que ficam escorregadias pela presença do óleo. Mesmo assim, em situações presenciadas pelo Estado, essas pessoas careciam de equipamentos de proteção completos, mesmo com o aumento de relatos e suspeitas de intoxicação envolvendo pessoas que trabalharam na retirada da substância das praias.


“A gente dava um jeito. Tinha um caminhão que ajudava a tirar as pedras”, explica o pedreiro Alisson Ribeiro, de 24 anos, que foi dois dias seguidos ser “homem-tatu” na retirada de uma grande mancha de óleo na Praia do Janga, em Paulista, na Grande Recife. A função geralmente é exercida por rapazes jovens e franzinos, que conseguem embrenhar nas fendas com mais facilidade.

“Puxava o óleo com a mão. No primeiro dia, fiquei até umas 17h30, porque já estava muito escuro. Colocava o braço, o que coubesse para tirar o óleo”, relata Alisson. Morador do Janga, ele saiu do trabalho junto de colegas assim que soube da chegada da mancha, na quarta-feira. “Ainda dá para ver um pouco de óleo”, lamenta.

O estudante Anderson de Castro da Silva Júnior, de 17 anos, também chegou a fazer as vezes de “homem-tatu”, além de ajudar a puxar o óleo para a margem no Janga. Quando falou com o ‘Estado’, utilizava óleo de cozinha para tirar vestígios do óleo grosso que ajudou a tirar do mar.

As manchas escuras tomavam a camiseta vermelha do garoto, assim como os braços, as pernas e parte do rosto. Ele dizia que a substância “pega na pele e queima”, mas não se importava com o contato. “Não ‘tô’ preocupado com isso, é só lavar que tira. Ligo para melhorar o ambiente, para melhor para as gerações futuras.”

O rapaz descreve que estava “pegando assim” a grande massa de óleo, enquanto repetia gestos como os de um grande abraço. Nascido em São Paulo, mora na cidade de Paulista junto da família e se encaminhou para Janga assim que viu a notícia da chegada da mancha na televisão. “Juntei dois amigos e vim”, lembra. “Não nasci aqui, sou de São Paulo, mas tenho um carinho muito grande pelo povo daqui.”

LEIA TAMBÉM >Batalha anônima para remover o óleo

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Comentários para "'Homens-tatu’ se embrenham entre pedras para retirar óleo de praias nordestinas":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Unicef pede US$ 9,4 bilhões para ajudar 327 milhões de pessoas

Unicef pede US$ 9,4 bilhões para ajudar 327 milhões de pessoas

Unicef faz apelo recorde para fundo emergencial pós-pandemia, conflitos e mudança climática

Estudantes de todo o país se mobilizam em defesa da Amazônia durante encontro no Maranhão

Estudantes de todo o país se mobilizam em defesa da Amazônia durante encontro no Maranhão

Estudante de Direito, o indígena Alexandre Arapiun fala sobre o papel da educação para a preservação da Amazônia.

China lança plano de cinco anos para impulsionar desenvolvimento verde dos setores industriais

China lança plano de cinco anos para impulsionar desenvolvimento verde dos setores industriais

Robôs inteligentes soldam carrocerias de carros em uma empresa de veículos de nova energia em Chongqing, sudoeste da China, em 2 de abril de 2021.

Pesquisa revela que 55% dos países não conseguem analisar qualidade do solo

Pesquisa revela que 55% dos países não conseguem analisar qualidade do solo

Solos degradados são restaurados em Ruanda.

Furacões são mais frequentes no Atlântico Norte, diz estudo

Furacões são mais frequentes no Atlântico Norte, diz estudo

Motivo é o aquecimento global

Marcas de roupa mundiais estariam relacionadas ao desmatamento na Amazônia, segundo estudo

Marcas de roupa mundiais estariam relacionadas ao desmatamento na Amazônia, segundo estudo

Nos últimos anos o governo brasileiro vem sendo alvo constante de críticas de diversas organizações por conta do crescente desmatamento da floresta amazônica. Os dados da pesquisa da Stand.Earth mostram que a criação de gado é um dos principais responsáveis pela deflorestação, em grande parte feita pela empresa brasileira JBS.

Sai garimpo, fica o mercúrio: Saiba quais as consequências para o meio ambiente no Rio Madeira

Sai garimpo, fica o mercúrio: Saiba quais as consequências para o meio ambiente no Rio Madeira

Centenas de balsas e dragas bloqueiam trecho do Rio Madeira (AM) para garimpo ilegal

Aumento de pessoas no mar pode explicar mais ocorrências com tubarões

Aumento de pessoas no mar pode explicar mais ocorrências com tubarões

Se acidentes são ocasionais não é preciso fechar praias, diz professor

FAO lança ferramenta que ajuda a reverter perda florestal e combater mudanças climáticas

FAO lança ferramenta que ajuda a reverter perda florestal e combater mudanças climáticas

Mulher vende batatas no Peru.

Desmatamento na Amazônia passa de 13 mil km² entre agosto de 2020 e julho de 2021

Desmatamento na Amazônia passa de 13 mil km² entre agosto de 2020 e julho de 2021

Queimada na Amazônia durante última semana de julho, mesmo com moratória do fogo no bioma.

Petrobras e BNDES vão ampliar investimentos em restauração florestal

Petrobras e BNDES vão ampliar investimentos em restauração florestal

Anúncio foi feito durante a COP26, em Glasgow