×
ContextoExato
Responsive image

Jair Bolsonaro cobrou Sergio Moro sobre ação do Ibama

Jair Bolsonaro cobrou Sergio Moro sobre ação do IbamaFoto: CorreioWeb

Área de desmatamento na Amazônia: alvo de ação de grileiros, que podem ser beneficiados pela MP 950

Simone Kafruni - Correioweb - 07/05/2020 - 08:36:55

Em mensagem para o então ministro, presidente questionou a destruição de máquinas destinadas a desmatamento na Amazônia. Logo após, houve exonerações no órgão

Ao tentar confirmar uma troca de mensagens com o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, mostrando o próprio celular, o presidente Jair Bolsonaro acabou revelando um diálogo no qual reclama da participação da Força Nacional (FN) nas operações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) contra grileiros na Amazônia. Na troca de mensagens, Bolsonaro cobra que a FN teria ajudado o órgão ambiental a destruir maquinário destinado ao desmatamento. A conversa coincide com várias exonerações no Ibama.


Bolsonaro mostrou o aplicativo de mensagem para provar que tinha enviado um link ao ex-juiz com notícia sobre a investigação de deputados bolsonaristas pela Polícia Federal. Acabou revelando, sem intenção, o outro diálogo. Foi possível ler a resposta de Moro, agora desafeto do presidente. “O Coronel Aginaldo da FN também nega envolvimento nas destruições. A FN só acompanha o Ibama nas operações para segurança dos agentes, mas não participa da destruição.” Moro se refere ao coronel Antônio Aginaldo de Oliveira, comandante da Força Nacional. O ex-ministro foi padrinho de casamento de Oliveira com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).


A conversa ocorreu uma semana após o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ter exonerado o diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Olivaldi Azevedo, atuante contra o desmatamento. A saída do diretor, por sua vez, ocorreu dois dias após a divulgação de uma operação do Ibama para tirar madeireiros e garimpeiros ilegais de terras indígenas no sul do Pará.


Uma semana após a exoneração de Azevedo, outros garimpos ilegais foram fechados para conter a disseminação do coronavírus. Depois dessas operações, o presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, a pedido do ministro Salles, demitiu o coordenador geral de fiscalização ambiental do Ibama, Renê Luiz de Oliveira, e o coordenador de Operações de Fiscalização, Hugo Ferreira Netto Loss.


Os dois são responsáveis pela repressão a crimes ambientais, como o desmatamento. A justificativa do Ministério do Meio Ambiente para as dispensas, na ocasião, foi que “é a prerrogativa do novo diretor escolher sua equipe”. O Ministério Público Federal abriu investigação sobre as exonerações.


Perigo iminente
De acordo com Raul do Valle, diretor de Justiça Socioambiental do WWF-Brasil, o governo já deu mostras de que apoia os grileiros ao enviar a Medida Provisória 910, que dispõe sobre a regularização fundiária das ocupações incidentes em terras situadas em áreas da União. A MP vence em 19 de maio, e a pressão da bancada ruralista é grande para aprová-la, pois permitirá que quem invadiu terras até 2018 possa ganhar o título. “Há uma ação coordenada. Enquanto a Funai (Fundação Nacional do Índio) retira a proteção das terras indígenas, a MP dá segurança jurídica aos grileiros. Não à toa, o desmatamento disparou na Amazônia”, afirmou.


Para Valle, a perseguição aos fiscais ambientais é da mais alta gravidade. “Punir os dois, Renê e Hugo, porque cumpriram o que a lei manda dá uma sinalização concreta de que este governo vai tolerar e incentivar que particulares atentem contra a lei”, alertou. Valle lembrou que o que está se desmontando não são pequenas regras ambientais, mas o Estado de direito, segundo o qual a lei é para valer e tem que ser respeitada. A lei atual beneficia os pequenos produtores, porém, se a MP 950 for aprovada, vai favorecer os invasores de grandes áreas públicas, a partir de quatro módulos fiscais, segundo o especialista. Na Amazônia, cada módulo tem, em média 100 hectares. “O grileiro vai ganhar o título sem que o órgão fiscalizador sequer veja a terra para saber se há produção ou desmatamento, pagando 5% do valor de mercado”, lamentou.


"Há uma ação coordenada. Enquanto a Funai (Fundação Nacional do Índio) retira a proteção das terras indígenas, a MP dá segurança jurídica aos grileiros. Não à toa, o desmatamento disparou na Amazônia”

Raul do Valle, diretor de Justiça Socioambiental do WWF-Brasil, sobre a MP 910

Desmatamento avança
O desmatamento na Amazônia, de agosto de 2019 a março deste ano, atingiu uma área de nada menos que 5.076km² da região, mais de três vezes o tamanho da cidade de São Paulo, com seus 1.521km². Esse volume de corte é quase o dobro do que foi verificado no mesmo intervalo anterior, de agosto de 2018 a março de 2019, quando 2.649km² de floresta foram devastados. Se observado o intervalo de agosto de 2017 a março de 2018, o número era ainda menor, de 2.433km². O levantamento foi feito em abril pelo jornal O Estado de S. Paulo com dados do Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter), ferramenta do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Comentários para "Jair Bolsonaro cobrou Sergio Moro sobre ação do Ibama":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório