×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de maio de 2022

Livro relata o exílio e os últimos anos de vida de Belchior

Livro relata o exílio e os últimos anos de vida de BelchiorFoto: Belchior se afastou gradualmente da carreira, revela livro Foto: Silvio Ribeiro/Estadão – 18/5/1987

'Viver é Melhor Que Sonhar - Os Últimos Caminhos de Belchior' tenta entender por que o artista se afastou de familiares e da carreira, além de revelar histórias desconhecidas

Por Renato Vieira, O Estado De S.paulo - 02/01/2021 - 21:58:46

Vinte anos antes de partir rumo a um exílio artístico e pessoal, Belchior fez uma música chamada Arte-Final , em que perguntava se “a saída era mesmo o aeroporto”. Depois de se envolver em situações familiares que culminaram no fim de seu casamento e de cometer erros estratégicos na condução da carreira, o autor de Como Nossos Pais acreditou que era. Deixou seu carro importado no estacionamento do aeroporto de Congonhas, pegou um avião e tornou-se um nômade que passou por cidades do Brasil e do Uruguai.

Belchior se afastou gradualmente da carreira, revela livro
Belchior se afastou gradualmente da carreira, revela livro Foto: Silvio Ribeiro/Estadão – 18/5/1987

A atitude fez com que Belchior se tornasse admirado pela coragem de deixar tudo para trás, mas também expôs a intimidade de um homem discreto e avesso a badalações. No livro Viver é Melhor Que Sonhar - Os Últimos Caminhos de Belchior , que entra em pré-venda este mês, os jornalistas Chris Fuscaldo e Marcelo Bortoloti percorrem as cidades por onde passou o artista, morto em abril de 2017, nos últimos anos de vida. A ideia da dupla era tentar entender como e por que ele se afastou de amigos, familiares e da carreira, além de revelar histórias desta fase de exílio e fuga.

Fuscaldo conta que a ideia do livro surgiu quando Belchior estava vivo. Ela tinha lido uma matéria publicada por Bortoloti em 2013 na revista Época , em que o jornalista relatava como era a vida do artista, morando de favor na casa de fãs no Rio Grande do Sul e procurado pela polícia pelo não pagamento de pensão alimentícia. A dupla de autores se conheceu durante um doutorado em literatura e decidiu se unir para encontrar o cantor. “A ideia era perguntar a ele: ‘E aí, como tá sua vida?’. A gente gostaria de fazer uma coisa que pudesse ser bonita, uma homenagem”, diz Fuscaldo. Mas os planos dela e de Bortoloti mudaram quando veio a notícia da morte de Belchior.

Os autores fizeram um road book , viajando para os lugares onde Belchior esteve nos últimos anos de vida e entrevistando pessoas que abrigaram o cantor e Edna Assunção de Araujo, conhecida como Edna Prometheu. A vida de Belchior começou a mudar quando ele a conheceu no ateliê do pintor e gravador Aldemir Martins.

O livro conta como Edna, antes do exílio, se tornou companheira e produtora de Belchior, tomando o lugar de empresários com quem o cantor trabalhava. A um deles, ela diz que Belchior, então fazendo shows modestos, mas que mantinham a agenda aquecida, somente aceitaria cachê “no patamar do de Zé Ramalho”. Isso fez com que os contratantes o procurassem cada vez menos.

Os autores também reconstituíram fatos da vida pregressa dele e concluíram que o processo de desconexão do artista com a família e a profissão foi gradual. Das entrevistas com Ângela Henman, casada com ele por mais de 30 anos, e com os filhos do casal, Camila e Mikael, vieram informações importantes. “Ele era um grande pai e marido, músico com suas ausências normais. Era mulherengo, mas Ângela também não ficava procurando saber disso”, afirma Fuscaldo. Porém, um momento de ruptura ocorreu quando Belchior contou à família que tinha duas filhas, de mulheres diferentes, fora do casamento. Em setembro de 2007, o divórcio foi formalizado com divisão de bens e pagamento de pensão alimentícia a Ângela.

A partir daí, Belchior e Edna passaram por várias cidades e deixaram dívidas em hotéis de São Paulo e Rio antes de ir para o Uruguai. Em algumas passagens do livro, Belchior se mostrou pouco disposto a voltar para a música. Em Montevidéu, pediram que ele cantasse. A negativa veio em tom de deboche: “dentista não sai no meio da rua fazendo canal!”.

Belchior nunca disse para as pessoas com quem esteve se o afastamento da carreira seria definitivo. Para Fuscaldo, o que tinha a possibilidade de ser uma fase de recolhimento tornou-se permanente quando ele viu expostas sua intimidade e as dívidas que tinha. “Acho que ele foi passar um tempo fora porque não sumiu de cara, chegou a ver um show do Tom Zé em Brasília. Ele estava com uma certa pressão e sem muita perspectiva profissional. Mas não imaginava que o que era uma coisa pequena iria se tornar algo enorme. Quanto mais tempo ele dava para ver o que ia fazer, ficava mais difícil voltar. Na cabeça da Edna, eles eram perseguidos pela mídia. Deve ter tido uma hora que ele entendeu que era melhor morrer como mito do que voltar pedindo dinheiro para pagar as dívidas”.

O livro é aberto por um momento dramático que ocorreu na cidade uruguaia de Artigas. Sem pagar pensão a Ângela, uma decisão judicial bloqueou as contas bancárias de Belchior e ele ficou sem renda para pagar o hotel onde estava hospedado com Edna há meses. Os dois saíram do local com a roupa do corpo, poucos pertences e nenhum dinheiro. O casal passou a noite debaixo da Ponte Internacional da Concórdia, ligação entre Brasil e Uruguai.

Os autores não conseguiram localizar Edna, mas Fuscaldo a isenta de ser a grande vilã da história. “É cruel dizer que tudo foi arquitetado por ela. Porque Belchior teve muitas oportunidades de voltar, de gente que estendeu a mão, mas ele não quis.” Na passagem por Saberi, cidade gaúcha em que foi abrigado por um grupo de camponeses, Belchior pegou um trator para passear e Edna pediu para que ele não fosse. Não foi ouvida e, enquanto o veículo sumia na estrada, ele respondeu: “assim eu não vivo, amorzinho”.

Pré-venda do livro começa no próximo dia 18

A pré-venda do livro Viver é Melhor Que Sonhar - Os Últimos Caminhos de Belchior (Sonora Editora) está prevista para começar no dia 18 de janeiro pela plataforma Benfeitoria, por meio do link http://benfei.to/belchior. Quem comprar o livro com antecedência poderá escolher algumas recompensas.

Uma delas é a reedição em vinil do álbum Alucinação , o trabalho mais conhecido de Belchior. Produzido por Marco Mazzola, nome forte da indústria fonográfica que trabalhou regularmente com o cantor e compositor, o álbum gravado em 1976 inclui sucessos como Apenas Um Rapaz Latino-Americano , A Palo Seco , Como Nossos Pais e Velha Roupa Colorida .

Outras recompensas previstas para quem adquirir o livro pelo site são uma camisa e uma bookbag, que estão em fase de desenvolvimento e devem incluir trechos de letras de canções célebres de Belchior. Valores do livro e dos combos de recompensas ainda estão em aberto.

Comentários para "Livro relata o exílio e os últimos anos de vida de Belchior":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

Revista portuguesa publica artigo de Juiz do TJDFT sobre inovação

No texto, o magistrado do TJDFT trata da abordagem do New Public Service, no âmbito dos estudos ligados à Administração

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Verdades que ninguém te conta: A importância de falar sobre a maternidade real

Livro recém-lançado pela Editora MOL em parceria com a Tip Top reúne relatos de mulheres sobre os desafios reais que chegam com a vida de mãe, como as mudanças no corpo e os julgamentos externos

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Bolsonaro veta integralmente Lei Aldir Blanc, que previa R$ 3 bilhões anuais ao setor cultural

Texto de autoria da deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) calcula que medida alcançaria 4.176 municípios brasileiros

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

Cópia restaurada de 'Deus e o Diabo na Terra do Sol' será exibida em Cannes

A última versão digitalizada do filme é de 2002 e tem qualidade inferior à atual

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

Autora estreante lança livro criado a partir do desejo de se comunicar durante a pandemia

“Quando escrevo, é para me lembrar da esperança que eu mesma sei que tenho”, diz Nathália Ferreira

Eu acredito no livro!

Eu acredito no livro!

Numa necessidade rápida, até podemos contar com um trago de águas quase podres, mas para a vida, para beber água viva, o livro é o único lugar onde nos encontraremos com a civilização, com o melhor dela

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Ribeirão Preto celebra a literatura nacional com o 'Revolução Poética na Fábrica'

Serão cindo dias de programação gratuita, reunindo 14 autores de referência do universo cultural brasileiro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Capas influenciam quase 30% das crianças na escolha do livro

Diante das diversas motivações que podem influenciar na escolha de um livro antes da compra, a capa é uma das mais citadas pelos entrevistados, em especial entre as crianças

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

Livro detalha o primeiro disco lançado por Nara Leão, em 1964

O álbum traz ainda Berimbau, de Vinicius e Baden Powell, que ainda nem era chamado de afro-samba. Outro exemplo: a faixa Nanã (Coisa Nº 5), que estaria no clássico disco Coisas, de Moacir Santos, lançado em 1965.

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Quarteto de cordas lança álbum com obras de compositoras brasileiras

Pelos temas, pelas múltiplas estéticas e pela interpretação, o disco se faz a partir de diferentes, pessoais e fascinantes olhares

A história do mafioso que desafiou a máfia

A história do mafioso que desafiou a máfia

No filme, ele conta a história de um mafioso de verdade, Tommaso Buscetta, membro da Cosa Nostra que delatou seus antigos companheiros para o famoso magistrado Giovanni Falcone.