×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 18 de janeiro de 2022

Maior risco atual é repetir antigos erros na coordenação de políticas globais, afirma economista

Maior risco atual é repetir antigos erros na coordenação de políticas globais, afirma economistaFoto: Tribuna da Internet

Mohamed foi eleito um dos grandes pensadores mundiais

érica Fraga-folha/tribuna Da Internet - 23/04/2020 - 10:02:17

O maior risco econômico atual não é a recessão que será causada pela pandemia da Covid-19, mas a repetição de antigos erros na coordenação de políticas globais, que podem evitar uma retomada inclusiva do crescimento após a crise. A opinião é de uma das vozes mais respeitadas do mercado financeiro global, a de Mohamed El-Erian, conselheiro econômico-chefe da seguradora Allianz e presidente da Queens College, uma das faculdades da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

“Até agora, o nível de coordenação das políticas tem sido menor do que vimos em 2008 e 2009 [na crise financeira global]”, diz El-Erian. “Várias políticas, em alguns países, têm sido, explicitamente, inclinadas contra o resto do mundo”, afirma ele.

RESPOSTA CONJUNTA – A falha dos formadores de políticas públicas em dar uma resposta conjunta às consequências da crise de saúde, diz, tende a exacerbar o sentimento antiglobalização, que já vinha aumentando nos últimos anos. “Isso nos leva à possibilidade desconfortável de que terminemos repetindo o grande erro de 2008/2009. Ou seja, ganharmos a guerra contra a depressão global, mas falharmos em garantir um ritmo de crescimento rápido, inclusivo e sustentável.”

El-Erian concordou em falar com a reportagem da Folha, desde que fosse por email, pois se descreveu “inundado de trabalho” nestes dias. Antes de assumir o cargo na Allianz, ele foi presidente-executivo da Pimco, uma das maiores empresas de gestão de investimentos do mundo, com foco, principalmente, em mercados emergentes.

O economista liderou também o Conselho de Desenvolvimento Global do ex-presidente americano Barack Obama. Além disso, foi eleito pela revista Foreign Policy um dos grandes pensadores do mundo por quatro anos seguidos, entre 2009 e 2012.

Há algumas semanas, o senhor mostrou preocupação com a falta de coordenação de políticas globais para combater os efeitos desta pandemia. Isso melhorou?
Infelizmente, não o suficiente, e isso é um problema real. Ninguém pode negar que esta é uma crise global que requer uma resposta globalmente coordenada.

Também está se tornando claro que o mundo está enfrentando um golpe econômico maior do que o da crise financeira global. Ainda assim, pelo menos até agora, o nível de coordenação das políticas tem sido menor do que vimos em 2008 e 2009. Além disso, várias políticas, em alguns países individuais, têm sido muito voltadas para dentro e, explicitamente, inclinadas contra o resto do mundo.

De forma mais geral, em termos das interações econômicas globais e da coordenação de políticas, esse é o terceiro golpe a todo o conceito de globalização. Os outros dois foram a forte reação contrária à globalização devido à marginalização de segmentos da população e a guerra comercial. Em cima deles, esse terceiro golpe pode alimentar um processo de “desglobalização” ao longo de muitos anos.

Tudo isso nos leva à possibilidade desconfortável de que terminemos repetindo o grande erro de 2008/2009. Ou seja, ganharmos a guerra contra a depressão global, mas falharmos em garantir um ritmo de crescimento rápido, inclusivo e sustentável.

Países com restrições fiscais e dívidas elevadas sofrem mais em recessões globais. Isso voltará a ocorrer? 
Infelizmente, sim. Esses dois problemas limitam a capacidade dos governos de conter a dor e o sofrimento reais ligados à economia por causa do confinamento.

Que países estão condenados a sofrer mais e que problemas deverão enfrentar?
Aqueles com flexibilidade fiscal e monetária limitados, baixas reservas internacionais, alto endividamento, dinâmica de crescimento pobre, grandes descasamentos de moedas e muita dívida de curto prazo.

E estou me referindo apenas aos problemas econômicos e financeiros, deixando de fora questões políticas, institucionais e sociais. Se não forem ajudados por apoio estrangeiro por meio de concessões grandes e rápidas, esses países enfrentam um risco alto de uma “trifecta” [situação em que um apostador acerta a ordem dos três primeiros ganhadores em uma corrida] envolvendo uma crise de saúde, um colapso econômico e disrupções financeiras.

É possível que haja um aumento de calotes de dívidas soberanas e financeiras? 
Sim, por esses motivos que já citei. Muito dependerá da vontade dos credores de conceder alívio às dívidas e aumentar os financiamentos concessionais. Infelizmente, não podemos esperar que os fluxos de investimento financeiro direto aumentem no curto prazo.

Como o senhor vê a situação econômica do Brasil, que já não era boa, no contexto desta pandemia? 
Como todos os países, o Brasil enfrenta o risco de sair desta crise com alto endividamento, menos reserva monetária e um golpe em sua produtividade. É crucial para todos os países ter isso em mente e centrar seu radar na tela de políticas para conter o estrago às suas perspectivas de crescimento.

Líderes têm reagido de formas diferentes à pandemia. Alguns aderiram rapidamente ao isolamento social severo. Outros, como o presidente Jair Bolsonaro, minimizam os riscos de saúde, preferindo isolamentos menos radicais. O mercado deve reagir de forma distinta a essas posições diversas?
As circunstâncias dos países variam, assim como variam seus julgamentos em relação ao balanço entre os riscos de saúde e os riscos econômicos. Isso é conhecido no mercado como o balanço entre vida e subsistência.

O atual impacto generalizado nos mercados vindo do que os economistas chamam de “fator global comum” tende a abrir lugar para mais diferenciações dos países ao longo do tempo.

Depois desta crise, muitos países estarão em uma situação fiscal muito pior. Como os mercados devem digerir isso?
É difícil generalizar, já que muito dependerá da capacidade e do desejo de cada país tanto de sustentar altos pagamentos de dívidas como de reduzir seu elevado endividamento

Comentários para "Maior risco atual é repetir antigos erros na coordenação de políticas globais, afirma economista":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Como organizar os pagamentos das obrigações fiscais no início do ano

Como organizar os pagamentos das obrigações fiscais no início do ano

É possível dividir um ano fiscal em quatro trimestres ou em 12 meses - quanto maior é a divisão mais controle a empresa possui sobre o fluxo de caixa, as variações de desempenho e outros dados financeiros relevantes.

Inflação é maior para ‘pais’ de pets, que adaptam compras

Inflação é maior para ‘pais’ de pets, que adaptam compras

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação, José Edson Galvão de França, a inflação no setor teria superado os 50%

Comércio eletrônico ao vivo traz mais oportunidades aos produtos brasileiros na China

Comércio eletrônico ao vivo traz mais oportunidades aos produtos brasileiros na China

Gilberto Fonseca Guimarães de Moura (à direita), cônsul-geral do Brasil em Shanghai, apresenta os produtos brasileiros com a equipe na sala de transmissão ao vivo em 10 de janeiro de 2022.

Safra 2021 foi de 253,2 milhões de toneladas, queda de 0,4% ante 2020, diz IBGE

Safra 2021 foi de 253,2 milhões de toneladas, queda de 0,4% ante 2020, diz IBGE

A área colhida em 2021 foi de 68,6 milhões de hectares, alta de 4,8%, ou 3,1 milhões de hectares a mais, na comparação com 2020.

Mais de 195 mil empresários pedem adesão ao Simples na 1ª semana de prazo

Mais de 195 mil empresários pedem adesão ao Simples na 1ª semana de prazo

O prazo de adesão ao regime começou no último dia 3 e termina em 31 de janeiro

Valor da cesta básica aumenta em todas as capitais em 2021

Valor da cesta básica aumenta em todas as capitais em 2021

Maior alta foi em Curitiba (16,3%) e a menor, em Brasília (5,03%)

Sem chips, venda de carros cresce 3% em 2021, abaixo do previsto

Sem chips, venda de carros cresce 3% em 2021, abaixo do previsto

Variedades

BNDES se afasta da função de único financiador de grandes obras

BNDES se afasta da função de único financiador de grandes obras

Os números marcam a consolidação do primeiro passo na mudança do papel do BNDES na infraestrutura.

Superávit da balança comercial bate recorde em 2021

Superávit da balança comercial bate recorde em 2021

Exportações superam importações em US$ 61,01 bilhões

Inflação de 2021 pressiona alta de preço no início do ano

Inflação de 2021 pressiona alta de preço no início do ano

Apesar de considerar que o impacto da inércia será forte, pondera que os efeitos da alta de 7,25 pontos porcentuais da taxa básica de juros sobre a atividade podem mitigar os reajustes.

Planejamento e organização são fundamentais para sair das dívidas

Planejamento e organização são fundamentais para sair das dívidas

Especialista dá dicas de como deixar as contas no azul