×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de novembro de 2021

Mais de 200 entidades lançam documento rejeitando MP que extingue Bolsa Família e PAA

Mais de 200 entidades lançam documento rejeitando MP que extingue Bolsa Família e PAAFoto: Divulgação/CTA

A MP significa o fim do PAA, instrumento que permite que o poder público adquira a produção de alimentos da agricultura familiar camponesa e doe para instituições que atendem população em situação de vulnerabilidade

Brasil De Fato | São Paulo (sp) - 15/10/2021 - 18:05:22

Organizações sociais divulgam pedido para que Congresso rejeite a Medida Provisória nº 1.061, entregue à casa em agosto

Mais de 200 entidades e movimentos sociais divulgaram hoje (15) carta aberta ao Congresso Nacional se posicionando contra a Medida Provisória nº 1.061, que extingue o programa Bolsa Família e o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA).


Entregue pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), em 9 de agosto, a MP nº 1.061 significa, segundo os movimentos, o “desmonte de políticas públicas historicamente consolidadas e fundamentais para o combate à fome e às desigualdades sociais no País”.

::Agricultura familiar disputa espaço e atrai atenção na principal feira do agronegócio::

Entre os motivos listados para rejeição do novo instrumento, os movimentos indicam que a MP não estabelece a linha da pobreza e extrema pobreza, e, portanto, não apresenta os critérios considerados para ter acesso ao Auxílio Brasil, que também não tem estabelecido o valor para cada auxílio previsto no programa.

“A MP é confusa, reúne auxílios dispersos, que, em termos de orçamento, competem entre si, mascarando a ausência de recursos financeiros para as políticas sociais, além de penalizar as famílias mais vulneráveis à fome, que estão no mercado informal ou dependem de sua produção familiar para a subsistência”, diz Mariana Santarelli, membro do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e relatora para o direito humano à alimentação da Dhesca Brasil.

VEJA TAMBÉM:



Atualmente, o Bolsa Família atende 14,6 milhões de famílias, e cerca de 2 milhões de pessoas encontram-se na fila de espera para acessar o programa, reconhecido internacionalmente por seus resultados na redução da pobreza extrema.

Segundo as entidades signatárias da carta, que incluem movimentos sociais, associações, órgãos de pesquisa, sindicatos e outras organizações sociais, a MP também significa o fim do PAA, instrumento que permite que o poder público adquira a produção de alimentos da agricultura familiar camponesa e doe para instituições que atendem população em situação de vulnerabilidade.

Desde sua criação, em 2003, o PAA se tornou uma garantia de renda para milhares de pequenos produtores rurais no Brasil, reduzindo, ao mesmo tempo, a pobreza no campo e a insegurança alimentar nos centros urbanos. No entanto, nos últimos anos, o programa, que chegou a executar um orçamento de mais de R$ 800 milhões, em 2012, teve seus recursos reduzidos, chegando a operar pouco mais de R$ 50 milhões, em 2019.

No início da pandemia de Covid-19, em abril de 2020, a mobilização das entidades sociais do setor conseguiu que o Governo Federal, por meio do Ministério da Cidadania, liberasse verba complementar de R$ 500 milhões para combate à fome no país, por meio do PAA, alguns meses depois. Este ano, no entanto, a verba destinada ao programa voltou a cair para cerca de R$ 100 milhões, contribuindo para o agravamento da insegurança alimentar nas cidades e redução da produção e da renda no campo.

Coordenada pelo Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN), pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) e pela Comissão de Presidentes de Conselhos Estaduais de Segurança Alimentar e Nutricional (CPCE), a carta contou com a assinatura de 230 organizações e movimentos e será entregue a lideranças partidárias do Congresso Nacional.


Leia a seguir a íntegra do documento.


CARTA ABERTA PELA REJEIÇÃO DA MP N° 1.061

Em Defesa do Bolsa Família e Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), dizemos NÃO ao Auxílio Brasil e Alimenta Brasil

No dia 09 de agosto de 2021, o presidente Jair Bolsonaro entregou ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, a Medida Provisória n°1.061. A referida MP institui o Programa Auxílio Brasil e o Programa Alimenta Brasil, e representa mais um dos muitos ataques aos direitos sociais por este governo, que, desde seu início, vem imprimindo esforços voltados para desmonte do sistema de proteção social do país.

Trata-se de uma proposta que fere a constituição, visto que é um dispositivo inadequado, do ponto de vista formal, para encaminhar um assunto de tamanha dimensão e que impacta na vida de milhões de brasileiros/as, além de atropelar processos democráticos historicamente construídos. A proposta reflete a visão ultraneoliberal desta gestão, e reafirma uma concepção equivocada e preconceituosa de políticas e programas que preveem transferência monetária de renda voltados para populações em situação de extrema vulnerabilidade social.


O chamado Auxílio Brasil representa a EXTINÇÃO do Programa Bolsa Família (PBF). Ao propor a MP, o governo ignora o acúmulo de experiência e aprendizagem ao longo desses 18 anos de existência do Bolsa Família, reconhecido internacionalmente como um programa efetivo no combate à pobreza e à fome, além da promoção da seguridade social no Brasil.

Atualmente, o PBF atende 14,6 milhões de famílias, sendo que cerca de 2 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza, encontram-se na fila de espera para acessar o programa. São famílias que, mesmo cumprindo os critérios do CadÚnico, ainda não conseguiram acessar o programa, por escolha do atual governo em não aumentar a cobertura de atendimento.

A MP ainda prevê a criação do Alimenta Brasil, o que significa a extinção do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que se tornou uma das principais referências de incentivo à comercialização de alimentos produzidos pela agricultura familiar, por povos indígenas, quilombolas e demais povos e comunidades tradicionais. A MP também estabelece, em meio à cesta de auxílios, o já existente programa de Inclusão Produtiva, dividindo-o em duas modalidades, urbano e rural, o que denota um enorme desconhecimento sobre as realidades da agricultura familiar.

Fica evidente a intencionalidade política da MP n°1.061 de apagamento institucional no campo das políticas públicas e dos programas de transferência monetária de renda. Não se trata apenas de uma alteração no nome de programas vigentes, é mais do que isso, o governo demonstra a intenção de colocar no obscurantismo o PBF e o PAA, programas que marcaram as gestões de governos anteriores e demonstraram ser extremamente eficientes no combate às desigualdades sociais e na promoção da segurança alimentar e nutricional. Em um momento em que a fome atinge 19 milhões de brasileiros, número que certamente aumentará caso a MP seja aprovada, não podemos permitir que através de dispositivos inconstitucionais, o governo viole direitos fundamentais, exponha milhões de brasileiros/as a uma situação ainda mais perversa de carestia, e se isente do seu papel de formulador de políticas públicas alinhadas ao princípio da dignidade humana.


PORQUE SOMOS CONTRA O AUXÍLIO BRASIL

• Extingue o Programa Bolsa Família;

• Não estabelece a linha da pobreza e extrema pobreza, e, portanto, não apresenta os critérios considerados para ter acesso ao auxílio. Também não estabelece o valor para cada auxílio previsto no programa, nem prevê reajustes periódicos dos valores dos benefícios;

• Avança no desmonte do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), ignorando o pacto federativo e retirando dos municípios a gestão da porta de entrada de acesso às políticas de proteção social e renda;

• Extingue o CadÚnico sob a alegação de modernização. Ao propor que a porta de entrada do programa seja através do uso de um aplicativo, acaba com o maior banco de dados da gestão pública das políticas sociais;

• Reúne em um mesmo programa auxílios dispersos (Auxílio Esporte Escolar; Bolsa de Iniciação Científica Júnior; Auxílio Criança Cidadã; Auxílio Inclusão Produtiva Rural; Auxílio Inclusão Produtiva Urbana), que em termos de orçamento competem entre si, mascarando a ausência de recursos financeiros para as políticas sociais;

• Condena os que já se encontram em situação de extrema vulnerabilidade social à informalidade. Dois exemplos evidentes são: i) o auxílio Criança Cidadã, voltado para o pagamento de mensalidades em creches privadas, não necessariamente conveniadas com o poder público, direcionado apenas para mulheres com emprego formal; ii) o auxílio Inclusão Produtiva Urbana é direcionado aos que possuem vínculo formal de trabalho. A MP determina que, uma vez perdido o vínculo de trabalho, o acesso ao auxílio também seja cortado. São critérios perversos em um contexto em que o desemprego alcança mais de 14 milhões de pessoas, no qual, sabidamente, as mulheres são as mais afetadas, fato que se agrava no caso de mulheres negras e pardas;

• Define que 30% do Auxílio Emergencial é margem consignável, que pode ser alocada em empréstimos. Caso o beneficiário deixe de receber o benefício, mantém sua responsabilidade pelo pagamento do empréstimo, favorecendo o endividamento da população mais vulnerável;

• A instituição do Auxílio Criança Cidadã, que funciona com um voucher de acesso a creches privadas fere o direito à educação pública universal e favorece processos de exclusão e segregação1;

• A meta de atendimento de 17 milhões estabelecida no discurso oficial, na pratica significa apenas a inclusão das famílias que já se encontram na fila do PBF. Na realidade o Auxílio Brasil reduzirá o número de beneficiários atuais do Auxílio Emergencial de 39 milhões para 17 milhões;

PORQUE SOMOS CONTRA O ALIMENTA BRASIL E OS NOVOS AUXÍLIOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

• O Alimenta Brasil extingue o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), sem apresentar inovações, nem indicativo de recursos orçamentários;

• Com a extinção do PAA é desmontada toda a regulamentação existente, sem que seja definido vínculo, composição e condições de funcionamento no novo “Grupo Gestor do Alimenta Brasil”. Neste limbo de regulamentação, há riscos eminentes de retração do papel desempenhado pela Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) e centralização por parte do Ministério da Cidadania, e ainda insegurança jurídica para operacionalizar o já escasso orçamento existente do PAA;

• O Alimenta Brasil extingue a modalidade do PAA de “aquisição de sementes”;

• O auxílio Inclusão Produtiva Rural (e não o urbano) pune as famílias rurais, na medida em que, a partir do terceiro mês, são obrigados a doar alimentos, sem que seja definido o valor correspondente. A exigência desconsidera a produção para a subsistência e questões que interferem nas condições de produção (acesso a água, estiagem,...) e que afetam, sobretudo, as famílias mais vulneráveis à fome. Além disso as famílias que não doarem correm o risco de exclusão, ou até mesmo criminalização;

• No que diz respeito à temporalidade, o Inclusão Produtiva Rural prevê no máximo 36 meses (3 anos), após esse período a família só poderá voltar a ter acesso ao auxílio passados outros três anos.

Seguimos resistindo aos ataques à democracia e ao desmonte de políticas públicas historicamente consolidadas e fundamentais para o combate à fome e às desigualdades sociais no país.


Brasília (DF), 15 de outubro de 2021

Organizações Proponentes da Carta Aberta

Articulação Nacional de Agroecologia (ANA)

Comissão de Presidentes de Conselhos Estaduais de Segurança Alimentar e Nutricional (CPCE)

Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN)

Assinam a carta:
Organizações regionais, nacionais e internacionais
Ação da Cidadania
ACT Promoção da Saúde
ActionAid
Afipea
Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável
Amigos da Terra Brasil
Associação Internacional Maylê Sara Kalí
Associação Nacional da Carreira de Desenvolvimento de Políticas Sociais
Articulação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular em Saúde – Aneps
Articulação Nacional das Carreiras Públicas para o Desenvolvimento Sustentável – ARCA
Articulação Pacari Raizeiras do Cerrado
AS-PTA Agricultura Familiar e Agroecologia
Articulação Semiárido Brasileiro - ASA
Associação dos Servidores do Ipea e Sindicato Nacional dos Servidores do Ipea – Afipea
Associação Alternativa Terrazul
Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia - Abenfísio
Associação Brasileira de Saúde Bucal Coletiva
Associação Brasileira de Saúde Coletiva - Abrasco
Associação Casa dos Saberes
Associação Nacional Vida e Justiça em Apoio e Defesa dos Direitos das Vítimas da Covid-19
Avante-Educação e Mobilização Social
Campanha Nacional pelo Direito à Educação
Cátedra Josué de Castro de Sistemas Alimentares Saudáveis e Sustentáveis da/USP
Centro Brasileiro de Estudos da Saúde - CEBES
Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá
Centro Vida Orgânica
Coletivo Cultural Ecovida
Coletivo Flores da Resistência
Coletivo Flores pela Democracia
Coletivo Paulo Freire
Comissão Pastoral da Terra - CPT
Conselho Nacional das Populações Extrativistas - CNS
Conselho Regional de Economia Doméstica Norte e Nordeste – CRED 1
FASE - Solidariedade e Educação
FIAN Brasil
Fórum Nacional de Secretários (as) de Estado de Assistência Social - Fonseas
Fórum sobre Medicalização da Educação e da Sociedade
Frente Ampla Democrática Socioambiental - Fads
Frente Nacional em Defesa do SUAS
Fundação Luterana de Diaconia
Gestos (soropositividade, comunicação, gênero)
Greenpeace Brasil
Grupo de Pesquisa Nutrição e Pobreza
Grupo Tortura Nunca Mais
Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC
Instituto Avisa Lá
Instituto EcoVida
Instituto Giramundo Mutuando

Edição: Vinícius Segalla

Comentários para "Mais de 200 entidades lançam documento rejeitando MP que extingue Bolsa Família e PAA":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Com a crise, já são 12 milhões os beneficiários da Tarifa Social

Com a crise, já são 12 milhões os beneficiários da Tarifa Social

A nota técnica aponta que o aumento está relacionado ao agravamento da crise econômica por conta dos efeitos da pandemia.

MST finca raízes na produção agroecológica e projeta crescimento de vendas para 2022

MST finca raízes na produção agroecológica e projeta crescimento de vendas para 2022

Adenildo Souza colhe morangos em canteiro construído ao lado de outras frutas, verduras e legumes

Serra Pelada' fluvial no am acaba em fuga às pressas

Serra Pelada' fluvial no am acaba em fuga às pressas

Na pressa por deixar tudo e escapar da fiscalização, um celular de capa rosa ficou para trás, caído no assoalho de madeira do andar de cima da balsa.

ONU Mulheres lança estudo “Dimensões da Violência contra Defensoras de Direitos Humanos no Brasil”

ONU Mulheres lança estudo “Dimensões da Violência contra Defensoras de Direitos Humanos no Brasil”

O lançamento do estudo integrou a agenda de ações os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres

Pesquisadores criam proteção que amortece impacto de batidas em postes

Pesquisadores criam proteção que amortece impacto de batidas em postes

Equipamento diminui gravidade de acidentes e ocupantes dos veículos

Cinquenta e dois pesquisadores da Capes anunciam renúncia coletiva

Cinquenta e dois pesquisadores da Capes anunciam renúncia coletiva

A Capes é uma agência de fomento à pesquisa, ligada ao Ministério da Educação (MEC), que tem como missão avaliar os cursos de pós-graduação no Brasil e divulgar informações científicas. Desde abril deste ano, a Capes é presidida pela reitora do Centro Universitário de Bauru, Claudia Mansani Queda de Toledo.

Salvador cancela festa de réveillon por mais casos na Europa e variante ômicron

Salvador cancela festa de réveillon por mais casos na Europa e variante ômicron

Enquanto pesquisadores ainda tentam entender as características da nova cepa, medidas de controle, como restrição da entrada de estrangeiros, têm sido adotadas em países da Europa e de outros continentes.

Família tem visto revogado após ajudar parente a entrar ilegalmente nos Estados Unidos

Família tem visto revogado após ajudar parente a entrar ilegalmente nos Estados Unidos

Morar nos Estados Unidos e viver em busca do sonho americano é o desejo de vários brasileiros

Operação apreende 30 t de produtos irregulares para nutrição animal na PB e no RN

Operação apreende 30 t de produtos irregulares para nutrição animal na PB e no RN

Segundo comunicado do Ministério da Agricultura, na ação também foram fiscalizados 26 carros e 75 caminhões e veículos de cargas e apreendidas 3.520 embalagens que seriam reutilizadas.

Operação contra balsas de garimpo no Rio Madeira destruiu 131 dragas

Operação contra balsas de garimpo no Rio Madeira destruiu 131 dragas

Não houve nenhum registro de violência, uso de força ou disparo de arma de fogo, segundo o superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Leandro Almada.

Com voos cancelados, brasileiros na África do Sul pedem ajuda a consulado

Com voos cancelados, brasileiros na África do Sul pedem ajuda a consulado

Mesmo autorizados a voltar ao país, brasileiros que estão na África do Sul não conseguem encontrar voos para o retorno.