×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 17 de outubro de 2021

Mais de 4 bilhões de pessoas não têm nenhum tipo de segurança social

Mais de 4 bilhões de pessoas não têm nenhum tipo de segurança socialFoto: ILO/Marcel Crozet

Uma mulher carrega sua criança enquanto pede dinheiro nas ruas da Moldávia

Agência Onu News De Noticias - 01/09/2021 - 11:48:51

Organização Internacional do Trabalho divulga relatório, destacando como a pandemia de Covid-19 aumentou ainda mais a lacuna entre países de rendas alta e baixa.

Apesar de uma expansão sem precedentes da proteção social durante a crise causada pela Covid-19, mais de 4 bilhões de pessoas no mundo continuam sem qualquer tipo de proteção. Esta é a principal revelação de um estudo divulgado esta quarta-feira pela Organização Internacional do Trabalho, OIT.

A entidade destaca que a resposta à pandemia foi “desigual e insuficiente, aumentando ainda mais a lacuna entre países de rendas alta e baixa”.

Tecnologias digitais estão mudando mundo do trabalho

a2i

Tecnologias digitais estão mudando mundo do trabalho

Auxílio desemprego

A OIT explica que a segurança social inclui acesso à cuidados de saúde e segurança salarial, especialmente em relação à idade mais avançada, ao desemprego, a doenças, a deficiências, a acidentes de trabalho, licença-maternidade e benefícios para famílias com crianças.

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, declarou que os “países estão numa encruzilhada”. Ele acredita que este é um “momento crucial para aproveitar a resposta à pandemia e criar uma nova geração de sistemas de proteção social baseados em direitos”.

Trabalhadoras domésticas em protesto por melhores condições de trabalho

Foto OIT

Trabalhadoras domésticas em protesto por melhores condições de trabalho

Impactos da Covid-19

Segundo Ryder, só assim “os trabalhadores e as empresas terão a segurança para enfrentar transições futuras com confiança e esperança”. O Relatório Mundial da Proteção Social 2020-2022 traz um balanço global da situação recente da proteção social, cobrindo o impacto da pandemia de Covid-19.

A OIT destaca que apenas 47% da população mundial recebe cobertura eficaz de pelo menos um benefício. O documento mostra ainda as desigualdades entre regiões. Europa e Ásia Central tem as maiores taxas de cobertura, com 84% das pessoas recebendo pelo menos um benefício.

Nas Américas, 64% da população recebe proteção social, mas na África, o índice é de apenas 17,4%.

Idosos também enfrentam dificuldades relacionadas à idade, incluindo isolamento ou desafios físicos.

© UNHCR/Anastasia Vlasova

Idosos também enfrentam dificuldades relacionadas à idade, incluindo isolamento ou desafios físicos.

Mães e aposentados

Na média global, a maioria das crianças ainda não têm nenhuma cobertura – apenas uma entre quatro crianças recebe algum tipo de proteção social. Apenas 45% das mães com recém-nascidos recebe ajuda financeira extra e apenas uma entre três pessoas com algum tipo de deficiência recebe algum benefício. Mas a OIT destaca o Brasil entre os países que garantem proteção social a 100% das pessoas com deficiência.

O relatório informa ainda que apesar de 77,5% dos aposentados receber pensão, existem muitas disparidades entre regiões, entre áreas rurais e urbanas e entre mulheres e homens.

Aumento dos investimentos

O total que os governos gastam em proteção social também varia muito. No geral, os países gastam quase 13% do PIB em benefícios. Mas enquanto a taxa nos países de renda alta chega a 16,4%, em nações de baixa renda, o índice é de apenas 1,1% do PIB.

Para garantir pelo menos uma cobertura básica de proteção social, as nações de baixa renda precisam investir US$ 77,9 bilhões a mais, todos os anos, enquanto para as nações de rendas média-alta, a indicação da OIT é de investimento extra anual de US$ 750,8 bilhões.

A diretora do Departamento de Proteção Social da OIT, Shahra Razavi, lembra que os gastos públicos aumentaram muito com as medidas de resposta à crise, mas segundo ela, se os países cortarem na proteção social, os danos serão grandes, por isso, investimentos são necessários aqui e agora.

Comentários para "Mais de 4 bilhões de pessoas não têm nenhum tipo de segurança social":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Aplicativo vai ajudar crianças e adolescentes a denunciar violências

Plataforma será ligada à Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha contra insegurança alimentar ilumina Congresso Nacional

Campanha global lembra o Dia Mundial da Alimentação, no próximo sábado

Campanha

Campanha "Tenho Sede" conta com doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido

Na campanha, mulheres do semiárido contam suas histórias sobre como o acesso à água através das cisternas transformou as suas vidas

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Campanha da ASA busca doações para construir 1 milhão de cisternas no Semiárido brasileiro

Consideradas tecnologias simples e baratas, cisternas tendem a gerar benefícios para famílias e comunidades do semiárido

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Dia Nacional do Idoso: Conheça políticas públicas para essa população

Pessoas com mais de 60 anos representam quase 18% dos brasileiros

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

Itamaraty não fará nada sobre deportação de crianças brasileiras dos EUA para Haiti, diz professor

A Sputnik Brasil conversou Thiago Rodrigues, professor do Instituto de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), sobre a grave crise de migração que levou milhares de haitianos à cidade texana de Del Rio.

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

Cerca de 930 milhões de toneladas de comida vão parar no lixo, alerta FAO

2,5 milhões de pessoas na República Centro-Africana passam fome.

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Balé muda vida de adolescentes em favelas brasileiras

Dançar da favela para o mundo na plataforma da nuvem, é um sonho para todos os jovens bailarinos do Balé Paraisópolis em São Paulo no Brasil.

CNJ aprova política para atender pessoas em situação de rua: O que muda na prática?

CNJ aprova política para atender pessoas em situação de rua: O que muda na prática?

De acordo com o IPEA, no início da pandemia já chegava a 222 mil o número de pessoas vivendo em situação de rua no Brasil

Projeto Cultura Doadora realiza Semana da Doação de Órgãos entre os dias 26 e 1º de outubro

Projeto Cultura Doadora realiza Semana da Doação de Órgãos entre os dias 26 e 1º de outubro

O projeto Cultura Doadora preparou uma programação intensa para a Semana da Doação de Órgãos

Quase 9 mil vivem nas ruas de BH:

Quase 9 mil vivem nas ruas de BH: "A única coisa que eu quero é um lar para meus filhos”

Construção civil não para de anunciar novos empreendimentos em BH, mas não há indícios de que imóveis vão resolver problema habitacional