×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de janeiro de 2022

Mandetta avalia ‘submergir’ para sair do foco de crise do coronavírus

Mandetta avalia ‘submergir’ para sair do foco de crise do coronavírusFoto: Brasil de Fato

Auxiliares avaliam que ministro errou ao evidenciar divergências com Bolsonaro sobre estratégias de combate a pandemia

Estadão Conteúdo - 14/04/2020 - 16:31:04

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta , avalia mudar sua conduta em relação ao presidente Jair Bolsonaro e deve submergir nos próximos dias para sair do foco da crise. Integrantes do Ministério da Saúde consideram que, embora tenha defendido orientações de órgãos internacionais de saúde, o ministro errou ao evidenciar as divergências com o presidente sobre a melhor estratégia em relação ao coronavírus no fim de semana. O sentimento na pasta, de acordo com seus interlocutores, é de arrependimento após a entrevista concedida ao “ Fantástico ”, da TV Globo, que fragilizou o apoio de militares e de seus pares na Esplanada dos Ministérios.

Auxiliares de Bolsonaro, no entanto, veem com descrença o voto de silêncio do ministro. Isto porque, nas últimas semanas, Mandetta seguiu dobrando a aposta ao contrariar o presidente sobre temas como isolamento social e uso da cloroquina em pacientes do coronavírus mesmo após conversas que pretendiam apaziguar a relação. Neste momento, segundo pessoas com acesso ao gabinete presidencial, a situação de Mandetta segue indefinida. Ou seja, Bolsonaro continua insatisfeito com o ministro, mas ainda calcula a data e conveniência de uma demissão.

Em entrevista ao Estadão Live Talks na manhã desta terça-feira, 14, o vice-presidente Hamilton Mourão criticou o ministro da Saúde, dizendo que ele “cruzou a linha da bola” quando disse na entrevista que a população não sabe se deve acreditar nele ou no presidente. “Ele fez uma falta. Merecia um cartão”, disse Mourão, afirmando que julga que “o presidente não deve mudar o ministro neste momento.”



De acordo com interlocutores do Planalto, Bolsonaro tem observando um ambiente mais favorável a ele, enquanto as críticas sobre a atuação de Mandetta começam a surgir com mais ênfase internamente. Na avaliação de um aliado, o presidente e o ministro, neste momento da crise, trocaram de papéis. Bolsonaro diminui o tom, enquanto Mandetta dobrou a aposta e “ficou falando sozinho.” Questionado sobre a entrevista ao Fantástico, o chefe do Executivo disse que não assiste à Rede Globo.

Enquanto Bolsonaro defende flexibilizar medidas como fechamento de escolas e do comércio para mitigar os efeitos na economia do País, permitindo que jovens voltem ao trabalho, o ministro tem mantido a orientação da pasta para as pessoas ficarem em casa. A recomendação do titular da Saúde segue o que dizem especialistas e a Organização Mundial de Saúde (OMS), que consideram o isolamento social a forma mais eficaz de se evitar a propagação do vírus.

Ministro e presidente também têm se desentendido sobre o uso da cloroquina em pacientes da covid-19. Bolsonaro é um entusiasta do medicamento indicado para tratar a malária, mas que tem apresentado resultados promissores contra o coronavírus. Mandetta, por sua vez, tem pedido cautela na prescrição do remédio, uma vez que ainda não há pesquisas conclusivas que comprovem sua eficácia contra o vírus.

A participação de Mandetta nas entrevistas coletivas de imprensa, que ocorrem diariamente no Planalto com um balanço sobre o novo coronavírus no País, ainda estão sob suspense. O ministro da Saúde aguarda orientações do Ministério da Casa Civil para saber se participará. Na segunda-feira, o ministro foi representado por técnicos. Ele também tem sido orientado por auxiliares a não conceder entrevistas a jornalistas ao longo da semana. A ideia, de acordo com um aliado, é "dar uma mergulhada por enquanto".

Alguns membros do DEM , partido de Mandetta, já vinham alertando o ministro a moderar o tom. Na visão desse grupo, mesmo sendo contrário às medidas defendidas pelo presidente Jair Bolsonaro, é difícil tolerar insubordinação em qualquer esfera.

Na semana passada, Mandetta descumpriu orientação do Planalto de evitar questionamentos da imprensa durante balanço sobre o novo coronavírus. Após o aviso de que perguntas não seriam permitidas, o ministro da Saúde quebrou o protocolo e permitiu que os jornalistas se manifestassem. A primeira questão levantada foi justamente sobre a relação com o presidente após os recentes desentendimentos, assunto que o Planalto queria evitar.

Entrevista de Mandetta no ‘Fantástico’ gerou nova crise

O estopim da nova crise foi a entrevista dada por Mandetta ao Fantástico na noite de domingo. O tom adotado pelo ministro foi considerado por militares do governo e até mesmo por secretários estaduais da Saúde como uma “provocação” ao presidente.

Na ocasião, Mandetta afirmou que o governo carece de um discurso unificado sobre o enfrentamento à pandemia e dirigiu cobranças a Bolsonaro, que tem ignorado recomendações de isolamento social e defendido o retorno ao trabalho. O presidente e outros integrantes do governo não foram avisados da entrevista e foram pegos de surpresa.

A entrevista à TV Globo foi uma decisão individual de Mandetta. No fim de março, o Planalto resolveu unificar a comunicação sobre a crise do coronavírus. Com isso, as entrevistas de todos os ministros passaram a ser concedidas na sede do Executivo. Na semana passada, diante de rumores de uma demissão e após uma reunião tensa com o presidente, Mandetta também decidiu dar uma entrevista no Ministério da Saúde sem o conhecimento do Planalto.

Na ocasião, admitiu que seus auxiliares na pasta chegaram a limpar suas gavetas. Em um pronunciamento à imprensa, Mandetta pediu “paz” para trabalhar e reclamou de críticas que, em sua visão, criam dificuldades para o seu trabalho. A interlocutores, o ministro tem confidenciado que gostaria que Bolsonaro o demitisse, mas mantém a posição de não tomar a iniciativa de deixar o governo com receio de ficar com o ônus de ter abandonado “o barco” no momento de crise e assumir uma nova linha de combate à covid-19.

Comentários para "Mandetta avalia ‘submergir’ para sair do foco de crise do coronavírus":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

Tribunal anula autorizações para exploração mineral em terras indígenas no Pará

A ANM fica proibida de liberar novas autorizações de pesquisa mineral, permissão de lavra garimpeira e concessão de lavra mineral na região, no perímetro que abrange as terras indígenas Parakanã, Trocará e suas adjacências.

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Em vez dos esperados 33%, governo quer reajuste de 7,5% para professores

Voo com brasileiros deportados dos EUA chega a Belo Horizonte

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Eletricitários entram em greve em defesa da Eletrobras Pública e de direitos

Se privatizar a Eletrobras haverá aumento da conta de luz e precarização dos serviços, diz integrante de Coletivo

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Moradores denunciam ação policial em chacina que matou quatro pessoas na Chapada dos Veadeiros

Armas e plantas de maconha que teriam sido apreendidas pela Polícia Militar no local da chacina

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Possível federalização do caso anularia setenças da Justiça estadual

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

Há 13 anos no topo da lista, Brasil continua sendo o país que mais mata pessoas trans no mundo

De outubro de 2020 a setembro de 2021 foram registrados 375 assassinatos no mundo, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior

Intolerância religiosa:

Intolerância religiosa: "Brasil vive negação de direitos", afirma especialista

Violência aumentou nos últimos anos e políticas de combate foram enfraquecidas

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil