×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 30 de novembro de 2021

Natalha Nascimento. Vida de luta e sonhos realizados

Natalha Nascimento. Vida de luta e sonhos realizadosFoto: Correio Braziliense

"Eu sou a única transgênero, negra, favelada licenciada em matemática da América Latina de que se tem notícia. Muitas meninas queriam ter a oportunidade que eu tive e infelizmente não tiveram"

Deborah Fortuna - Correio Braziliense - 04/11/2019 - 07:30:38

Natalha Nascimento trocou uma indenização em dinheiro pela chance de proferir uma palestra de conscientização para pessoas que a ofenderam e agrediram. E essa foi apenas uma das várias batalhas que enfrentou e venceu na vida.

Era mais um dia em que Natalha Nascimento andava pela Rodoviária do Plano Piloto. Mais um dia de olhares de desaprovação e mais um dia em que, ao passar em frente a uma pastelaria, passou a ouvir ofensas dos funcionários. Naquele 26 de abril, porém, a mulher negra e transexual cansou-se de ouvir calada os xingamentos.


Parou e perguntou por que aqueles homens sempre se comportavam de maneira tão hostil com ela. Então ouviu de um deles: "Eu faço piadinhas quantas vezes eu quiser, seu veado". A frase, somada ao longo tempo de humilhação, fez Natalha perder o controle. "Aquilo foi o estopim. Eu cuspi nele", recorda, dois anos e meio depois.


A reação de Natalha, hoje com 36 anos, fez o homem partir das ofensas para a agressão física. "Eu lembro que caí de costas e que meus cabelos estavam presos na mão dele. Depois, levei um chute na costela", conta. Os outros funcionários apenas olhavam. Foi uma voz distante que a salvou. "Alguém disse para ele não fazer aquilo, que era covardia."


Ela só buscou uma delegacia dois dias mais tarde, após uma conversa por telefone com a mãe, que mora no Pará. Depois, Natalha foi ao Conselho de Direitos Humanos, e a denúncia virou processo. "Eu acionei a Justiça porque não vi nenhum crime ou erro cometido por mim que motivasse o comportamento dos funcionários", explica.


Em uma audiência conciliatória, foi oferecida uma indenização, mas Natalha recusou o dinheiro. Queria um pedido de desculpas e a oportunidade de dar uma palestra sobre diversidade e gênero aos funcionários, o que foi aceito pela empresa. Apesar de o agressor não ter participado nem pedido desculpas, outros homens que também a tinham ofendido estavam ali para escutá-la. "Foi uma forma de resgatar o que era meu. Acho que surtiu efeito. Voltei a passar lá na frente e faço isso até hoje. Nunca mais ouvi uma palavra, mas também evito olhar para eles."


Cicatrizes


O episódio, que tornou Natalha conhecida no país inteiro, após o acordo feito na Justiça ser noticiado por diversos veículos, é só uma das várias batalhas enfrentadas pela mulher nascida na pequena Açailândia, no interior do Maranhão. As cicatrizes nas mãos, no colo e no punho são sinais de uma vida de luta, com muitos sonhos realizados, mas também vários reveses.


Um deles, que ainda machuca a ponto de Natalha não gostar de falar sobre, a tirou de sala de aula. Formada em licenciatura em matemática pela Universidade Estadual de Goiás, ela sempre quis ser professora, o que fez até 2013, ano em que decidiu deixar a sala de aula. "Naquela época, estava uma loucura, com opiniões muito contrárias", limita-se a dizer.


Mais um recomeço. Trabalhou como copeira, doméstica e atendente de lanchonete, até que voltou à escola, desta vez, como educadora social voluntária em um colégio na Estrutural, onde mora. Ali, ouve os alunos, acolhe suas angústias e ajuda na inserção dos que se sentem excluídos, como uma aluna autista, que merece grande parte de sua atenção. "Eu percebo que estou contribuindo para a construção de cidadãos fortes", fala sorrindo, sentada na sala da pequena casa em que mora com o cachorro Mailo, cercada de livros de matemática e português.


Motivo de orgulho


A atuação como educadora social também a ajuda a se preparar para um retorno à sala de aula, um lugar, segundo ela, "impressionante". "Estou engatinhando para voltar hoje", anuncia, com a paciência e o respeito ao próprio tempo que aprendeu a cultivar. Afinal, Natalha sabe que as conquistas até aqui não foram poucas.


Na pequena Açailândia, chegar à universidade era algo "muito distante". Para uma pessoa trans, parecia impossível. "Eu sou a única transgênero, negra, favelada, licenciada em matemática da América Latina de que se tem notícia. Isso é para mostrar o tamanho da desigualdade. Muitas meninas queriam ter a oportunidade que eu tive e infelizmente não tiveram", aponta.


Outra oportunidade que Natalha abraça com todas as forças é a própria vida. Dados da União Nacional LGBT apontam que o tempo médio de vida de uma pessoa trans no Brasil é de apenas 35 anos. "Ser uma pessoa transgênero e chegar aos 36 anos de idade é um orgulho. Eu tenho apreço pela vida. Esse é o bem mais precioso que eu tenho."


Especial

Para marcar o Mês da Consciência Negra, a série Histórias de consciência é publicada ao longo de novembro e presta homenagem a mulheres e homens negros que ajudam a construir uma Brasília justa, tolerante e plural. Todos os perfis deste especial e outras matérias sobre o tema podem ser lidos no site www.correiobraziliense.com.br/ historiasdeconsciencia

Comentários para "Natalha Nascimento. Vida de luta e sonhos realizados":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Com apoio do governo do DF, vem aí o Geek Game Fest

Com apoio do governo do DF, vem aí o Geek Game Fest

Maratona imersiva de dois dias, onde apaixonados pelo universo dos jogos eletrônicos poderão interagir com modalidades e vertentes da cultura digital

Defesa Civil alerta sobre chuvas intensas e ventos fortes no DF

Defesa Civil alerta sobre chuvas intensas e ventos fortes no DF

A recomendação é de que as pessoas redobrem a atenção neste período e estejam sempre alertas para a previsão do tempo, de forma a se precaver dos riscos decorrentes das fortes chuvas

UnB anuncia vestibular tradicional com 2.112 vagas

UnB anuncia vestibular tradicional com 2.112 vagas

Vestibular será realizado por meio de três sistemas de vagas

IGESDF: Justiça define que sindicato não tem legitimidade para pedir abertura de CPI na CLDF

IGESDF: Justiça define que sindicato não tem legitimidade para pedir abertura de CPI na CLDF

A relatora afirmou que a entidade sindical não tem legitimidade para requerer a instalação da CPI e, por isso, extinguiu o processo sem resolução do mérito.

Prosus recomenda reapuração de valores pagos à Associação Saúde em Movimento

Prosus recomenda reapuração de valores pagos à Associação Saúde em Movimento

Instituição pode ter recebido a mais pela gestão de hospital de campanha

Alterado percurso para São Sebastião, Itapoã e Paranoá

Alterado percurso para São Sebastião, Itapoã e Paranoá

Mudança ocorre em função de novo abrigo instalado, a pedido de passageiros, próximo à Vila Planalto

11ª Operação Força Conjunta do Detran flagra 202 motoristas alcoolizados no Distrito Federal

11ª Operação Força Conjunta do Detran flagra 202 motoristas alcoolizados no Distrito Federal

Agentes também flagraram, no fim de semana, mais de 150 condutores utilizando telefone celular

Governo do DF envia para a Câmara Legislativa o Projeto de Lei do Refis 2021

Governo do DF envia para a Câmara Legislativa o Projeto de Lei do Refis 2021

Refis 2021 é enviado para a Câmara Legislativa

Encontro da Indústria de Aeroportos mostra atrativos de Brasília

Encontro da Indústria de Aeroportos mostra atrativos de Brasília

A indústria de aeroportos, que realiza o 1º encontro nacional do setor, é um importante agente de suporte para as atividades econômicas de grandes cidades como Brasília

Hospital DF oferece suporte a mulheres vítimas de agressão

Hospital DF oferece suporte a mulheres vítimas de agressão

No centro, os profissionais de enfermagem fazem o primeiro contato com as vítimas, que contam também com médicos, psicólogos e assistentes sociais

Nota Legal dará crédito em dobro durante compras de Natal

Nota Legal dará crédito em dobro durante compras de Natal

Objetivo é aquecer as vendas entre 10 de dezembro de 2021 e 10 de janeiro de 2022: é mais uma medida de apoio ao setor produtivo