×
ContextoExato
Responsive image

No Dia da Enfermagem, profissionais relatam rotinas exaustivas e baixos salários

No Dia da Enfermagem, profissionais relatam rotinas exaustivas e baixos saláriosFoto: Scarlett Rocha/Esquerda Online

Brasil responde por um terço das mortes de profissionais da enfermagem em todo o mundo.

Mariana Castro - Brasil De Fato | Imperatriz (ma) - 12/05/2021 - 20:45:48

Falta de equipamentos também comprometem a vida de enfermeiros, técnicos e auxiliares durante pandemia da covid-19

Nesta quarta-feira, dia 12, é celebrado o Dia Mundial da Enfermagem. No Brasil, acontece também a Semana da Enfermagem, do dia 12 até o dia 20 de maio, culminando com o Dia do Técnico e Auxiliar de Enfermagem.

Esses profissionais sempre desempenharam papel fundamental na saúde, mas no contexto de crise em meio à pandemia, o olhar do mundo se voltou a eles, que fazem toda a gerência da assistência, do cuidado e acompanhamento às pessoas.

:: Covid: em Belo Horizonte, técnicos de enfermagem ganham 20% do salário de um médico ::

O maior número de trabalhadores atuantes na linha de frente do combate ao coronavírus são enfermeiros, técnicos e auxiliares, tanto em instituições públicas quanto nas privadas, eles equivalem a cerca de 75% da mão de obra que compõe a saúde. Eles representam ainda a única equipe presente na assistência 24 horas por dia em contato direto com o paciente.

Por outro lado, representam também o maior número de vítimas da área da saúde no Brasil.

Com rotinas exaustivas, baixa remuneração, submetidos ao medo de contaminação, à falta de recursos humanos e materiais, o Brasil responde por um terço do total de mortes pela covid-19 entre os profissionais da categoria.

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) avalia que desde o início da pandemia, 776 enfermeiros perderam a vida para a covid-19. Em abril, foram sete profissionais de enfermagem mortos na região Norte, três no Nordeste, cinco no Centro-Oeste, oito no Sul e um no Sudeste, região que apresentou menor índice de mortes desde março de 2020.

:: Nova lei garante indenização a profissionais da saúde incapacitados pela covid-19 ::

Em entrevista ao programa Bem Viver, o enfermeiro, advogado e professor universitário Antônio Marcos Freire Gomes, vice-presidente do Conselho Federal de Enfermagem, o Cofen fala sobre o protagonismo e desafios da enfermagem.

Ele explica que, caso a vacinação fosse um projeto nacional de combate à covid-19 desde o início, o Brasil poderia ter avançado muito mais.

"É de lamentar que no nosso entendimento essa vacinação demorou muito, já poderíamos ter avançado muito mais. O Brasil vive uma dificuldade grande de vacinação e isso traz uma repercussão, certamente, na evolução e no controle da doença. Você percebe, por exemplo, no mapa de mortes dos profissionais da enfermagem que houve um declínio acentuado a partir de março de 2021, quando os profissionais começaram a ser vacinados com maior intensidade", explica.

Além de aplausos e justas homenagens, Antônio Marcos Freire explica que, com urgência, os profissionais da enfermagem precisam ser devidamente valorizados com melhores condições de trabalho, a partir da aprovação do Projeto de Lei n° 2564, que institui o piso salarial nacional para enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parteiras e regularização da jornada de trabalho.

O projeto fixa o piso em R$ 7.315 para enfermeiros. Com a aprovação, os técnicos de enfermagem terão o piso proporcional a esse valor em 70%, equivalente a R$ 5.120 e 50% para os auxiliares de enfermagem e as parteiras, que representa R$3.657 . Os valores são baseados em uma jornada de 30 horas semanais e são válidos para União, estados, municípios, Distrito Federal e instituições de saúde privadas.

"É humanamente impossível pensar o grau de responsabilidade, acentuado por um volume incontrolado de pacientes no auge da pandemia, quando ele tem que fazer um malabarismo institucional interno para atender a todos, porque ninguém poderia voltar para casa sem atender a todos, mas sem um salário digno", lamenta.

Confira entrevista completa:

Brasil de Fato: No início da pandemia vivemos um pânico generalizado, sem entender a doença, sem saber o que fazer, como lidar com os pacientes. Essa falta de informações colocou especialmente os profissionais da enfermagem em vulnerabilidade?

Antônio Marcos (Cofen): Não tenho dúvidas. Essa falta de conhecimento em torno da doença, da maneira como ela interagia, no sentido de contágio e medidas de proteção que eram exigidas, a falta de equipamentos para a proteção individual dos trabalhadores, e pelo fato de sermos uma categoria que está à frente dos serviços de saúde. Cerca de 75% da mão de obra que compõe a saúde é composta de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem que estão 24h presentes no atendimento, expos, sem sombra de dúvidas, às maiores dificuldades no combate à pandemia, tanto na primeira onda, quando chegou a doença, a partir de fevereiro, quanto agora, no início de 2021.

O Brasil está na liderança mundial de mortes de profissionais da enfermagem por covid-19. Que conjunto de fatores nos levaram a isso?

Primeiro, a questão da doença em si, que trouxe em si, que trouxe para nós um cenário total de desconhecimento em relação à doença, e isso se somou a uma realidade que, esta, nós já sabíamos aqui no Brasil há muito tempo porque nós já temos colocado isso nos diversos meios de debate. Inclusive no próprio Judiciário, com medidas judiciais que nós entramos, para garantir o cumprimento da legislação da enfermagem, que é o cenário de muita gente doente, muitos pacientes, para o pouco quantitativo, ou seja, uma quantidade subdimensionada de profissionais para cuidar desses doentes. Essa é uma realidade em todo o país, que dificulta em muito a implementação de uma assistência de qualidade, leva os profissionais à exaustão, leva os profissionais ao estresse ocupacional muito grande, provocando inclusive muitas doenças do trabalho aos trabalhadores. Então esse cenário foi muito difícil por conta do vírus, dos efeitos de uma nova e devastadora, mas com uma realidade que há anos e anos vem mitigando a saúde dos trabalhadores da enfermagem no Brasil.

Apesar de tardia, com a vacinação dos profissionais da saúde já podemos avaliar uma melhora nesse quadro?

Sim. É de lamentar que no nosso entendimento essa vacinação demorou muito, já poderíamos ter avançado muito mais. O Brasil vive uma dificuldade grande de vacinação e isso traz uma repercussão, certamente, na evolução e no controle da doença. Você percebe, por exemplo, no mapa de mortes dos profissionais da enfermagem que houve um declínio acentuado a partir de março de 2021, quando os profissionais começaram a ser vacinados com maior intensidade e isso repercutiu, obviamente, em uma proteção maior a eles, em um controle maior da exposição sob o aspecto de uma imunidade mais reportada. Isso levou a uma redução do número de mortes dos nossos profissionais da enfermagem, diferentemente do que acontece com a população de modo geral, que teve um crescimento. Então você tem um crescimento de modo geral, mas tem um declínio nos profissionais de enfermagem porque foram um dos primeiros grupos a serem vacinados pela razão óbvia de estarem à frente do atendimento.

Testemunha de diversas irregularidades provocadas pelo governo federal no combate e prevenção à covid-19, o Cofen já vinha alertando para a necessidade de uma CPI. Quais são as expectativas nesse momento?

A gente tem uma expectativa de que os fatos sejam esclarecidos, mas que, especialmente, o governo brasileiro possa tomar as rédeas em um processo nacional que sempre foi feito pelo Ministério da Saúde, que seria de organizar o processo de combate à covid-19. Nós percebemos que o governo federal, pela linha de trabalho que adotou, deixou muito vulnerável esse trabalho, a organização, a sistematização desse trabalho, dando aos municípios e aos estados, que nós teríamos que ter, uma descentralização, mas nesse momento precisaríamos ter uma linha definida de trabalho pelo Ministério de Saúde.

A gente imagina que a partir de agora o governo reconheça que é preciso tomar as redes de um processo nacional de organização de combate à covid-19. Não só em relação à própria vacinação, que é a saída que nós temos para controlar a doença, mas com relação ao fornecimento de equipamentos de proteção individual, com relação à capacitação dos profissionais que atuam na linha de frente de combate, considerando as novidades que sempre estão vindo, descobertas novas formas de contágio, tratamento e controle da doença. E também, porque sempre foi o governo federal que deu as principais diretrizes com relação à saúde nacional, através do Sistema Único de Saúde.

Então a gente espera muito, sem querer entrar no resultado político do que acontece em Brasília, a gente espera que o Ministério entenda que tudo isso acontece pela falta de uma política forte de orientação nacional com relação ao combate à covid-19.

Uma das linhas de investigação da CPI aponta que Bolsonaro teria adotado a estratégia de atingir 'imunidade de rebanho', através da contaminação do maior número possível de pessoas, sem vacinas. Você avalia que as ações e discursos adotados seguiam esse sentido?

Acho que qualquer afirmação nesse sentido pode ser precoce, e eu acho que o trabalho da CPI vem esclarecer exatamente isso, mas é possível você fazer uma analise conjuntural de que o governo brasileiro, de certa forma, foi omisso em relação a prestar orientação que pudesse servir de diretriz nacional. Então tivemos, sem sombra de dúvidas, um comportamento que hora tendia para um lado, hora para outro. Em um momento o Ministério da Saúde incentivava o isolamento, outra hora o poder Executivo dizia que não deveria ter o isolamento, que deveria ter outro tipo de comportamento que não fosse o isolamento. Isso geral, sem sombra de dúvidas, um descompasso muito grande em relação às orientações que eram prestadas a nível federal e que repercutiu nos estados e nos municípios.

Se houve ou não uma intencionalidade disso, o fato é que a consequência dava o entendimento de que se queria que o maior número de pessoas fosse contaminada para criar aquela imunidade de rebanho, e assim a doença fosse superada de maneira mais rápida, o que de fato não aconteceu e levou ao que nós temos hoje, o que lamentavelmente nós temos hoje no Brasil em número de mortos.

Para além dos aplausos e homenagens aos profissionais da enfermagem, que mudanças realmente precisam acontecer para que eles sejam devidamente valorizados?

Nós temos acompanhado de perto a vida dos profissionais de enfermagem e tem duas coisas que precisam ser implementadas – e muito.

Com todo o reconhecimento e gratidão pelos aplausos que a sociedade mundial, especialmente a brasileira têm dado aos profissionais da enfermagem aqui no Brasil, a gente agradece, mas o que precisamos de fato, é o reconhecimento através do salário digno e uma jornada definida.

Os profissionais de enfermagem do Brasil têm discrepâncias absurdas em termos de salário. Para ter uma ideia, fontes de uma pesquisa que nós realizamos via Fiocruz, comprova que 81% dos profissionais de enfermagem brasileiros recebem até R$ 3.000,00 pela jornada de trabalho, o que é incompatível com toda a importância do trabalho que eles realizam, da responsabilidade que eles têm diante da organização, do planejamento, do direcionamento e das ações que são realizadas no âmbito daquele hospital, daquela unidade de saúde.

É humanamente impossível pensar o grau de responsabilidade, acentuado por um volume incontrolado de pacientes no auge da pandemia, quando ele tem que fazer um malabarismo institucional interno para atender a todos, porque ninguém poderia voltar para casa sem atender a todos, mas sem um salário digno.

Inclusive, nesse aspecto tem um projeto que está em debate no Senado agora, conhecido por todos, que pede um teto mínimo para esses profissionais, para que eles possam, primeiro, serem estimulados a continuar nesse embate duro que estão tendo, de cuidar da população com todas as repercussões desfavoráveis que eles têm na vida pessoal, inclusive precisando se afastar de familiares, de seus filhos, para poderem ficar na linha de frente. Dar condições para que eles possam ter condições de ter apenas um vínculo de emprego, e assim terem tempo de cuidar da própria saúde, da família, e investir na sua capacitação, porque não temos um sistema nacional de capacitação voltado para o setor privado. No setor público existe, mas com muitas limitações. Então o piso salarial iria trazer essas possibilidades, e sem desconsiderar o período de crise econômica que o país passa, esse profissional é a única fonte de renda da família, porque os seus membros estão desempregados, sem fonte de renda, e essa acaba sendo a única fonte sustentável. Esse seria um reconhecimento que consagraria o direito que já vem sendo pleiteado pelos profissionais.

Edição: Vivian Virissimo

Comentários para "No Dia da Enfermagem, profissionais relatam rotinas exaustivas e baixos salários":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório