×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 24 de janeiro de 2022

“Presidente legitima ações agressivas contra a imprensa”

“Presidente legitima ações agressivas contra a imprensa”Foto: Deutsche Welle

Insultos e a ameaças de militantes de extrema direita levam veículos de comunicação a suspender cobertura no Palácio da Alvorada. Para presidente da Abraji, comportamento de Bolsonaro incentiva hostilidade.

Deutsche Welle - 26/05/2020 - 17:27:04

Nesta terça-feira (26/05), pela primeira vez no governo Jair Bolsonaro, repórteres de diversos veículos de comunicação não se deslocaram de manhã cedo para a porta do Palácio da Alvorada, em Brasília, para fazer perguntas ao presidente sobre temas relevantes ao país, devido à crescente hostilidade dirigidas por militantes de extrema direita aos jornalistas no local.

A decisão de suspender temporariamente a cobertura jornalística na saída da residência oficial do presidente, com o objetivo de proteger a integridade física dos repórteres, foi tomada pelo jornal Folha de S.Paulo , a TV Bandeirantes, os sites Metrópoles e UOL e por veículos do Grupo Globo, entre eles a TV Globo, a Globo News, os jornais O Globo e Valor Econômico e o portal G1.

O presidente da Associação Brasileira de Jornalismo (Abraji), Marcelo Träsel, afirma à DW Brasil que a retirada dos jornalistas da porta do Alvorada é o capítulo mais recente de uma escalada de ataques à imprensa promovido pelo próprio presidente da República e seu grupo político, que estimulam a hostilidade contra os repórteres e oferecem uma sensação de impunidade aos militantes que decidem partir para a violência.

"As palavras do presidente acabam legitimando ações mais agressivas da militância, criam um clima de desconfiança na população sobre os jornalistas, e algumas pessoas mais exaltadas acabam partindo para a violência. (…) E como a maior autoridade da República não condena essas agressões, pelo contrário, segue com o discurso hostil, passa a impressão que não haverá punição contra esse tipo de atitude”, diz.

Träsel, que também é jornalista e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, afirma que a hostilidade patrocinada por Bolsonaro contra a imprensa faz parte de uma estratégia política de mobilização de sua base. Além das agressões físicas, ele aponta que o assédio virtual contra os jornalistas tem sido um grande problema enfrentado pelos profissionais. E pondera que a decisão dos veículos de deixar a cobertura da porta do Alvorada é complexa do ponto de vista da ética jornalística.

DW Brasil: Como a Abraji avalia a decisão de grandes veículos de comunicação tirarem seus repórteres da porta do Alvorada?

Marcelo Träsel: A Abraji apoia a decisão dos veículos que tiraram seus repórteres, mas não condena os veículos que optaram por deixar repórteres lá. É um debate complexo do ponto de vista da prática profissional e da ética jornalística.

Temos acompanhado os problemas que acontecem nessas entrevistas, emitimos diversas notas de repúdio por causa do comportamento do presidente nessas ocasiões, em que ele ofende os repórteres e faz críticas à imprensa. Há um clima constante de hostilidade, e mais recentemente falta de segurança, pois os jornalistas e os militantes que apoiam o governo compartilham o mesmo espaço. Tem havido agressões físicas de jornalistas em Brasília, e repórteres que estão na porta do Alvorada dizem que não têm garantias à sua integridade física.

Uma vez garantida a segurança dos jornalistas, a imprensa deveria ir à porta do Alvorada todas as manhãs, apesar dos repetidos ataques verbais do presidente à imprensa?

A Abraji não faz avaliações sobre decisões editoriais, e reconhece que existem bons motivos tanto para ficar quanto para sair de lá. A única recomendação é que a segurança dos jornalistas seja garantida.

Minha impressão particular, como jornalista e professor, é que essas entrevistas não têm oferecido notícias que justifiquem expor os jornalistas a uma humilhação constante. Como pesquisador, analiso essas entrevistas como uma peça na estratégia de propaganda política do presidente e do grupo politico que ele representa.

Muitas vezes a militância edita os vídeos e distribui por redes sociais trechos do Bolsonaro ofendendo repórteres e a mídia, para inflamar a base de apoio. Se a melhor forma de garantir a segurança é se retirar de lá, apoiamos a decisão, embora reconheçamos que se possa perder alguma declaração do presidente. Mas há outras formas de cobrir o governo, e o Bolsonaro sempre se manifesta em outras ocasiões e faz lives.

As intimidações contra repórteres feita por militantes na porta do Alvorada se inserem em uma escalada de violência contra jornalistas, com diversos casos de agressões físicas. O presidente tem alguma responsabilidade por esses episódios?

Sim, o discurso de Bolsonaro nessas entrevistas e em diversas oportunidades é hostil à imprensa, colocando os jornalistas como inimigos do governo federal. As palavras do presidente acabam legitimando ações mais agressivas da militância, criam um clima de desconfiança na população sobre os jornalistas, e algumas pessoas mais exaltadas acabam partindo para a violência.

Se a gente analisar o que essas pessoas dizem durante os vídeos, é praticamente o mesmo que o presidente diz sobre a imprensa. E como a maior autoridade da República não condena essas agressões, pelo contrário, segue com o discurso hostil, passa a impressão que não haverá punição contra esse tipo de atitude.

Além de notas de repúdio, o que mais as associações de jornalistas ou de veículos de imprensa poderiam fazer para fazer frente a esses ataques?

As associações têm o poder de pressão política. O próprio registro e denúncia internacional desses casos contribui para que haja pressão sobre o governo. Além disso, amanhã vamos lançar um convênio junto com a OAB pelo qual os jornalistas que forem assediados nas redes sociais poderão ter uma primeira orientação com um advogado para saber como proceder — além das agressões físicas, o assédio virtual tem sido um grande problema.

Recentemente a Abraji participou de uma audiência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos na qual foram expostas todas essas infrações à liberdade de imprensa que estamos vivenciando. Também estamos sempre telefonando para prefeitos e secretarias de comunicação pedindo explicações sobre casos de violação, e muita vezes esse contato já ajuda bastante.

O vice-presidente Hamilton Mourão publicou neste mês um artigo no qual afirma que a imprensa precisa "rever seus procedimentos” e defende que opiniões contrárias e favoráveis ao governo deveriam ter o mesmo espaço. No mês passado, o ministro general Ramos pediu que imprensa desse notícias positivas em meio à pandemia. O governo tem uma boa compreensão de qual é o papel da imprensa livre?

Essas declarações deixam bastante claro que não tem. Muitas vezes as pessoas interpretam o noticiário sobre ações do governo com problemas ou casos de corrupção como uma campanha contra um determinado governo, mas isso parte de uma confusão entre estado e governo. O papel da imprensa é fiscalizar as atividades do estado, que é um patrimônio publico de todos nós. Portanto, deve fiscalizar como os governos e os servidores públicos estão se comportando em relação ao estado.

A imprensa acaba sempre tendo uma relação tensa com os governos. Mas desde a redemocratização, com mais um menos vontade, sempre houve uma relação cordial entre autoridades e imprensa. No atual governo, essa regra se quebrou. Isso se deve, por um lado, a essa falta de compreensão, mas também tem muito de uma estratégia política, de criar um conflito entre o governo federal e a imprensa, que parte do governo, porque a imprensa só está fazendo seu papel.

Como o sr. avalia a situação da liberdade de imprensa no Brasil no momento?

A liberdade de imprensa nunca esteve sob tanto risco no Brasil desde a redemocratização. Mas isso não quer dizer que estejamos numa situação tão ruim como a Nicarágua, a Venezuela ou a Hungria. Porém há vários sinais preocupantes.

Além das agressões físicas e dessa estratégia de se criar um conflito unilateral por parte do presidente, me pareceram muito graves as tentativas de pressão econômica. Houve a tentativa de excluir a Folha de S.Paulo de uma licitação para assinaturas de jornais.

Também tentaram mudar a regra que obriga a divulgação em jornais de relatórios financeiros de empresas listas em bolsa, bem quando o jornal Valor Econômico publicou uma reportagem crítica ao presidente, e o próprio presidente fez a relação entre sua decisão e a reportagem. E o presidente tem feito pedidos a empresários para que deixem de anunciar em alguns veículos

Tudo isso é preocupante. Sem mencionar que temos muitos casos de assassinatos de jornalistas e comunicadores no interior, relacionados a disputas políticas em nível municipal, que ficam impunes.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter

Comentários para "“Presidente legitima ações agressivas contra a imprensa”":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
2022 será ano determinante para a liberdade

2022 será ano determinante para a liberdade

Students for Liberty Brasil vê 2021 como período em que o liberalismo retrocedeu, apontando grandes desafios para este ano

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do

Garimpo ilegal em alta no PA: Lama escurece águas do "Caribe Amazônico" em Alter do Chão

Faixa de areia separa águas barrentas e claras no balneário turístico de Alter do Chão (PA)

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Inscrição é gratuita e pode ser feita pela internet

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Após contaminação de professores por covid-19, retorno será gradual

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Covid-19: Estados começam a enviar informações sobre vacinação ao STF

Suprema Corte pediu detalhes sobre vacinação de menores

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Mais de 500 coletores de sementes atuam na recuperação da Amazônia e do Cerrado

Rede de Sementes do Xingu já recuperou mais de 6 mil hectares de floresta na bacia do rio Xingu e Araguaia

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Desejos de Ano Novo: Fora Bolsonaro, Democracia e Justiça Ambiental para todos

Em Minas Gerais, as fortes chuvas elevam o risco do rompimento de barragens com rejeitos da mineração, a exemplo do que aconteceu nas cidades de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em 2019

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Primeira vacinada do Brasil deseja um 2022 com 100% vacinados e sem uso de máscara

Mônica Calazans, enfermeira e primeira vacinada no Brasil

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Brumadinho: Três anos depois, o que mudou ?

Fotografia tirada após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que matou 272 pessoas

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Servidores federais fazem atos em Brasília por reajuste salarial

Cerca de 50 categorias pedem reajustes de 20% a 28%

"A luta dos povos indígenas é uma luta válida e importante para todo o povo"

A Festa do Murici e Batiputá acontece entre os dias 12 e 15 de janeiro