×
ContextoExato
Responsive image

PSB quer 13º voto para CPI da Pandemia na Câmara Legislativa do Distrito Federal

PSB quer 13º voto para CPI da Pandemia na Câmara Legislativa do Distrito FederalFoto: CorreioWeb

Pesquisa de covid-19 no Mané Garrincha​​​​​​​

Correioweb - 19/09/2020 - 10:04:06

O PSB está exigindo que o deputado distrital José Gomes, filiado ao partido, assine o requerimento para criação da CPI da Pandemia na Câmara Legislativa. Uma negativa pode significar a expulsão do deputado, já que a legenda do ex-governador Rodrigo Rollemberg fechou posição favorável à investigação relacionada à compra de testes para covid-19, foco da Operação Falso Negativo, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). O requerimento chegou a ter 13 assinaturas, maioria entre os deputados, mas Daniel Donizet (PL) voltou atrás. Agora José Gomes está sendo pressionado a assinar. Ele recebeu ontem a advertência do presidente regional do partido, Rodrigo Dias.

Pesquisa de covid-19 no Mané Garrincha

O Hospital de Campanha do Mané Garrincha será usado em pesquisas para avaliar possíveis medicamentos que sejam mais eficazes no combate da Covid-19. A unidade participará de dez estudos clínicos multicêntricos internacionais para o tratamento da doença, incluindo testagem de vacinas. A pesquisa já está ocorrendo e recebeu aprovações dos Conselhos de Ética em Pesquisa.

Projeto garante verba para medicamentos indicados para doenças raras

Parte dos 30% dos recursos destinados ao Programa de Fomento à Pesquisa da Saúde será aplicada em atividades voltadas para o desenvolvimento e compra de medicamentos destinados ao tratamento de doenças raras ou negligenciadas pela indústria farmacêutica. É o garante o projeto de lei nº 4352/20 de autoria do deputado federal Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF). O projeto acrescenta a compra de medicamentos em vez de prever somente o repasse de recursos para o desenvolvimento tecnológico desses produtos. O texto prevê ainda a distribuição pelas farmácias de alto custo, a exemplo do Zolgensma, o medicamento mais caro do mundo, utilizado no tratamento de crianças com atrofia muscular espinhal (AME) e que recentemente teve o registro deferido pela Anvisa. Em Brasília/DF um dos casos mais recentes e que ganhou notoriedade, foi o da pequena Kyara Lis, portadora de AME e que precisa de ajuda para ter acesso ao Zolgensma, que custa US$ 2 milhões, ou aproximadamente, R$ 12 milhões.


À QUEIMA-ROUPA

 (Arquivo Pessoal)


Deise Moisés, Presidente do Conselho de Entidades de Promoção e Assistência Social (CEPAS)

Por causa da propagação de covid-19, todos estão preocupados com a saúde. Mas há um outro problema: os conflitos e a crise econômica que levam ao caos nas famílias de baixa renda. Qual foi o impacto da pandemia na área social?

A pandemia pegou o mundo e a saúde desprevenidos. Ninguém pensou que passaríamos por tal situação. Os esforços foram concentrados para se salvar vidas. Ao contrário do impacto da pandemia, na saúde, o da área social já pode ser esperado desde o início do ano. Famílias desempregadas, famílias de classe média precisando utilizar os serviços públicos antes não utilizados, maior número de crianças em situação de trabalho infantil, adolescentes, jovens e adultos sem oportunidade de emprego, situação agravada pela pandemia. Com a suspensão das atividades escolares e as do contra-turno escolar, as situações de vulnerabilidade se intensificaram, crianças e adolescentes deixaram de ser protegidos pelas Instituições e pelo Estado.

O foco do governo tem sido investimentos na saúde. Mas tem havido a necessária prioridade na área de assistência social?

Os recursos são escassos, mas quando a pandemia chegou o governo teve que “inventar” recursos para equipar a saúde e evitar a dizimação da população brasileira. E o que vai fazer com a assistência social? Vai deixar que crianças e adolescentes tenham ainda mais seus direitos violados? A política de assistência social precisa ser vista pelo Governo como prioritária para tirar o DF e o País do caos que irá se instalar se os recursos para a assistência social não forem canalizados para o fortalecimento dos vínculos familiares e geração de renda.

O que podemos esperar na

pós-pandemia? Ou seja, com o empobrecimento da sociedade, desempregos e falta de oportunidades?

O cenário do pós-pandemia é desalentador. Famílias desempregadas, adolescentes, jovens e adultos sem a perspectiva de emprego. Se antes já era difícil, em um momento de empresas encerrando suas atividades fica ainda pior. O Estado vai permitir que famílias fiquem dependentes de programas sociais? Que o adolescente, o jovem e principalmente a mulher provedora do lar continuem sem oportunidade de emprego? Vai esperar o caos chegar para ter que tomar alguma medida? Com o desemprego e a falta de perspectiva de melhoria de vida, as pessoas são compelidas para violência ou outros caminhos que muitas das vezes não eram a que tomariam se tivessem apoio, orientação ou capacitação para superar esse momento difícil.

Qual é o caminho para amenizar esses problemas?

Investir na política de assistência social em serviços de fortalecimento de vínculos, geração de renda, empoderamento, principalmente, de adolescentes, jovens e mulheres e no empreendedorismo de jovens e mulheres provedoras de seus lares.

Como o GDF trata a política assistencial?

Diante do cenário que hoje vivenciamos, com o maior número de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil, exploração sexual, inúmeras famílias vivendo nas ruas, o GDF, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social, possui um plano de contingência para atender a população na pandemia e no pós-pandemia? Que tipo de serviço está sendo contemplado no Plano de Contingência? As famílias que perderam seus empregos podem ter esperança de que seus filhos serão protegidos pelo Estado e que as mulheres poderão se capacitar para buscarem uma nova oportunidade? Que os adolescentes e os jovens podem ter esperança de oportunidade de emprego seja formal ou pelo empreendedorismo?

Será que vamos ter que chegar no caos para montarmos um hospital de Campanha ou ampliar o Autódromo para os usuários da assistência social, ou vamos começar agora a investir para darmos cidadania e dignidade para quem precisa. Vamos investir agora e com certeza teremos uma sociedade mais digna e menos desigual no futuro.

Comentários para "PSB quer 13º voto para CPI da Pandemia na Câmara Legislativa do Distrito Federal":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório