×
ContextoExato
Responsive image

Relatório aponta risco alto de contaminação cruzada em hospital do DF

Relatório aponta risco alto de contaminação cruzada em hospital do DFFoto: Reprodução

Unidade tem teto mofado, parede de madeirite no pronto-socorro e um grande déficit de pessoal na fase mais crítica da pandemia da Covid-19

Por Francisco Dutra - Metrópoles - 16/04/2021 - 15:08:39

O Hospital Regional de Taguatinga (HRT) oferece risco de contaminação cruzada na fase mais letal da pandemia do novo coronavírus. Durante diligência na unidade, a força-tarefa Ação Conjunta Covid-19, coordenada para seccional da Ordem do Advogados do Brasil no Distrito Federal (OAB-DF), flagrou esse e outros problemas graves.

Pelo diagnóstico da coordenadora da Ação Conjunta, a presidente da Comissão de Direito à Saúde da OAB-DF, Alexandra Moreschi, o alto risco de contaminação cruzada, entre diferentes alas da unidade, é o principal problema do HRT (foto em destaque ). “Os profissionais saem de uma ala para outra sem conseguir se paramentar corretamente”, alertou.

Segundo Moreschi, não há material suficiente. Além disso o quadro de pessoal está muito abaixo do necessário para atender a população. A situação é agravada por uma série de graves problemas estruturais. Em um ponto do hospital, o teto estava tomado por mofo.

“O hospital não é referência para Covid-19, mas atende [casos da doença], interna e possui duas alas de isolamento para atendimento a esses pacientes, sendo uma delas improvisada no meio do PS (pronto-socorro), o que tem ocasionado infecção cruzada em toda unidade e até mesmo no hospital”, destacou Moreschi no relatório.

Em outro trecho, ela observa: “O fato do pronto-socorro ter sido readaptado de maneira improvisada está gerando grandes problemas para todo a unidade, profissionais e pacientes. A ala isolamento 2 Covid foi alocada no meio do pronto-socorro, em paredes levantadas com madeirite, sem nenhuma estrutura ou correta vedação”.

A superlotação do hospital agrava o cenário. “Muitos dos pacientes quando sobem para internação nos andares estão assintomáticos, mas positivam logo após admissão nas enfermarias e expõem todos os pacientes do andar”, denunciou. Segundo a coordenadora da força-tarefa, os banheiros eram compartilhados por paciente com e sem o novo coronavírus.

O grupo também flagrou má conservação de equipamentos críticos para o tratamento de pacientes. “No final do corredor da unidade tem um espaço pequeno semiaberto, que estava com dois monitores e várias bombas de infusão jogadas”, relatou o documento. Itens quebrados também foram vistos em diferentes pontos do HRT.

Déficit desumano

Conforme o relatório, o déficit de pessoal chegou a um patamar desumano. Diante da dimensão do problema, profissionais de saúde dizem não ter forças para aderir ao Trabalho por Período Definido (TPD) para cobrir as lacunas nos plantões.

“Saliento que, conforme o dimensionamento, o Hospital Regional de Taguatinga do Distrito Federal dispõe de 2.836 horas de déficit de enfermeiros e 5.197 horas de déficit de técnicos de enfermagem. Contudo, evidencio que a taxa de absenteísmo é relevante com a média de 20% e 35% respectivamente”, destacou a coordenadora da Ação Covid-19.

Leia o relatório completo:

Relatório sobre a inspeção HRT by Metropoles on Scribd

A força-tarefa Ação Covid-19 é composta por representantes da OAB-DF, do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-DF ), do Sindicato dos Enfermeiros (SindEnfermeiro ), do Conselho Regional de Serviço Social (Cress ), do Conselho Regional de Psicologia (CRP ), da Associação Brasileira de Enfermagem (Aben ), além do deputado distrital Fábio Felix (PSol), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa (CLDF).

Outro lado

O Metrópoles entrou em contato com a Secretaria de Saúde sobre o relatório. Tão logo a pasta se manifeste, a reportagem será atualizada.

Comentários para "Relatório aponta risco alto de contaminação cruzada em hospital do DF":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório