×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de janeiro de 2022

Retrospectiva 2021: Na área ambiental, ano foi marcado pela destruição

Retrospectiva 2021: Na área ambiental, ano foi marcado pela destruiçãoFoto: Vista aérea de um desmatamento na Amazônia para expansão pecuária, em Porto Velho, Rondônia. Crédito: © Victor Moriyama / Amazônia em Chamas

Relatório do IPCC destaca que o de gás carbônico é a emissão mais contaminante em consequência da interferência humana na natureza, seguido do metano

Catarina Barbosa - Brasil De Fato | Belém (pa) - 26/12/2021 - 12:24:24

No segundo ano de pandemia, a Amazônia e quem vive nela sofreram sucessivos ataques pelo governo Bolsonaro

No terceiro ano do governo Bolsonaro, a Amazônia sofreu como nunca. Desde que o atual presidente assumiu, o desmatamento na Amazônia aumentou 76%, segundo dados do Observatório do Clima, entre agosto de 2020 e julho deste ano, foram mais de 13 mil quilômetros quadrados de destruição na maior floresta tropical do mundo. A informação é do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e foi apurada entre agosto de 2020 a 31 julho de 2021.

Além disso, 2021 também foi marcado pelo avanço do garimpo ilegal em terras indígenas e pelo desmonte na área ambiental.

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) aponta que os assassinatos no campo aumentaram 30% em comparação a 2020 e o PL 191/20, projeto do governo que visa regulamentar a exploração de recursos minerais, hídricos e orgânicos em reservas indígenas, tentou legalizar o ilegal e avançar sobre os povos tradicionais.

Para André Freitas, coordenador da Campanha Amazônia do Greenpeace Brasil desde que era candidato à presidência Bolsonaro declarou que iria governar para os ruralistas.

"Se a gente for olhar para trás, ele cumpriu com as promessas de campanha, como por exemplo, que iria acabar com a tal indústria da multa. Só que ninguém pensou que esse 'acabar' ia chegar a essa destruição do meio ambiente e a toda essa desestruturação das instituições que têm o poder de controlar e combater o desmatamento como é o caso do Ibama e o ICMBio".

Em números, o total de fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais ( Ibama ) despencou de 1.311, em 2010, para 591, em 2019, uma redução de 55%. Em 2020, houve um incremento de 103 servidores contratados pelo órgão para fiscalização, chegando a 694, mas ainda 47% menor em relação ao início da última década.

Leia também: De Lula a Bolsonaro: número de fiscais do Ibama chegou a cair até 55%

As consequências

Somando as medidas que prejudicam a área ambiental e favorecem o agronegócio, o mundo sofreu com diversos eventos que refletem as consequências da devastação no dia a dia das pessoas.

A 26º Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas ( COP-26 ) realizada em Glasgow, na Escócia, teve como principal pauta o acompanhamento das metas definidas pelos países no Acordo de Paris.

Assinado por 190 países em 2015, o acordo estabelece metas a serem alcançadas até 2050. Mas no evento, os pontos positivos para o Brasil foram as delegações, debates e a força da juventude indígena.

Márcio Astrini, secretário executivo do Observatório do Clima, analisa que é importante separar o Brasil do governo Bolsonaro na participação durante o evento.

"O Brasil teve momentos bons na COP como por exemplo a presença recorde dos indígenas. Tivemos também uma área da sociedade civil dentro da conferência que era um hub das organizações que atuam no Brasil e na agenda de clima, que recebeu pessoas importantes do mundo inteiro. Essa parte do nosso país se mostrou, dentro da conferência, e foi um ponto muito positivo da nossa participação. Já o governo ficou com os pontos negativos como era esperado", diz.

Segundo ele, a expectativa do mundo com relação ao governo brasileiro era muito baixa. "Na verdade as pessoas pensavam: se o governo brasileiro não atrapalhar já está bom demais. Eles assinaram alguns papéis, compromissos como o compromisso de metano, desmatamento zero, que a gente sabe que em hipótese nenhuma esse governo vai cumprir isso. Esse governo nos impede de realizar o potencial que o Brasil tem na agenda de clima."

:: Desmatamento em Terras Indígenas cresceu 138% nos três anos de governo Bolsonaro ::

O futuro

Com as eleições de 2022 se aproximando, a pauta ambiental, além de ser um ponto de decisão deverá ser vista de forma mais atenta pelos eleitores.

O secretário executivo do Observatório do Clima faz uma analogia entre a saída de Bolsonaro da presidência com a travessia do deserto.

"É um cenário de terra arrasada, mas esse deserto chega ao fim no fim do próximo ano de 2022 e vamos ter que reconstruir o estrago que foi feito não só na área ambiental, mas em diversos outros setores da sociedade brasileira. Para a área de meio ambiente o que a gente precisa é mostrar ao mundo que o novo governo vai dar um 'cavalo de pau absoluto' mudar em 100% as políticas do atual governo. Não é uma mudança circunstancial. Vai ter que mudar absolutamente tudo, porque se a gente olhar, dos três anos de governo Bolsonaro, não há nada. Eu vou repetir: nenhum ato do governo que seja algo positivo para a proteção do meio ambiente no Brasil, para a proteção das nossas florestas e para uma construção saudável da imagem do Brasil nessa agenda ao redor do mundo".

:: "Lula sabe que o fator ecológico é estratégico e fundamental", diz Leonardo Boff ::

André Freitas, coordenador da Campanha Amazônia do Greenpeace Brasil complementa dizendo que "houve uma licença moral do governo para que terras públicas fossem invadidas, para que o garimpo fosse aceito e fosse assumido como uma atividade normal, lícita. O que acontece na Amazônia reverbera pelo Brasil e pelo mundo".

Ele diz ainda que o momento é de fortalecer o debate sobre o quanto a devastação da floresta afeta no dia a dia dos brasileiros.

"As pessoas têm que entender que para que a conta de água delas fique mais baixa, a conta de luz, para ter uma comida um pouco mais barata, tudo depende de água, depende de chuva, depende da produtividade de uma lavoura, da qualidade do meio ambiente. Então em 2022 com o governo tentando reeleição mesmo que quase que solitário, mas é um governo que os que a gente não pode dar com o morto, temos que estar muito atentos. Haverá muito embate, mas nós resistiremos e estamos dispostos a esse debate com a população".

Edição: Vivian Virissimo

Comentários para "Retrospectiva 2021: Na área ambiental, ano foi marcado pela destruição":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
A fatura chegou! E como é pesada essa

A fatura chegou! E como é pesada essa "fatura"

Governo Zema não ajudou nem ajuda, pelo contrário

Equador ratificou a criação da nova Reserva Marinha de Galápagos anunciada na COP26

Equador ratificou a criação da nova Reserva Marinha de Galápagos anunciada na COP26

A reserva marinha recentemente criada adiciona 60 mil quilômetros quadrados à Reserva Marinha de Galápagos

Aquecimento global obriga Brasil a se preparar melhor para prevenir desastres

Aquecimento global obriga Brasil a se preparar melhor para prevenir desastres

Há uma semana, Pará de Minas, na Grande Belo Horizonte, pediu aos moradores abaixo da Usina do Carioca para deixarem suas casas. Havia risco iminente de rompimento.

Estado inicia análise das informações de 31 barragens em nível de emergência de Minas

Estado inicia análise das informações de 31 barragens em nível de emergência de Minas

Relatório será elaborado para cada uma das estruturas de contenção

Xinjiang da China vê aumento significativo em terras ecologicamente funcionais

Xinjiang da China vê aumento significativo em terras ecologicamente funcionais

Foto aérea tirada em 15 de junho de 2021 mostra a vista do pasto do verão na Montanha Barlik no distrito de Yumin, Região Autônoma Uigur de Xinjiang.

Energia solar é foco de projetos sustentáveis no Brasil

Energia solar é foco de projetos sustentáveis no Brasil

Em relação ao cenário nacional, o Brasil, no ano de 2021, entrou para o ranking dos 15 países com maior capacidade de energia solar do planeta, a previsão é a de que em 2022 os investimentos no setor cresçam ainda mais

Pesquisadores investigam comportamento agressivo de botos na Amazônia

Pesquisadores investigam comportamento agressivo de botos na Amazônia

Ataque de machos a filhotes, inclusive a recém-nascidos, não é comum

Sem verba, monitoramento do desmate no Cerrado está prestes a ficar às cegas

Sem verba, monitoramento do desmate no Cerrado está prestes a ficar às cegas

Não se pode dizer que o fim do financiamento foi uma surpresa para o MCTI.

Um patrimônio natural ameaçado

Um patrimônio natural ameaçado

Chapada do Araripe tem mais de 180km e atravessa os estados de Pernambuco, Ceará e Piauí

Desmatamento muda forma de transmissão da malária, indicam estudos da USP

Desmatamento muda forma de transmissão da malária, indicam estudos da USP

Desenhando o estudo

China estabelecerá sistema nacional de jardim botânico

China estabelecerá sistema nacional de jardim botânico

Foto aérea tirada em 26 de setembro de 2021 mostra a vista da Estufa de Plantas Fuligong no Jardim Botânico de Kunming em Kunming, Província de Yunnan, sudoeste da China.