×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 29 de janeiro de 2022

Solidariedade e mobilizações de rua marcam o ano de 2021

Solidariedade e mobilizações de rua marcam o ano de 2021Foto: Sindipetro MG

As lutas contra a venda das estatais e a favor do serviço público também marcaram o ano de 2021

Ana Carolina Vasconcelos - Belo Horizonte (mg) | Brasil De Fato Mg - 24/12/2021 - 08:35:52

Movimentos populares e sindicais buscaram alternativas contra a fome e lutaram contra a política de Zema e de Bolsonaro

“Mostramos que é possível construir um caminho diferente”. É o que afirma Débora Sá, militante da Frente Brasil Popular de Minas Gerais, ao relembrar as ações realizadas pelos movimentos populares e sindicais durante 2021.

Marcado pela convergência entre as crises social, política, econômica e sanitária, o ano que termina foi desafiador para as forças populares. “Não foi só a pandemia da covid. Nas periferias a fome chegou matando. Nosso país voltou para o mapa da fome”, declara Débora.

:: Leia também: Reunimos aqui algumas campanhas de solidariedade em MG para combater o covid-19 ::

Segundo ela, as organizações sociais se dedicaram inteiramente à construção de alternativas coletivas contra a fome e contra a retirada de direitos promovida pelo governo federal.

“A parceria entre movimentos populares e sindicais permitiu que diversas famílias recebessem doações de alimentos, vale gás e itens de higiene”, relata Débora. Em Belo Horizonte, as regiões de Venda Nova, Barreiro e Pedreira Prado Lopes foram algumas das que receberam as ações de solidariedade.

Defesa dos serviços públicos

As lutas contra a venda das estatais e a favor do serviço público também marcaram o ano de 2021. Aconteceram diversas paralisações, manifestações e greves de trabalhadores.

Ao longo do ano, trabalhadores da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), denunciaram a falta de investimento na empresa. Em audiência pública, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), eletricitários denunciaram que o sucateamento é uma estratégia do governo de Romeu Zema (Novo) para privatizar a empresa.

:: Leia também: Audiência pública na ALMG denuncia falta de investimento na Copasa ::

Já os trabalhadores da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), terminaram o ano em greve contra a privatização da empresa e reivindicando negociação justa com a gestão para renovação do Acordo Coletivo de Trabalho.

“A greve nasceu forte com uma ocupação da Cemig que furou a bolha da mídia comercial e reabriu as negociações com a empresa. A campanha de solidariedade dos movimentos populares nunca antes foi vista na história das greves da categoria. Recebemos apoio também de parlamentares estaduais, federais e de vários municípios”, avalia Jefferson Silva, secretário geral do Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores na Indústria Energética de Minas Gerais (Sindieletro). Em novembro, a sede da empresa foi ocupada por trabalhadores em Belo Horizonte.

:: Leia também: Eletricitários de Minas Gerais estão em greve contra a venda da Cemig ::

Petroleiros de Minas Gerais também se mobilizaram contra a venda da Refinaria Gabriel Passos (Regap) da Petrobras, localizada em Betim (MG). Os trabalhadores da Petrobrás têm denunciado a privatização da Regap, que faz parte da venda de um pacote de oito refinarias no país, como um atentado à soberania nacional.

Com a privatização, os preços dos produtos como a gasolina e o diesel, podem ficar ainda mais caros, como explica Anselmo Braga, diretor do Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro) e da Federação Única dos Petroleiros (FUP). “As empresas não construíram refinarias e agora querem comprar as da Petrobrás a preço de banana”, declarou o sindicalista.

:: Leia também: Petroleiros de Minas Gerais protestam em repúdio à venda de refinaria da Petrobrás ::

Os trabalhadores da educação de Minas Gerais resistiram durante todo o ano à tentativa de Romeu Zema (Novo) de privatizar as escolas, por meio dos projetos Mãos Dadas e Somar. “O governo traz, de várias formas, por meio de parcerias, Organizações Sociais (OSs), convênios com bancos, projetos como o Mãos Dadas e Somar, a desresponsabilização do Estado na oferta do direito à educação em Minas Gerais”, afirma a professora Denise Romano, coordenadora Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE).

Em agosto, a categoria declarou greve sanitária frente à decisão do governo estadual de retomar as aulas presenciais sem a vacinação completa da comunidade escolar. Em novembro, o Sind-UTE aprovou um calendário de lutas em defesa da educação e dos direitos da categoria. Eles reivindicam o cumprimento da lei do piso nacional, atualmente fixado em R$ 2.886,24, a devida aplicação dos recursos do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Segundo o sindicato, nos últimos três anos, o governo deixou de investir cerca de R$ 7 bilhões que deveriam ter ido para a área.

:: Leia também: Especial | O que a Reforma Administrativa irá tirar de você? ::

Além disso, Denise Romano destaca que a luta contra a aprovação da PEC 32, da Reforma Administrativa, teve centralidade no ano de 2021. “A defesa dos serviços públicos e a garantia dos nossos postos de trabalho nos levou às ruas para combater a PEC 32. Nós tivemos êxito e impedimos a aprovação”, declarou.

Ao longo de todo ano, também houve mobilizações contra a privatização da Ceasa Minas, da CBTU, dos Correios, dentre outras.

Vacina para todos

A demora em ampliar a vacinação contra a covid-19 no país, impulsionou que as forças populares também fossem às ruas por mais investimento no SUS, garantia de leitos, insumos e aceleração da imunização.

:: Leia também: Mais de 50 cidades mineiras agendam ato por vacina e contra Bolsonaro em 19 de junho ::

Com a palavra de ordem “vacina no braço, comida no prato”, mais de 20 cidades mineiras organizaram atos, panfletagens e carreatas.

Fora Bolsonaro

Convocadas pela Campanha Nacional Fora Bolsonaro, ao longo do ano, aconteceram oito manifestações pelo impeachment do presidente da República.

Os atos tiveram também o objetivo de denunciar a política econômica adotada pelo governo federal que levou o Brasil de volta ao Mapa da Fome, além de encarecer o preço do gás e da cesta básica.

:: Leia também: Editorial | Atos pelo Fora Bolsonaro se multiplicam em Minas Gerais ::

Para o presidente da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT MG), Jairo Nogueira, é insustentável a crise econômica e social pela qual passa o país, levando a população ao desemprego e ao drástico empobrecimento. “É nosso papel fazer a luta, denunciar o governo e construir um novo cenário para as eleições do ano que vem, para que o povo não caia na ilusão que é o Bolsonaro”, aponta.

Edição: Larissa Costa

Comentários para "Solidariedade e mobilizações de rua marcam o ano de 2021":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório

"Que seja transparente”, diz Erika Hilton sobre regulamentação do Fundo de Combate à Fome

Em entrevista ao Brasil de Fato, Hilton afirmou que a importância da legislação é “gigantesca”

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Projeto leva atividades esportivas para pessoas com deficiência no DF

Inscrição é gratuita e pode ser feita pela internet

Resolução da Assembleia Geral pede atuação de redes sociais contra negação ao Holocausto

Resolução da Assembleia Geral pede atuação de redes sociais contra negação ao Holocausto

Resolução da Assembleia Geral elogia nações que se envolveram ativamente na preservação dos locais que serviram como campos de extermínio nazistas

Estudantes brasileiros analisam impacto da pandemia na alimentação escolar

Estudantes brasileiros analisam impacto da pandemia na alimentação escolar

Com o fechamento das escolas, em março passado, bilhões de merendas deixaram de ser distribuídas em todo o globo

Vara da Infância e da Juventude do DF lança campanha para arrecadar material escolar

Vara da Infância e da Juventude do DF lança campanha para arrecadar material escolar

A ação é coordenada pelo programa social da VIJ-DF, Rede Solidária Anjos do Amanhã

Polícia divulga suspeito pela morte de Beatriz Mota; saiba quais os próximos passos do processo

Polícia divulga suspeito pela morte de Beatriz Mota; saiba quais os próximos passos do processo

Beatriz foi encontrada sem vida após golpes de faca no momento em que ocorria uma festa na escola onde estudava

TJDFT: Maria da Penha Vai à Escola é incluído em Plano Nacional de Enfrentamento ao Feminicídio

TJDFT: Maria da Penha Vai à Escola é incluído em Plano Nacional de Enfrentamento ao Feminicídio

Como parceiro institucional, o TJDFT participou, ainda, da instalação dos Núcleos Integrados de Atendimento à Mulher – NUIAMs, uma iniciativa da Polícia Civil do DF, que também consta no Plano Nacional de Enfrentamento ao Feminicídio

Funai de Bolsonaro é pior que a de 1968, diz indigenista que enfrentou a ditadura militar

Funai de Bolsonaro é pior que a de 1968, diz indigenista que enfrentou a ditadura militar

Egydio Schwade:

Família Acolhedora: Cuidado para as crianças que mais precisam

Família Acolhedora: Cuidado para as crianças que mais precisam

O acolhimento, previsto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, não deve ultrapassar os 18 meses e tem como objetivo a reintegração familiar ou o encaminhamento para família substituta

Solidariedade: Esperança e alimento para milhões de brasileiros que não têm o que comer

Solidariedade: Esperança e alimento para milhões de brasileiros que não têm o que comer

De acordo com a Rede Penssan, 55,2% das pessoas no país vivem algum nível de insegurança alimentar

América Latina e Caribe podem cortar consumo pela metade e reduzir pobreza

América Latina e Caribe podem cortar consumo pela metade e reduzir pobreza

Algumas propostas do relatório incluem medidas já testadas em cidades como Fortaleza, no Brasil, com o sistema de transporte público