×
ContextoExato

'Somos 70% contra o que se colocou como projeto de País', diz Eduardo Moreira

Economista que criou a campanha virtual #somos70porcento afirma que maioria da população precisa se fazer ouvir e ocupar seu espaço em favor da democracia

Estadão Conteúdo - 02/06/2020 - 16:34:55

As recentes falas do presidente Jair Bolsonaro e de seus aliados sobre uma eventual ruptura institucional aliadas às ultimas pesquisas que mostram queda da popularidade do presidente levaram o economista Eduardo Moreira, sem qualquer pretensão, a criar e espalhar uma hashtag que acabou comparitlhada milhares de vezes por usários de diversas redes sociais no último fim de semana. Por meio da #Somos 70 por cento, opositores ao governo Bolsonaro quiseram deixar bem claro que são maioria no País.

Segundo o economista, os representantes dos outros 30% - que são, portanto, minoria - colocaram a maioria com medo com seus robôs e estrategias de difamação e violência. "Alguém que faça parte de um grupo de whatsapp com 100 pessoas onde 5 são radicais bolsonaristas não têm coragem de se expor, por se sentir como se minoria fosse. A ideia do movimento é resgatar esse direito, empoderar as pessoas para que voltem a falar. Seja a favor de Ciro ou Lula, de impeachment ou cassação da chapa, de socialismo ou capitalismo. O que não pode é ter o medo de participar do debate por ser acuado como se os 70% fossem a minoria", afirma.

A repercussão foi tamanha que em apenas dois dias já surgiram camisetas, canais no Youtube, memes e vídeos com a "marca #somos70porcento. Também já existem projetos de encontros culturais com artistas do povo e famosos batizados com a mesma hashtag. "Recebi varias mensagens de pessoas dizendo que nos últimos dias os vizinhos que tinham bandeiras com temas fascistas, agressivos ou de apoio ao governo em suas varandas e janelas os retiraram. A maioria esta voltando a ocupar o seu lugar democratico e resgatando sua voz." Acompanhe a entrevuista:

Como surgiu a ideia de criar a #somos70porcento?

A ideia surgiu num debate em que eu participava e o assunto da última pesquisa de popularidade do presidente Bolsonaro surgiu. Apesar do aumento da rejeição ao presidente mostrada na pesquisa, os participantes do debate se mostraram frustrados por conta dos 30% que apoiam o presidente não terem baixado de patamar. Eu disse então que era curioso como nós, os 70% que rejeitavamos esse governo anti-democratico, nos sentirmos como se fôssemos minoria e dar tanto peso aos 30% que eram minoria. Disse, então, a frase: “o problema do Brasil é que os 30% se sentem como 70%. Os 70% se sentem como 30%”. No mesmo momento vi os olhos dos participantes brilharem como se uma ficha tivesse caído. Senti que a frase tinha acertado o alvo. Postei ela então no twitter e ali começou o movimento, que ganhou uma força e velocidade incriveis no Brasil inteiro.

"Somos 70 por cento" contra o presidente Jair Bolsonaro? É isso, e o que mais?

Na verdade, a ideia é lembrar que somos 70% contra o que se colocou como projeto de País. Somos 70% que rejeitam a aproximação com o centrão, 70% contra as afirmações de Bolsonaro a favor do armamento, 70% que consideram o governo ruim/péssimo/regular, 70% que são contra a politica deste governo para a Amazonia, 70% que apoiam o isolamento social… Curiosamente, são também cerca de 70% os pobres que vivem com uma renda percapita abaixo de 1 salário minimo no Brasil e que mais sofrem com um projeto de governo que não olha para os mais pobres.

Por que é importante mostrar que a maioria não apoia o presidente? Que diferença isso pode fazer no cenário atual?

O importante é dar voz para as pessoas, resgatar o direito de opinar, de se expor. A minoria colocou a maioria com medo com seus robôs e estrategias de difamação e violência. Alguém que faça parte de um grupo de whatsapp com 100 pessoas onde 5 são radicais Bolsonaristas não têm coragem de se expor, por se sentir como se minoria fosse. A ideia do movimento é resgatar esse direito, empoderar as pessoas para que voltem a falar. Seja a favor de Ciro ou Lula, de impeachment ou cassação da chapa, de socialismo ou capitalismo. O que não pode é ter o medo de participar do debate por ser acuado como se os 70% fossem a minoria.

Essa ideia ganhou status de campanha. É uma campanha? Quais os objetivos, ações que serão promovidas?

Eu acredito em movimentos que são independentes e muito maiores do que seus criadores. Na verdade, nem me sinto como criador do movimento, eu simplesmente falei a frase e notei que ela tinha força, como tem força o “I can’t breath” nos EUA. A força está na causa e não no Eduardo. E a causa ganha força e escolhe seu caminho naturalmente. Já existem projetos de encontros culturais com artistas do povo e famosos batizados de #somos70porcento. Camisetas feitas por canais do Youtube com toda renda revertida para projetos sociais com a marca #somos70porcento. Artes, memes, videos produzidos com esse mote. Isso é incrivel! E, naturalmente, o outro lado passa a se ver como realmente é: minoria. Recebi varias mensagens de pessoas dizendo que nos últimos dias os vizinhos que tinham bandeiras com temas fascistas, agressivos ou de apoio ao governo em suas varandas e janelas os retiraram. A maioria esta voltando a ocupar o seu lugar democratico e resgatando sua voz.

Quantas pessoas já compartilharam a hashtag? Vocês têm ideia?

Foram milhões. No primeiro dia ficamos em primeiro lugar no Twitter Brasil e em terceiro lugar no mundo, num dia em que haviam protestos históricos nos EUA e também no dia da missão especial Space X. Os apoiadores do governo tentaram reagir e apesar de no Twitter, onde têm uma legião de centenas de milhares de robôs, terem feito muitos posts, nas outras redes sociais como Instagram e Facebook as menções ao #somos70porcento são em 10 vezes maior do que a hasthtag levantada pelo governo. Como deveriamos esperar, afinal de contas, somos a maioria absoluta que não acredita neste projeto de poder segregador e anti-democrático.

A que você atribui essa repercussão em tão pouco tempo? As pessoas estão identificando uma real perigo à democracia?

Acho que as pessoas estão sofrendo muito e há muito tempo. E querem ter suas vozes ouvidas. Não a voz de um politico x ou y. A voz delas, a dos 70%. Não precisamos de heróis da resistência. Precisamos ver e escutar quem sofre e clama por um país mais justo. Os 70%.

Comentários para "'Somos 70% contra o que se colocou como projeto de País', diz Eduardo Moreira":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório