×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 27 de setembro de 2021

Temendo ataques bolsonaristas, Marcha de Mulheres Indígenas deve reunir milhares em BrasíliaFoto: Anmiga

Temendo ataques bolsonaristas, Marcha de Mulheres Indígenas deve reunir milhares em Brasília

Mulheres Kayapó chegam ao acampamento da II Marcha Nacional das Mulheres Indígenas

Murilo Pajolla - Brasil De Fato | Lábrea (am) - 07/09/2021 - 09:39:20

Caravanas de manifestantes começam a chegar nesta terça-feira (7), em meio a atos pró e contra Bolsonaro

Cerca de 4 mil mulheres de 150 povos originários começam a desembarcar em Brasília nesta terça-feira (7), Dia da Independência, para participar da Segunda Marcha das Mulheres Indígenas, prevista para terminar no sábado (11).

No feriado, a capital federal é palco de manifestações pró e contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Os atos devem começar, respectivamente, na Esplanada dos Ministérios e no estacionamento da Torre de TV, com acompanhamento da Polícia Militar (PM).

Temendo ataques de bolsonaristas e defensores da política anti-indígena conduzida pelo governo federal, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), que organiza a mobilização, aderiu ao esquema de segurança proposto pela Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF).

:: PM fecha vias da Esplanada, mas acesso a anexos do STF segue aberto às vésperas do ato ::

“Não vou generalizar, mas são pessoas que têm demonstrado um ódio muito fluido, que não têm escrúpulos em nos atingir. Então a gente vai se resguardar de uma agenda de violência que está anunciada”, afirma, referindo-se a partidários de Bolsonaro, Christiane Julião, do povo Pankararu de Pernambuco, uma das organizadoras da Marcha.

Neutralidade

O acampamento indígena foi transferido da Praça da Cidadania para o prédio da Funarte. Ao longo do dia, a prioridade das lideranças será recepcionar as caravanas vindas de várias regiões do país, sem se envolver com os protestos.

“É claro que fica o medo, a insegurança. Mas mesmo assim a gente está aqui firme. Acreditando no nosso propósito de lutar por aqueles que nos antecederam, garantiram nossos territórios. A gente continua nessa luta, cobrando essa dívida histórica no Brasil”, afirma Christiane.

Segundo a liderança, a orientação para as mulheres indígenas é não interagir com as manifestações. “Por mais que todo mundo saiba que somos contra Bolsonaro, nós não vamos fazer eco a movimento algum, nem pró nem contra o governo”, explica.

Contra o “marco temporal”

Com o tema "Mulheres originárias: Reflorestando mentes para a cura da Terra”, a marcha também tem por objetivo manter a estratégia de sensibilizar o Supremo Tribunal Federal (STF).

A partir de quarta-feira (8), a Corte volta a julgar o “marco temporal”, tese jurídica defendida por Bolsonaro que impede indígenas de reivindicarem terras não ocupadas até a data da promulgação da Constituição Federal de 1988, restringindo processos de demarcação.

:: Bolsonaro usa "fake news" para defender restrição em demarcações de terras indígenas ::

"Caso a tese seja referendada, teremos a paralisação das demarcações e certamente pedidos de revisões de terras já demarcadas", explica Paloma Gomes, assessora jurídica do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

"Nós teremos ainda mais a ausência de políticas públicas destinadas aos indígenas, teremos mais violência, mais expulsões dos povos originários. Enfim, um processo de absoluto extermínio da cultura e dos povos indígenas no nosso pais", complementa a advogada.

As manifestantes se juntarão aos cerca de mil indígenas remanescentes do acampamento “Luta Pela Vida”, que teve início em 22 de agosto e chegou a reunir 6 mil pessoas. Segundo a Apib, que organizou o evento, foi a maior mobilização indígena da história do Brasil.

“Qual independência?”

Sob fogo-cerrado do governo federal, que promove ataques por múltiplas frentes contra os indígenas denunciados por lideranças no Brasil e no exterior, Christiane, organizadora da marcha, diz que os povos originários não têm muito a celebrar no Dia da Independência.

“Eu não sei qual independência o Brasil busca, se vive numa represa colonialista, represado psicologicamente e afetuosamente num sistema patriarcal e não sabem o que é realmente liberdade. Não sabem”, opina a liderança indígena.

Edição: Leandro Melito

Comentários para "Temendo ataques bolsonaristas, Marcha de Mulheres Indígenas deve reunir milhares em Brasília":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório