×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 21 de maio de 2022

Unindo forças pela proteção da mulher

Unindo forças pela proteção da mulherFoto: Correio Braziliense

Antes vista como assunto privado, a violência doméstica e de gênero hoje é questão de saúde pública e preocupação global

Ericka Filippelli * - Agência Brasilia - 04/12/2019 - 08:47:57

Em 25 de novembro, deu-se início a mais um ciclo de 16 dias de ativismo, marcando o consagrado Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. A iniciativa é lembrete de que esse tipo de violência continua a ser epidemia global com consequências devastadoras às mulheres, às famílias e à sociedade. Hoje, a estatística global mostra que uma em cada três mulheres relata ter sofrido algum tipo de violência na vida. Brasil e África apresentam cenário semelhante, senão até mais agravado. Em vista disso, o Banco Mundial e a Secretaria da Mulher do Governo do Distrito Federal se uniram para promover o primeiro Intercâmbio Brasil África pela Proteção da Mulher, que se encerra esta semana em Brasília.

Apesar da falta de um conceito unificado ou dados harmonizados entre os países, as taxas de incidência no Brasil e muitos países da África são alarmantes. Em termos regionais, os números mostram uma maior percentagem de feminicídios na África. No Brasil, diferentes levantamentos e estatísticas apontam que o número de feminicídios em 2019 tem crescido. Na Central de Atendimento à Mulher, o 180, nos primeiros seis meses de 2019, as denúncias mais do que dobraram em relação ao mesmo período de 2018.


Antes vista como assunto privado, a violência doméstica e de gênero hoje é questão de saúde pública e preocupação global.

O aumento da conscientização também levou a mudanças significativas na estrutura legal dos países, para aumentar a proteção de mulheres e meninas. Apesar — e em função — dos dados alarmantes no Brasil, na questão de medidas de combate à violência doméstica, o país é considerado exemplo na adoção de leis e iniciativas de proteção à mulher contra a violência doméstica. Também a conscientização sobre o problema vem crescendo, muito em razão da Lei Maria da Penha e de debates promovidos sobre feminicídio, assédio sexual, atendimento policial especializado, transparência de dados, violência intrafamiliar.

Em matéria de legislação, temos visto grande avanço também entre os países africanos. Os membros da comunidade de língua portuguesa — Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe — adotaram legislação relativa à violência contra a mulher. No entanto, persistem lacunas no quadro legal de proteção integral e implementação das leis.

Para além da legislação, é necessário uma ação multidisciplinar e concertada, com sistemas integrados de prevenção, resposta e apoio a vítimas. Um dos pilares do trabalho do Banco Mundial é promover o intercâmbio de conhecimentos, boas práticas e experiências nesse sentido. Em especial, temos trabalhado na África pelo empoderamento e proteção das mulheres contra a discriminação e violência.

Embora nenhum país tenha sido capaz de erradicar as diferentes formas de violência enfrentadas pelas mulheres, a Lei Maria da Penha contra a violência doméstica é considerada modelo em todo o mundo, incluindo mecanismos avançados de implementação. Nesse sentido, a experiência do Brasil pode contribuir para os esforços dos países participantes do intercâmbio na adoção e implementação de leis, políticas e iniciativas para o enfrentamento da violência contra as mulheres.

A escolha de Brasília para a promoção do intercâmbio não é mero acaso. No Distrito Federal, foi criada a Secretaria de Estado da Mulher, uma das únicas do país, com a competência para formular políticas públicas, voltadas principalmente para sua autonomia econômica e para o combate da violência doméstica. Nesse sentido, o órgão atua em rede, de forma transversal e descentralizada, efetivando parcerias e promovendo articulações na gestão pública local, instituições privadas e organismos internacionais que atuam na defesa da vida das mulheres e contra todos os tipos de violências.

Recentemente, a Secretaria da Mulher desenvolveu o Jornada Zero Violência Contra Mulheres e Meninas, programa-piloto executado na Região Administrativa do Paranoá, em parceria com a Agência de Populações da ONU (Unfpa), que foi apresentado na Cúpula de Nairóbi CPID25 como referência de boas práticas de ações para eliminação da violência contra mulheres e meninas. Realizar esse intercâmbio internacional no Distrito Federal tem um simbolismo muito forte, pois estamos criando, na capital de todos os brasileiros, programas que vêm sendo testados e apresentados como bons exemplos de políticas públicas em todo o mundo.

Essa parceria é uma oportunidade singular de potencializar as ações de enfrentamento à violência contra a mulher, uma agenda já prioritária. É também excelente forma de fortalecer os laços que nos unem, de língua e antecedentes históricos comuns, para partilhar boas práticas, desenvolver ações conjuntas e promover as sinergias existentes com objetivo comum de vivermos em um mundo de plena igualdade e livre de violência para mulheres e homens.

* Secretária da Mulher do Distrito Federal

Comentários para "Unindo forças pela proteção da mulher":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Distrito Federal registra um estupro de vulnerável por dia

Distrito Federal registra um estupro de vulnerável por dia

No 1º trimestre, 82,2% dos casos de violência sexual contra crianças e adolescentes aconteceram no ambiente familiar

Servidores da CGU decidem entrar em greve a partir de 30 de maio

Servidores da CGU decidem entrar em greve a partir de 30 de maio

Com essa decisão, o número de carreiras em greve sobe para quatro

Aumento de casos por covid faz cidades voltarem a recomendar uso de máscara

Aumento de casos por covid faz cidades voltarem a recomendar uso de máscara

O Brasil registrou 115 novas mortes pela covid na quinta-feira, 19. A média móvel de vítimas, que elimina distorções entre dias úteis e fim de semana, está em 113. O índice permanece acima de 100 pelo sexto dia consecutivo.

Temperaturas sobem um pouco, mas frio permanece no fim de semana

Temperaturas sobem um pouco, mas frio permanece no fim de semana

Tempestade Subtropical Yakecan se afastou do continente

Passageiros de ônibus no DF ganham direito de desembarque livre após as 21h

Passageiros de ônibus no DF ganham direito de desembarque livre após as 21h

Autor do projeto que deu origem à nova lei, o deputado Rafael Prudente defende o ganho em segurança resultante da possibilidade de parada livre para os usuários do transporte público

Policiais e bombeiras do DF têm direito a horário para amamentação por dois anos

Policiais e bombeiras do DF têm direito a horário para amamentação por dois anos

Proteger a lactante foi a intenção de Abrantes, que argumentou ainda pela isonomia de direitos com as demais corporações da segurança pública.

Aplicativo de transporte deve indenizar passageira ameaçada e assediada durante corrida

Aplicativo de transporte deve indenizar passageira ameaçada e assediada durante corrida

A decisão foi unânime.

Alunos da rede pública têm isenção de taxa no Enem, que inscreve até 21/5

Alunos da rede pública têm isenção de taxa no Enem, que inscreve até 21/5

Estudantes da 3ª série do ensino médio das escolas públicas podem se inscrever gratuitamente. Aos não isentos, pagamentos podem ser feitos até o dia 27 deste mês. Provas serão aplicadas em novembro

Você é carpinteiro e tem experiência? Há 16 vagas disponíveis no DF

Você é carpinteiro e tem experiência? Há 16 vagas disponíveis no DF

No total, estão sendo ofertadas 203 oportunidades nas agências do trabalhador nesta sexta-feira (20)

Tem uma ideia criativa e vontade de empreender? Participe deste projeto!

Tem uma ideia criativa e vontade de empreender? Participe deste projeto!

Iniciativa da FAP-DF vai escolher 60 novos empreendedores, para investimento de até R$ 3,5 milhões e cinco meses de mentorias, palestras e workshops na pré-incubadora Cocreation Lab DF

Governo do DF destaca a importância de a população tomar o reforço contra a Covid-19

Governo do DF destaca a importância de a população tomar o reforço contra a Covid-19

Faixa etária de 20 a 49 anos representa 50% dos casos recentes. Secretaria de Saúde estima que cerca de 743 mil pessoas estejam aptas a receber a terceira dose da vacina