×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de maio de 2022

Acabaram as desculpas para não começar a vacinação contra a covid-19

Acabaram as desculpas para não começar a vacinação contra a covid-19Foto: Foto: Timur Matahari/AFP

A escolha de colocar todas as fichas na vacina da AstraZeneca/Oxford foi uma decisão arriscada, que parecia ter encontrado obstáculos quando saíram os resultados das primeiras três vacinas

Fernando Reinach, O Estado De S.paulo - 02/01/2021 - 21:36:19

Em 2020, a covid-19 matou quase 200 mil brasileiros. Muitas mortes teriam sido evitadas se ao invés de uma cadeia de comando, Bolsonaro presidisse um governo. Em um governo, a diversidade de ideias é estimulada e decisões são geradas num ambiente de debate.

Não é o que ocorre no governo federal, lá manda quem pode, obedece quem tem juízo. Mas isso não quer dizer que Bolsonaro tenha assumido a responsabilidade por suas decisões, ao contrário, se calça em desculpas. A primeira foi que o STF delegou a Estados o combate à pandemia.

A última, que as empresas deveriam correr atrás do governo implorando para vender vacinas. Se mortes foram evitadas, isso se deve à ação da população, de médicos e enfermeiras, de prefeitos, governadores, do Legislativo e do Judiciário, e ocorreram contra a vontade do presidente.

Mas agora, com a aprovação pela Inglaterra, Argentina e Índia da vacina desenvolvida pela AstraZeneca/Oxford, e o início de seu uso no ano novo, as desculpas acabaram. De 1º de janeiro de 2021 em diante, o sucesso do programa de vacinação brasileiro está todo sob controle da cadeia de comando do presidente.

O governo federal, por meio da Fiocruz, optou por colocar todas suas fichas na vacina da AstraZeneca/Oxford. E resolveu, ao invés de comprar doses da vacina, celebrar um contrato de transferência de tecnologia. Por esse contrato a Fiocruz recebe o ingrediente ativo da vacina em grandes volumes, que serão fracionados, envasados, rotulados e embalados nas instalações da própria Fiocruz, resultando em 100 milhões de doses até junho de 2021.

Numa 2ª etapa, a partir de julho, a Fiocruz assumiu a responsabilidade de produzir o princípio ativo da vacina localmente, garantindo o resto das doses necessárias, e a total independência do Brasil. Para tanto, assumiu o encargo de construir e certificar novas fábricas, comprar os frascos e tudo que for necessário para entregar as doses de vacina para o Ministério da Saúde.

A escolha de colocar todas as fichas na vacina da AstraZeneca/Oxford foi uma decisão arriscada, que parecia ter encontrado obstáculos quando saíram os resultados das primeiras três vacinas. As vacinas da Pfizer e Moderna apresentaram eficácia maior, 95%, quando comparada à eficácia de 70%, em média, da vacina da AstraZeneca. Algumas falhas no estudo de fase 3 me levaram a imaginar que talvez demorasse para alguma agência regulatória aprovar a vacina. Errei.

O fato é que a Inglaterra analisou os dados apresentados pela AstraZeneca e concedeu licença emergencial para a vacina. Argentina e Índia fizeram o mesmo. O governo inglês já está recebendo as doses que comprou, embaladinhas e prontas para uso na semana que vem. Isso significa que a AstraZeneca possui um dossiê que foi entregue ao governo inglês, argentino e indiano e foi aprovado. A cadeia de comando não entregou o dossiê (Fiocruz) e tampouco examinou o dossiê (Anvisa).

Se isso já ocorreu na Argentina e na Índia, cabe perguntar por que ainda não ocorreu no Brasil. O prazo para a Fiocruz entregar o pedido à Anvisa é 15 de janeiro. E a Fiocruz pretende entregar as primeiras doses da vacina ao Ministério da Saúde em 16 de fevereiro. Um mês e meio depois da Inglaterra receber doses prontas da AstraZeneca, e um mês após a entrega pela AstraZeneca do princípio ativo para a Fiocruz (previsto para 9 de janeiro). Será que as fábricas não ficaram prontas? Não foram certificadas? Faltam frascos? Não sabemos.

Mais cedo ou mais tarde, a Fiocruz vai entregar as primeiras doses de vacina, 3,5 milhões, mas o ritmo da entrega ao longo dos meses seguintes ainda é desconhecido e não sabemos que fração da população a cadeia de comando planeja vacinar a cada dia durante 2021. Para vacinar a população ainda em 2021, é preciso inocular aproximadamente 500 mil pessoas por dia. Lembre desse número e verifique o progresso a cada dia.

O ritmo de vacinação depende do Ministério da Saúde. O Programa Nacional de Imunização (PNI) é federal, e nossa sorte é que a vacina da AstraZeneca não precisa de condições especiais de transporte e armazenamento e, portanto, se encaixa como uma luva no PNI. Não há desculpa para a vacinação não ser iniciada rapidamente e executada com velocidade. Se não houver vacina suficiente, se faltarem seringas, se o controle de quem foi vacinado falhar, se ela não chegar aos rincões do Brasil, não existe desculpa.

O presidente Bolsonaro optou por instalar um sistema de comando e controle, tipicamente usado por militares em operações de guerra. Podemos até argumentar que a luta contra o SARS-CoV-2 é uma guerra, mas nos sistemas militares o general dá as ordens, os outros devem obedecer sem questionar, como confirmou ao vivo e em cores o general que é nosso ministro da Saúde.

O que não devemos esquecer é que num sistema onde as ordens são emitidas por um único líder e seguidas por todos os outros, a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso da operação recai unicamente sobre o comandante. Assim, qualquer que seja o resultado do nosso programa de vacinação em 2021, é bom lembrar que a responsabilidade a partir de agora é de Bolsonaro. Acabou o espaço para desculpas.

Comentários para "Acabaram as desculpas para não começar a vacinação contra a covid-19":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Dermatologista especialista em cabelos explica como tratar a calvície feminina

Dermatologista especialista em cabelos explica como tratar a calvície feminina

Dra. Ana Carulina é especialista em procedimentos e tratamentos estéticos (fac iais e corporais ) no Rio de Janeiro

Cinco coisas que você precisa saber sobre maternidade

Cinco coisas que você precisa saber sobre maternidade

Mulher segura criança em Vijaynagar, na Índia.

Estudo alerta sobre uso de chás e fórmulas para emagrecer

Estudo alerta sobre uso de chás e fórmulas para emagrecer

Riscos do uso de soluções, fórmulas e chás de emagrecimento

Crianças e adolescentes também correm o risco de ter varizes

Crianças e adolescentes também correm o risco de ter varizes

Estudos populacionais têm demonstrado um aumento na incidência de varizes que acometem aproximadamente de 10 a 15% dos jovens que cursam o ensino médio

Metade dos recrutadores temem por Burnout de profissionais

Metade dos recrutadores temem por Burnout de profissionais

Mindfulness é alternativa para lidar com o transtorno

Bem Viver na TV: O que é a Síndrome de Burnout?

Bem Viver na TV: O que é a Síndrome de Burnout?

Uma produção do Brasil de Fato dedicada a agroecologia, meio ambiente, alimentação saudável, saúde e cultura

Atenção Primária à Saúde: Prioridade Global e urgência nacional

Atenção Primária à Saúde: Prioridade Global e urgência nacional

Kipp Saúde, empresa do grupo Omint com modelo de APS em planos individuais prioriza o atendimento perene ao paciente com médico 24hs e enfermeira de família

Especialistas recomendam tatuagem em terapia pós-trauma

Especialistas recomendam tatuagem em terapia pós-trauma

Nos últimos anos, o tema da modificação corporal por meio de tatuagens vem despertando interesse acadêmico em todo o mundo

Sua pele é sensível? Confira dicas sobre cuidados especiais para esse tipo de pele

Sua pele é sensível? Confira dicas sobre cuidados especiais para esse tipo de pele

No Mês da Conscientização sobre a Pele Sensível, Cetaphil esclarece qual a rotina de skincare ideal para este tipo de pele e dá dicas sobre os cuidados especiais

Documentário sobre porfiria traz realidade de quem convive com doença rara

Documentário sobre porfiria traz realidade de quem convive com doença rara

Mês de Conscientização da Porfiria

Depressão: Saiba como buscar ajuda gratuita

Depressão: Saiba como buscar ajuda gratuita

Atendimentos psicológicos gratuitos oferecidos por universidades