×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 16 de maio de 2022

Agronegócio do Brasil perderá US$ 10 bilhões com acordo de China e EUA, diz o Insper

Agronegócio do Brasil perderá US$ 10 bilhões com acordo de China e EUA, diz o InsperFoto: Tribuna da Internet

Jank, do Insper, analisa as consequência do acordo comercial

Arthur Cagliari-folha-tribuna Da Internet - 24/12/2019 - 20:09:35

Em um cenário de fim da guerra comercial entre China e Estados Unidos, num primeiro momento as exportações brasileiras para o país asiático podem recuar US$ 10 bilhões, segundo projeção feitas pelo Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa). O montante equivale a 28% das vendas do agronegócio brasileiro para os chineses.

O impacto é calculado a partir do que os produtos agrícolas do Brasil perderiam se a China viesse a cumprir as medidas que foram anunciadas pelo governo americano na semana passada. Uma delas estabelece que os chineses devem elevar a importação do agronegócio americano.


R$ 32 BILHÕES – Segundo o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, os chineses se comprometeram a incrementar o volume de importação em produtos agrícolas dos americanos em US$ 32 bilhões nos próximos dois anos.

Esse acréscimo ocorreria sobre uma base de US$ 24 bilhões –que equivale ao total de produtos agrícolas exportado pelos americanos em 2017, antes de guerra comercial.

Para cumprir essa parte do acordo, os chineses teriam que comprar entre US$ 50 bilhões e US$ 60 bilhões do agronegócio dos EUA em dois anos –valores que, mesmo se analisados anualmente, estão muito distantes dos US$ 13,2 bilhões exportados em 2018 pelos americanos aos asiáticos.

TERIA DE OPTAR – O problema, segundo análise feita pelo Insper, é que, para recuperar os US$ 24 bilhões anteriores à guerra comercial e ainda acrescentar mais US$ 32 bilhões, em apenas dois anos, a China teria de deixar de comprar de outros fornecedores, como o Brasil.

“Em um cenário otimista para os americanos, em que eles consigam exportar US$ 30 bilhões para os chineses, como ocorreu em no seu maior pico, a China ainda teria que encontrar um caminho para os outros US$ 25 bilhões”, disse Marcos Jank, coordenador do Insper Agro Global.

“Parte disso vai vir do que nós exportamos hoje. Então é possível que voltemos ao patamar anterior a guerra comercial, perdendo cerca de US$ 10 bilhões em exportações de produtos agrícolas”, assinala.

CRESCIMENTO – As vendas do agronegócio brasileiro para os chineses tiveram um crescimento acentuado em 2018, enquanto as dos americanos despencaram. As exportações de produtos agrícolas do Brasil passaram de US$ 26,6 bilhões em 2017 para US$ 35,4 bilhões no ano passado. Enquanto isso, no mesmo período, os produtos americanos recuaram de US$ 24 bilhões para US$ 13,2 bilhões.

“Se a China suspender a taxação sobre os produtos americanos, a primeira coisa que vai ocorrer é o reequilíbrio nas vendas de soja [dos EUA aos chineses]. A soja devolve para os americanos entre US$ 11 bilhões e US$ 12 bilhões. Agora de onde virá todo o resto que o acordo prevê?”, afirmou Jank.

Os valores restantes podem vir de outros produtos da pauta agrícola dominada pelo Brasil, e que têm os EUA como grande concorrente. Carne de frango e o algodão são os exemplos destacados pelo Insper.

FRANGO E ALGODÃO – No caso da carne de frango, o produto brasileiro domina o mercado chinês há quase uma década, sendo que no ano passado os produtores brasileiros exportaram mais de US$ 1,1 bilhão em frango, enquanto os americanos não chegaram em US$ 100 milhões.

Já na situação do algodão, os Estados Unidos dominaram por muito tempo o mercado do gigante asiático, mas neste ano o Brasil deve bater seu recorde e encostar nos americanos. A projeção é que a exportação brasileira fique em US$ 711 milhões em 2019, ante os US$ 714 milhões dos americanos.

Além desses mercados, os chineses podem rever as compras de carne bovina de fornecedores americanos, cuja participação é inexpressiva, enquanto a do Brasil é predominante (vide a atual alta do preço do produto no mercado brasileiro com a forte demanda dos chineses).

OUTROS PRODUTOS – Já no que tange à carne suína, embora os EUA superem o Brasil, as exportações brasileiras têm apresentado um crescimento expressivo, com menos de US$ 14 milhões em 2010 para algo em torno de US$ 570 milhões neste ano.

Jank disse ainda que houve uma quebra de safra nos EUA, o que vai dificultar a reposição rápida do volume das exportações ao anterior ao da disputa. “Isso demoraria mais do que dois anos. Então mais uma vez, chegar em US$ 55 bilhões nesse período parece inexequível”, disse.

Assim, para conseguir responder a demanda prevista num eventual acordo pleno com o governo Trump, os chineses teriam que fazer concessões para novos produtos, o que também pode impactar o Brasil. “Os chineses podem criar um sistema preferencial para os Estados Unidos, como o de milho, arroz e etanol”, segundo o coordenador do Insper.

SISTEMA PREFERENCIAL – Embora aberturas preferenciais, como a desenhada acima, possam ser questionadas na OMC (Organização Mundial do Comércio), Jank lembra que há meios para os chineses contornarem a situação e também há a questão do desmonte da entidade, com o enfraquecimento do Órgão de Apelação. “Os chineses não podem conceder a outro país da OMC um tratamento privilegiado sem fazer a mesma concessão aos outros países- membros. A única maneira para fazer isso é utilizando suas empresas estatais para fazer as compras”, disse.

“E nós vamos reclamar para quem? A não nomeação dos juízes da OMC é exatamente o mundo em que a gente vai viver agora, de toma lá da cá. É complicado o mundo em que estamos vivendo”, conclui Jank.

Comentários para "Agronegócio do Brasil perderá US$ 10 bilhões com acordo de China e EUA, diz o Insper":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Horto medicinal do Lago Norte ganha sistema de irrigação

Horto medicinal do Lago Norte ganha sistema de irrigação

Implantado por voluntários, equipamento assegura perenidade das plantas medicinais

Sandi Hotel aposta em Fazenda Marinha para cultivo de vieiras em Paraty

Sandi Hotel aposta em Fazenda Marinha para cultivo de vieiras em Paraty

Na Fazenda Marinha Coquille da Cajaíba, no Pouso da Cajaíba, o cultivo de vieiras e mexilhões envolve manejo sustentável e parceria com uma família caiçara, incentivando a economia local e preservando os saberes tradicionais da região

Hortas urbanas: Projeto na Rocinha em parceria com UFRRJ vai ocupar lajes da comunidade

Hortas urbanas: Projeto na Rocinha em parceria com UFRRJ vai ocupar lajes da comunidade

Cogumelos da Mata Atlântica, alimentos orgânicos e criação de abelhas para produção de mel vão gerar renda local

Embrapa apresenta cultivares de forrageiras para sistemas de integração

Embrapa apresenta cultivares de forrageiras para sistemas de integração

O Dia de Campo também mostrará modelos de manejo e recuperação de solos, manejo da pastagem com adubação complementar, o Programa Zebu: Carne de Qualidade, além ferramentas de gestão e sucessão rural e de linhas de crédito.

Mês da Terra: Como a agricultura regenerativa beneficia o planeta

Mês da Terra: Como a agricultura regenerativa beneficia o planeta

A Danone irá investir cerca de R$ 1 milhão, por ano, em capacitação e assistência técnica aos produtores de leite e profissionais ligados à iniciativa no Brasil

Em audiência no Senado, especialistas criticam PL do veneno e “indústria” dos agrotóxicos

Em audiência no Senado, especialistas criticam PL do veneno e “indústria” dos agrotóxicos

“Agrotóxico é veneno e tem a única função que é de eliminação da vida”, afirma pesquisadora.

Embaixadores de 20 países respaldam ações em prol da segurança alimentar

Embaixadores de 20 países respaldam ações em prol da segurança alimentar

Em encontro na Costa Rica, o diretor geral do IICA, Manuel Otero falou sobre os efeitos da crise entre Rússia e Ucrânia nos sistemas agroalimentares das Américas

Agrishow começa nesta segunda-feira e volta ao formato presencial

Agrishow começa nesta segunda-feira e volta ao formato presencial

A 27ª edição da feira, considerada uma das maiores do mundo em tecnologia agrícola, vai até sexta-feira (29).

Agricultura intensiva provoca perdas ambientais

Agricultura intensiva provoca perdas ambientais

O uso incorreto de pesticidas também traz impactos negativos ao meio ambiente por afetar colmeias de polinizadores

Conservação do solo é fundamental para manutenção da produção de alimentos

Conservação do solo é fundamental para manutenção da produção de alimentos

Entre as técnicas que podem ajudar nessa missão sustentável, a ILPF é uma das mais eficientes por proporcionar diversos benefícios

Saca de milho custa quase o dobro de dois anos atrás

Saca de milho custa quase o dobro de dois anos atrás

A média do preço da saca ficou em R$ 99,69 - valor que não se via desde maio de 2021 e quase o dobro do registrado dois anos atrás.