×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 02 de julho de 2022

Alimentação decolonial: Tradições quilombolas mudam forma de cozinhar da chef Aline Guedes

Alimentação decolonial: Tradições quilombolas mudam forma de cozinhar da chef Aline GuedesFoto: “É preciso que a alimentação seja decolonial, e que se pense novas perspectivas sobre a gastronomia”, diz a chefe de cozinha. - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Pesquisadora segue uma transformação processual das referências colonizadoras da cozinha eurocêntrica

Anelize Moreira - Portal Brasil De Fato - 17/05/2022 - 17:54:39

A pesquisa provocou uma mudança brusca no meu modo de cozinhar: mais simples, natural e sustentável

Quais as práticas alimentares e alimentos mais consumidos pelas comunidades quilombolas de São Paulo? Essa pergunta puxa a pesquisa da chef de cozinha e professora universitária de gastronomia Aline Guedes. Após desenvolver e conhecer a realidade da alimentação quilombola paulista, ela tem ampliado a sua pesquisa e conhecido outros quilombos fora do estado de São Paulo. O estudo de Aline Guedes também está transformando a cozinha dela.

“Desde que comecei a pesquisa, a minha cozinha mudou completamente, ela me permitiu um novo olhar para gastronomia que até então era eurocêntrica, pois estudei em uma escola com bases francesas. O desenvolvimento da pesquisa provocou uma mudança brusca e potencializou o meu modo de cozinhar, para uma forma mais mais simples, mais natural, mais sustentável e conectando o que temos hoje com o passado”, afirma a docente.

Nascida e criada na periferia de São Paulo, Aline teve a mãe, que era empregada doméstica, como referência na cozinha. Quando fez faculdade, há quase 20 anos, a pesquisadora era a única aluna negra no curso de gastronomia. Agora, como professora, ela ensina em sala de aula uma perspectiva decolonial na gastronomia, o que significa dizer que é preciso ampliar o olhar sobre a alimentação para além dos conceitos eurocêntricos.

Ouça também: PAA e Pnae favorecem luta contra a colonialidade na comunidade de Monte Alegre (ES)

Aline levou essas influências da alimentação quilombola e das religiões de matrizes africanas para o programa de TV ‘Mestre do Sabor’ o prato de entrada com uma receita de peixe assado na folha de couve com palmito pupunha ao molho bobó.

“Houve toda uma intenção de mostrar a nossa afrobrasilidade. Fiz um molho amarelado para representar a orixá, Oxum. Também usei ingredientes naturais e de plantas alimentícias não convencionais que é algo que encontra bastante nos quilombos do país e até no prato que era preto, para representar a nossa como cor povo preto”.

::"No candomblé a cozinha é o útero do terreiro”, diz chef Solange Borges::

Luta pela terra e pelo alimento tradicional

Um dos maiores problemas que as populações quilombolas enfrentam ao longo de séculos é a regularização fundiária. Essas comunidades lutam pelo direito de propriedade de suas terras consagrado pela Constituição Federal desde 1988. Nos quilombos se mantêm vivos os saberes tradicionais e a alimentação é um dos fatores importantes para proteção da cultura quilombola.

“O racismo ambiental é uma ameaça na produção de alimentos nas comunidades quilombolas, mas também na preservação cultural, na forma de comer e preparar os alimentos. Há não só a exploração e invasão desses espaços, mas também essa necessidade constante de apagar uma cultura, um povo e até de dizimá-lo. É muito triste pensar que para que haja sobrevivência é preciso que eles estejam sempre resistindo, sendo que esse é um direito de todos”.

Ela lembra que o primeiro ponto importante é a diversidade da alimentação, pois não é uma alimentação única, mas tem particularidades de acordo com a região onde está localizada a comunidade. “Os alimentos mais consumidos em comunidades quilombolas do Nordeste vão ser diferentes das comunidades do Sudeste do país. A maior parte desses alimentos são mais naturais, quando possível orgânicos, provenientes da terra, com ingredientes que são mais facilmente encontrados no território, de acordo com a sazonalidade e o potencial de plantio e colheita desses insumos”.

::“Alimentação é ato político, nos define e mantém fidelidade com mundo velho", diz indígena::

A professora de gastronomia comenta que o alimento é transformador, pois abrange diversos aspectos sociais, históricos, políticos, culturais e também os afetos, pois potencializa vínculos e relações.

“As formas como nós comemos, cozinhamos, e compartilhamos afetos por meio do alimento, é resultado do que repetidamente foi executado pelas nossas mães, avós e tias e aí percebemos que a alimentação está ligada a nossa ancestralidade", relata Aline que diz que por meio da pesquisa resgatou a sua cultura e a sua ancestralidade.

Segundo a Fundação Palmares existem hoje no Brasil quase quatro mil comunidades quilombolas distribuídas em 24 estados do país. Em sua origem, as comunidades quilombolas eram formadas por pessoas negras escravizadas, que conseguiam fugir de cativeiros e formavam os quilombos.

Edição: Daniel Lamir

Comentários para "Alimentação decolonial: Tradições quilombolas mudam forma de cozinhar da chef Aline Guedes":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Destilaria de Santa Catarina participa de concurso em Singapura e conquista duas medalhas

Destilaria de Santa Catarina participa de concurso em Singapura e conquista duas medalhas

Destilaria de Santa Catarina participa pela primeira vez de concurso renomado do setor de bebidas em Singapura e conquista duas medalhas de bronze

Para especialista, inverno reforça a combinação de queijos e vinhos

Para especialista, inverno reforça a combinação de queijos e vinhos

Para exemplificar esse cenário, Kambilis traz alguma das harmonizações mais clássicas

Alimentação equilibrada: É preciso ter cuidado com os

Alimentação equilibrada: É preciso ter cuidado com os "lanchinhos diários"

O ideal é priorizar produtos sem açúcar e com nutrientes que contribuem para a saúde

Festival Nacional Mel, Chorinho e Cachaça movimenta o Ceará

Festival Nacional Mel, Chorinho e Cachaça movimenta o Ceará

Promoção será nos dias 16, 17 e 18 próximos

Maior queijo do mundo será produzido em Ipanema, Minas Gerais

Maior queijo do mundo será produzido em Ipanema, Minas Gerais

Produção do queijo, doce de leite e queimadinha

Dia Mundial do vinho Chardonnay foi celebrado em 27 de maio

Dia Mundial do vinho Chardonnay foi celebrado em 27 de maio

O Chile produz vinhos que, de forma geral, possuem um estilo que agradam ao paladar do brasileiro

Farinha de mandioca da Amazônia: Produção artesanal e floresta em pé

Farinha de mandioca da Amazônia: Produção artesanal e floresta em pé

No Amazonas, produção de farinha de mandioca é símbolo da identidade cultural e fonte de renda para as famílias

A busca pela saúde por meio da alimentação aumenta no mercado

A busca pela saúde por meio da alimentação aumenta no mercado

É fato que o desejo pela longevidade é o principal motor de muitas das instituições da sociedade durante sua história

Dia do Hambúrguer: TABASCO e Chef Júnior Marinho indicam receita

Dia do Hambúrguer: TABASCO e Chef Júnior Marinho indicam receita

O queridinho dos brasileiros ganha uma versão com hambúrguer de linguiça apimentado pelo molho de pimenta TABASCO®

Três enotrips obrigatórias para os amantes do vinho

Três enotrips obrigatórias para os amantes do vinho

Agência Abreu indica roteiros fabulosos pela Europa para provar os melhores vinhos do mundo

Batata frita de Marechal Hermes agora é Patrimônio Cultural Material do Estado do RJ

Batata frita de Marechal Hermes agora é Patrimônio Cultural Material do Estado do RJ

Comerciante Ademar Moreira vende a tradicional batata frita em frente à estação de trem há mais de 30 anos