×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 20 de setembro de 2021

BNDES injeta recorde de dinheiro em empresas ligadas ao desmatamentoFoto: Ibama / Fotos Públicas

BNDES injeta recorde de dinheiro em empresas ligadas ao desmatamento

Lucro é dividido entre os acionistas, mas o passivo ambiental é dividido pelo conjunto da sociedade

Marques Casara - Portal Brasil De Fato - 02/07/2021 - 08:02:36

A devastação da Amazônia alcançou patamares inéditos em 2021. O primeiro semestre registrou o pico da série histórica registrada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O pior mês foi abril, com 580 km² de área desmatada, um aumento de 43% em relação ao mesmo período do ano passado.

Sob a gestão Bolsonaro, não houve nenhum avanço no controle do desmatamento. A situação só piora. A entrada do Exército em 2020, com a Operação Verde Brasil 2, foi um vexame. Os militares criaram intrigas com os órgãos de fiscalização. Não contiveram a sanha do coronelato sem farda, as milícias que mandam, desmantam, invadem terras, cometem assassinatos e fazem o serviço sujo para as multinacionais do agronegócio.

:: O que deixou o Brasil à beira de uma crise hídrica histórica? ::

Agora o fazem enrolados na bandeira do Brasil, protegidos pela necropolítica bolsonaristas e financiados com dinheiro de bancos públicos, como o Banco do Brasil e o BNDES.

Em setembro de 2020, a coalizão internacional Forest & Finance , que investiga empresas envolvidas no desmatamento, identificou que o Banco do Brasil e o BNDES são as instituições brasileiras que mais financiam setores ligados ao desmatamento. Segundo a Repórter Brasil , que integra a coalizão, bilhões de dólares são direcionados para indústrias ligadas ao desmatamento, como a da carne bovina.

Bilhões de dólares são direcionados para indústrias ligadas ao desmatamento, como a da carne bovina
/ Repórter Brasil

Para piorar o cenário, chega a informação de que a pandemia não conteve a sanha das multinacionais do desmatamento. Dados deste final de semestre mostram que a situação se agrava. Durante a pandemia do covid-19, segundo a Mongabay , os bancos internacionais aumentaram em US$ 8 bilhões os investimentos ligados ao desmatamento.

Durante a pandemia, entre as 50 maiores instituições financeiras internacionais que financiam grupos ligados ao desmatamento, o BNDES ficou entre as três que mais aportaram recursos em empresas predatórias. Ficou atrás de duas instituições da Malásia, tradicional foco de desmatamentos. Ficou à frente de grandes instituições norte-americanas, japoneses e coreanas.

:: Por que o ex-ministro Ricardo Salles era considerado ameaça mundial ao meio ambiente ::

Na prática, tudo isso significa o seguinte: no Brasil, crime ambiental é política de governo. Política protegida pelo governo e financiada pelos bancos púbicos.

Banco do Brasil e BNDES têm sólidas normas de governança, no que diz respeito a empréstimos e financiamentos de empresas ligadas ao desmatamento. Mas não cumprem suas próprias diretrizes. E mais: financiam negócios privados que invadem terras, desmatam, matam e geram riquezas aos investidores e prejuízos à comunidade.

Nos negócios predatórios financiados pelo sistema financeiro, o lucro é dividido entre os acionistas, mas o passivo ambiental é dividido pelo conjunto da sociedade.

E assim a vida segue, um dia depois do outro. Será que muda? O que você acha?

*Marques Casara é jornalista especializado em investigação de cadeias produtivas. Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. Leia outras colunas.

**Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa nossa linha editorial .

Edição: Vivian Virissimo

Comentários para "BNDES injeta recorde de dinheiro em empresas ligadas ao desmatamento":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório