×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 28 de novembro de 2021

Cepal: América Latina e Caribe tiveram mais de 3,5 mil feminicídios em 2018

Cepal: América Latina e Caribe tiveram mais de 3,5 mil feminicídios em 2018Foto: ONU Mulheres/Dzilam Mendez

Segundo as Nações Unidas, a maioria dos atos de violência física ou sexual são cometidos por um parceiro.

Onu News - 26/11/2019 - 08:12:27

Brasil registrou 1.206 assassinatos por razão de gênero; El Salvador, Honduras e Bolívia são os países com maiores taxas proporcionais desse tipo de crime; para chefe da Cepal, números provam “padrões patriarcais, discriminatórios e violentos”.

A América Latina e o Caribe estão perdendo uma média de 10 mulheres por dia para crimes de feminicídio.

Segundo as Nações Unidas, a maioria dos atos de violência física ou sexual são cometidos por um parceiro. Foto: ONU Mulheres/Dzilam Mendez

A constatação é de um estudo do Observatório de Igualdade de Gênero da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe, Cepal.

Taxas

O levantamento, divulgado nesta segunda-feira pela Cepal, revela que 3.529 mulheres foram assassinadas no ano passado por razões de gênero.

O Brasil registrou 1.206 casos de feminicídio. Mas em taxas proporcionais, baseadas no tamanho da população, El Salvador, Honduras a Bolívia foram os países com o maior número de crimes desta natureza.

Em El Salvador morrem 6.8 mulheres para cada 100 mil habitantes. Em Honduras, 5.1. Na Bolívia: 2.3, um pouco a mais que Guatemala com 2.0 e República Dominicana com 1.9.

O Brasil aparece no meio da tabela. Com 1.1 feminicídio para cada 100 mil habitantes. O país menos violento é o Peru com 0.8.

No Caribe, as taxas mais altas encontram-se em Guiana e Santa Lúcia, onde mais de quatro mulheres morrem somente pelo fato de serem mulheres.

Estes dados começaram a ser compilados pela Cepal em 2009, quando apenas quatro países tinham legislação específica sobre este crime. Seis anos depois, em 2015, a organização diz que a maioria dos países já tinha reformado os seus códigos penais para tipificar o feminicídio.

Direitos

Em nota, a secretária-executiva da Cepal, Alicia Bárcena, disse que estes números “mostram a profundidade de padrões culturais patriarcais, discriminatórios e violentos.”

Segundo ela, “milhões de mulheres saíram às ruas para reivindicar e exigir algo tão fundamental, mas tão violado, como o direito de viverem livres de violência.”

Registro

Nesse momento, a Cepal está promovendo a construção de um Sistema de Registro de Feminicídio. O recurso deverá melhorar a qualidade da informação recolhida, ajudar a compreender o fenómeno e fazer comparações entre países.

Segundo a Cepal, este levantamento “é essencial para desenvolver, implementar e monitorar políticas que protejam vítimas de violência de gênero, previnam feminicídio e julguem os culpados.”

Spotlight

Esta segunda-feira, 25 de novembro, marca o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres e o começo dos 16 dias de ativismo sobre o mesmo tema, que terminam em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos.

Segundo as Nações Unidas, a maioria dos atos de violência física ou sexual são cometidos por um parceiro. Metade das mulheres mortas em todo o mundo foram assassinadas pessoas bem próximas ou familiares. Em comparação, apenas um em cada 20 homens foi morto nas mesmas circunstâncias.

As Nações Unidas, em parceria com a União Europeia, lançaram em 2017 a Iniciativa Spotlight com o objetivo de eliminar a violência contra mulheres e meninas até 2030.

Comentários para "Cepal: América Latina e Caribe tiveram mais de 3,5 mil feminicídios em 2018":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Parque Ecológico de Santa Maria ganha mutirão de plantio de mudas

Um dos objetivos da ação foi enfatizar a importância do meio ambiente para a qualidade de vida das pessoas

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Fim de semana com muitas atrações culturais no Distrito Federal, confira

Festival é indicado para para famílias com crianças de 0 a 5 anos de idade

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita e gratuita

Após reforma, Memorial dos Povos Indígenas reabre com exposição inédita de peças e utensílios de povos originários

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Projeto Alma Brasileira realiza temporada em escolas públicas do DF

Com a retomada das escolas públicas às atividades presenciais nesta nova fase da crise sanitária, a proposta dos músicos é levar uma motivação extra às aulas presenciais.

Praça da República é reinaugurada com programação  especial

Praça da República é reinaugurada com programação especial

Estão confirmados o grupo Samba Urgente, Digão (Raimundos), Philippe Seabra (Plebe Rude), GOG (foto), Bboy Samuka (breakdancer), Turko (grafiteiro), Realleza (rapper e cantora) e Tio André (mágico), entre outros

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

Memorial dos Povos Indígenas reabre com mostra inédita no Distrito Federal

A mostra traz fração do lote de oito mil artefatos apreendidos pela Polícia Federal do contrabando de objetos indígenas e doados à Secec

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Parque Nacional de Brasília reabre acesso a piscinas da Água Mineral

Chamado de Água Mineral, local pode receber 1,5 mil visitantes por dia

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Exposição mostra como seria Brasília desenhada por outros arquitetos

Projeto desenhado por Lúcio Costa foi o vencedor em 1957

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

“Brasília é bem planejada e inovação está no cerne da cidade”, diz CEO

O roteiro deste sábado (20) da coordenação da Web Summit incluiu evento com empreendedores de startups e sobrevoo de helicóptero por Brasília

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Aulas, debates, histórias e ações plantam esperança e educação antirracista no DF

Zenilda Vilarins Cardozo conversa com crianças da EC 3 do Gama

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Dia da Consciência Negra no Distrito Federal promete fazer história

Todos os eventos são gratuitos, de classificação livre e será feita arrecadação de 1 kg de alimento não perecível para doação de cestas básicas a famílias em situação de vulnerabilidade social do DF.