×
ContextoExato

Contexto Exato

Brasil - Brasília - Distrito Federal - 26 de outubro de 2021

Com segunda onda da pandemia: Brasil viverá genocídio dos postos de trabalho

Com segunda onda da pandemia: Brasil viverá genocídio dos postos de trabalhoFoto: Pixabay

Segunda onda da pandemia do desemprego – sem programas de proteção de emprego e renda, Brasil viverá genocídio dos postos de trabalho

Antonio Neto - Estadão Conteúdo - 05/01/2021 - 07:22:53

Após vivermos um ano de tristeza, paralisia e profundo aprendizado devido à pandemia da Covid-19, chegamos a mais um ano. Bem-vindo, 2021!
Apesar da esperança que a virada de ano nos traz, por mais difícil que seja, precisamos entender que a epidemiologia e a economia não respeitam o calendário gregoriano. Estamos vivendo a segunda onda do coronavírus, sem nem ter visto o fim da primeira, e já podemos enxergar uma nova, e mais letal, onda de desemprego.

No último dia de 2020 se encerraram dois programas importantes para proteger a renda e o emprego dos brasileiros. O fim do auxílio emergencial e do Programa de Proteção ao Emprego, que permitia a redução e suspensão de jornada/salário, é o puro suco do negacionismo bolsonarista. Em um momento em que o número de casos e mortes alarmam os especialistas e a população, a dupla Bolsonaro e Paulo Guedes aposta na negação da real situação pandêmica para tirar o amparo ao povo brasileiro conquistado no Congresso Nacional.


O programa de Proteção ao Emprego, criado a partir da MP 936/20, além de beneficiar mais de 20 milhões de trabalhadores, também evitou uma quebradeira generalizada de micro, pequenas e médias empresas. São justamente essas empresas — que funcionam como motor da recuperação econômica — que o governo federal joga à própria sorte, com a pandemia voltando a fechar o comércio e os setores não essenciais.


O fim do auxílio emergencial, que atendeu quase 70 milhões de famílias por seis meses, é outro golpe duro contra a população brasileira, sobretudo os trabalhadores informais. Foi exatamente quando o benefício foi cortado pela metade que a contaminação voltou a subir, segundo os dados epidemiológicos. E, com o fim do benefício a partir deste mês, a tragédia é anunciada.


Apesar desses dois importantes programas que garantiram renda e salário para mais de 90 milhões de trabalhadores, o Brasil já vive com uma pandemia de desemprego jamais vista. Segundo os últimos dados do IBGE, o desemprego no Brasil já atinge mais de 14 milhões de trabalhadores.


Não é difícil imaginar que, em um cenário como o atual — pandemia em alta, ausência de um robusto plano de imunização a curto prazo e sem os programas de proteção ao emprego e renda —, a já fragilizada economia brasileira vai acelerar seu processo de recessão. Consequentemente, a segunda onda da pandemia do desemprego pode ceifar postos de trabalho e empresas definitivamente.


A cloroquina bolsonarista para o desemprego já é conhecida de outros verões. Vão apelar para a necessidade de reformas que retirem direitos trabalhistas e onerem os trabalhadores em nome da geração de empregos que nunca chegarão. Não será com políticas recessivas de arrocho salarial, retirada de direitos e regressividade tributária que vamos derrotar o desemprego e a paralisia econômica.


É urgente um pacto social entre quem trabalha e produz através de um Projeto Nacional de Desenvolvimento que combata as desigualdades, reindustrialize o país, proteja a nossa soberania, promova o desenvolvimento sustentável e a inclusão racial, de gênero, de diversidade e étnica no nosso amado Brasil.


Antonio Neto, é presidente municipal do PDT de São Paulo.

Comentários para "Com segunda onda da pandemia: Brasil viverá genocídio dos postos de trabalho":

Deixe aqui seu comentário

Preencha os campos abaixo:
obrigatório
obrigatório
Combate à intolerância religiosa reforça liberdade de crenças

Combate à intolerância religiosa reforça liberdade de crenças

Dia distrital de luta será marcado pela realização do 4º Diálogos com o Comitê Distrital da Diversidade Religiosa, vinculado à Sejus

Campanha

Campanha "Natal Sem Fome" começou em todo o país

Cada R$1 doado para a campanha

Comissão Interamericana de DH se reúne e ouve denúncia de ataque a povos originários no Brasil

Comissão Interamericana de DH se reúne e ouve denúncia de ataque a povos originários no Brasil

Com a pandemia, a reunião da Comissão foi realizada em ambiente virtual

Roçado Solidário do MST une campo e cidade contra a fome na Região Metropolitana do Recife

Roçado Solidário do MST une campo e cidade contra a fome na Região Metropolitana do Recife

Iniciativa convida voluntários para conhecer como é a produção de alimentos em assentamentos da Reforma Agrária

MST vence prêmio internacional por atuação na garantia de condições dignas para a população

MST vence prêmio internacional por atuação na garantia de condições dignas para a população

Cerimônia de premiação, organizada pela OIT, será realizada virtualmente na próxima sexta-feira (22)

Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza ressalta que é preciso fazer ajustes

Dia Internacional pela Erradicação da Pobreza ressalta que é preciso fazer ajustes

ONU pede maior inclusão das vozes das pessoas que vivem na pobreza

No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

No grupo de risco, pessoas com HIV têm menos acesso a vacinas contra Covid-19

Iniciativa quer arrecadar até US$ 5 milhões para o período entre 2021 e 2022

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Agressões contra crianças e adolescentes no Brasil chegam a quase 120 mil

Em 2020, foram registradas mais de 150 mil denúncias

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

Desigualdade cresce mais no Brasil do que em outros países, aponta FGV

'Meu filho esqueceu as letras'

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Acesso ao meio ambiente saudável é declarado um direito humano

Árvores são plantadas na República Democrática do Congo para ajudar a combater a mudança climática.

1,3 bilhão de pessoas vivem na pobreza; grupos étnicos e mulheres são os mais afetados

1,3 bilhão de pessoas vivem na pobreza; grupos étnicos e mulheres são os mais afetados

Cerca de metade das pessoas em situação de pobreza são menores de 18 anos